Menu
2020-07-07T18:07:55-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Realizando os lucros

Adiando a festa: Ibovespa cai em dia e cautela global e se afasta dos 100 mil pontos

O tom mais prudente visto lá fora, somado à cautela dos investidores após a confirmação de que o presidente Jair Bolsonaro contraiu o coronavírus, fez o Ibovespa cair mais de 1% hoje; o dólar avançou e foi a R$ 5,38

7 de julho de 2020
18:07
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Na semana passada, o Ibovespa acumulou ganhos de mais de 3% e, apenas ontem, subiu mais 2,24%, chegando às máximas em quatro meses. Quase que de repente, o índice voltou a flertar com os 100 mil pontos — e havia quem apostasse na reconquista da marca centenária já nesta terça-feira (7).

Mas ainda não foi dessa vez. Desde o início do pregão, ficou claro que um certo clima de cautela tomava conta dos investidores, tanto no Brasil quanto no exterior. E essa hesitação só aumentou com o passar do dia: no fechamento, o Ibovespa marcava 97.761,04 pontos, em queda de 1,19%.

Com o desempenho de hoje, o índice brasileiro ficou em linha com as demais bolsas globais: na Europa, as principais praças fecharam em baixa; nos EUA, o Dow Jones (-1,51%), o S&P 500 (-1,08%) e o Nasdaq (-0,86%) também tiveram um dia negativo.

  • Eu gravei um vídeo para comentar alguns fatores externos que influenciaram os mercados brasileiros nesta terça-feira. Veja abaixo:

Isso não quer dizer que seja melhor recolher a decoração, devolver o bolo e distribuir os docinhos: essa baixa generalizada de hoje não se deve a alguma onda de pessimismo estrutural ou ao surgimento de novos fatores de risco no radar.

O que tivemos, na realidade, foi uma correção e realização dos lucros recentes — um movimento que teve como gatilho uma série de informações desfavoráveis ao mercado, é certo, mas que, ainda assim, estão longe de provocar uma mudança de humor entre os investidores.

No mercado de câmbio, também tivemos uma sessão mais pressionada: o dólar à vista até chegou a cair 1,16% logo depois da abertura, tocando os R$ 5,2897 na mínima. Mas, ao longo do dia, a moeda americana foi se fortalecendo, pouco a pouco, até terminar cotada a R$ 5,3834 (+0,59%).

Prudência

Lá fora, o comportamento mais hesitante dos investidores ocorreu em meio a uma sessão sem grandes destaques em termos de agenda econômica — e os poucos dados que foram divulgados não trouxeram indicações positivas ao mercado.

Na zona do euro, novas projeções econômicas para a União Europeia agora apontam para uma queda de 8,7% no PIB em 2020 — as estimativas anteriores eram de baixa de 7,7%. Ainda no velho continente, a produção industrial da Alemanha cresce 7,8% em abril, resultado abaixo do esperado pelos agentes financeiros.

Esse clima menos animado na Europa se somou ao desconforto quanto ao aumento de novos casos do coronavírus nos EUA — um fenômeno que, se não for contido, pode inspirar novas medidas de isolamento e restrição econômica, o que frearia a recuperação do nível de atividade do país.

Essa combinação de fatores acabou pesando sobre o humor dos investidores, inspirando um movimento de correção e realização de lucros nas bolsas globais. O mercado de juros futuros também mostra alguma prudência: os DIs ganharam força e fecharam em alta, em ambos os vértices.

  • Janeiro/2021: de 2,09% para 2,10%;
  • Janeiro/2022: de 2,90% para 2,95%;
  • Janeiro/2023: de 4,00% para 4,07%;
  • Janeiro/2025: de 5,52% para 5,63%.

Bolsonaro com Covid-19

No cenário doméstico, os investidores até tentaram sustentar uma postura não tão cautelosa durante a manhã, amparados por declarações mais otimistas do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, a respeito da recuperação da economia brasileira. Mas, aí...

Bem, aí tivemos a confirmação da notícia que, de certa maneira, já era aguardada pelos mercados: o presidente Jair Bolsonaro testou positivo para o coronavírus. Ele mesmo comunicou o resultado dos exames à imprensa, por volta das 12h30 — e os mercados reagiram com prudência:

Desempenho do Ibovespa nesta terça-feira (7). Repare que o índice começa a cair com mais intensidade por volta das 12h30, horário em que Bolsonaro confirmou que seus testes para o coronavírus deram positivo

A notícia elevou a percepção de risco por parte dos agentes financeiros por uma série de razões. Em primeiro lugar, há a própria incerteza quanto ao estado de saúde do presidente; em segundo, há o fato de Bolsonaro ter tido uma agenda cheia nos últimos dias, encontrando-se com ministros e outras autoridades e que, eventualmente, também podem ter contraído a doença.

Assim, dados os desdobramentos ainda desconhecidos do caso, os investidores aproveitaram o clima mais inseguro visto no exterior e também ajustaram parte de suas posições, tanto na bolsa quanto no dólar. Afinal, um pouco de cautela não faz mal a ninguém — e os 100 mil pontos do Ibovespa certamente podem esperar.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira. O setor de frigoríficos foi a estrela do dia, com Marfrig ON (MRFG3), Minerva ON (BEEF3) e JBS ON (JBSS3) despontando entre as maiores altas:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
MRFG3Marfrig ON13,62+7,92%
MGLU3Magazine Luiza ON74,72+3,79%
FLRY3Fleury ON25,74+3,04%
BEEF3Minerva ON13,70+2,85%
JBSS3JBS ON22,95+2,82%

Confira também as maiores quedas do índice — destaque para CVC ON (CVCB3), em forte queda após a confirmação de que as perdas relacionadas ao erro financeiro nos balanços passados será maior que a prevista. Além disso, o setor bancário também apareceu na ponta negativa, devolvendo boa parte dos ganhos de ontem:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
CVCB3CVC ON20,28-6,93%
ITUB4Itau Unibanco PN26,37-4,90%
SANB11Santander Brasil units28,53-4,36%
CSAN3Cosan ON73,50-4,27%
BBDC4Bradesco PN21,71-4,15%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies