Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-03T18:19:49-03:00
Ricardo Gozzi
Antes que a barragem se rompa

Comportas de Wall Street se abrem e arrastam Ibovespa; dólar cai com enfraquecimento generalizado

Virada em Nova York colocou a reforma administrativa em segundo plano, mas o tema tende a pautar o noticiário político pelos próximos meses

3 de setembro de 2020
18:01 - atualizado às 18:19
robertplant4

Um dia agitado como hoje nos mercados financeiros globais exige uma trilha sonora à altura. E a música apropriada para embalar um fechamento como o observado nesta quinta-feira é 'When the Levee Breaks', tradicional tema do blues norte-americano tornado clássico na interpretação do Led Zeppelin. Afinal, em tempos de liquidez abundante nos mercados financeiros, há momentos em que é melhor abrir as comportas do que permitir que a barragem se rompa.

O Ibovespa foi literalmente levado de arrasto pela forte queda registrada em Nova York nesta quinta-feira. Também pesou sobre a bolsa brasileira o recuo acentuado das ações da Vale - as de mais peso dentre todos os componentes do índice.

O movimento brusco ocorrido em Nova York sucedeu um rali que parecia interminável, mas cujo fim veio acompanhado de temores relacionados com o ritmo da retomada da economia passado o impacto mais acentuado da pandemia.

No decorrer das últimas semanas, dois dos três principais índices da bolsa norte-americana - o Nasdaq e o S&P-500 - renovaram recorde atrás de recorde de fechamento, impulsionados principalmente pelo setor de tecnologia em meio a advertências de que os papéis poderiam ter ficado caros demais.

O Dow Jones não chegou a renovar recordes, mas havia recuperado recentemente as perdas derivadas do primeiro impacto da pandemia do novo coronavírus sobre os mercados financeiros internacionais.

O fato é que os mercados globais de ações recuperaram terreno rapidamente nos últimos meses diante da expectativa de uma vacina para o novo coronavírus, mas os investidores começam agora a questionar a justificativa para preços tão elevados em muitos papéis enquanto a pandemia segue avançando pelo mundo.

Com isso, o Dow Jones caiu 2,78%, o S&P-500 recuou 3,51% e o Nasdaq deixou 4,96% pelo caminho. Por aqui, o Ibovespa encerrou em queda de 1,17%, aos 100.5721,36 pontos.

A crônica de uma cautela anunciada

A queda registrada hoje no Ibovespa deu sequência a uma cautela que já se anunciava no pré-mercado. “Incerteza e indecisão são duas palavras que o mercado não gosta”, observou Enrico Cozzolino, analista de ações do banco Daycoval.

No começo da sessão, uma abertura positivamente discreta logo deu lugar à continuidade da realização de lucros observada na sessão de ontem.

A divulgação dos primeiros detalhes da proposta do governo para a reforma administrativa até fez a bolsa brasileira voltar a subir ainda na primeira hora de pregão, mas o forte recuo dos índices em Wall Street acabou arrastando a bolsa brasileira, que chegou a perder provisoriamente o piso dos 100 mil pontos.

No cenário local, as ações da Vale puxaram o Ibovespa para baixo. Também pesaram os papéis da B2W, da Magalu e da Via Varejo, impactados hoje pela correlação deles com a Nasdaq.

Bancos impediram recuo maior

O que impediu um recuo ainda maior da bolsa hoje foi o setor bancário. Mais cedo, o Bank of America (BofA) elevou sua recomendação para as ações dos bancos brasileiros. "Vemos este setor como negligenciado demais", escreveu o estrategista David Beker em um relatório

Na avaliação de Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, as ações dos bancos estavam realmente muito descontadas. "Haviam caído muito desde o início da pandemia com questões como provisões e discussões sobre taxação maior e limites à cobrança de juros”, explicou ele.

Cozzolino concorda que as ações dos bancos não estão caras. No entanto, “os múltiplos voltaram a ficar caros e não há avanços que justifiquem pagar mais por bolsa, seja em termos da pandemia ou de política local”, prossegue ele.

Olhando em retrospectiva, Cozzolino aponta que muitos ativos voltaram a ficar caros quando o Ibovespa passou dos 100 mil pontos na recuperação que se seguiu à queda ocorrida no início da pandemia. “Essa volatilidade vista ao longo do último mês nos diz que não existe um consenso.”

Confira a seguir maiores altas e as maiores quedas do dia entre os componentes do Ibovespa.

MAIORES ALTAS

  • Hering ON (HGTX) +4,15%
  • Bradesco PN (BBDC4) +3,93%
  • Bradesco ON (BBDC3) +3,83%
  • Azul PN (AZUL4) +3,67%
  • Santander Unit (SANB11) +3,38%

MAIORES BAIXAS

  • B2W Digital ON (BTOW3) -7,57%
  • Via Varejo ON (VVAR3) -6,89%
  • Totvs ON (TOTS3) -5,80%
  • Magalu ON (MGLU3) -5,36%
  • Lojas Americanas PN (LAME4) -5,22%

Dólar e juro

O dólar voltou a fechar em queda nesta quinta-feira, refletindo a desvalorização generalizada da moeda norte-americana.

O mercado de câmbio abriu oscilando próximo da estabilidade reagindo aos dados da produção industrial brasileira em julho e à apresentação dos detalhes da reforma administrativa.

Entretanto, a moeda norte-americana não demorou a firmar-se em queda ante o real em meio a um movimento de realização dos ganhos acumulados recentemente.

A depreciação generalizada do dólar nos mercados internacionais levou a moeda a encerrar o dia em queda de 1,15%, cotada a R$ 5,2960.

Já os contratos de juros futuros acompanharam as oscilações do dólar desde a abertura e também fecharam em queda.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,830% para 2,790%;
  • Janeiro/2023: de 4,010% para 3,960%;
  • Janeiro/2025: de 5,820% para 5,760%;
  • Janeiro/2027: de 6,790% para 6,720%.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa recupera mais um degrau – e outros destaques do dia

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo. O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos […]

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies