Menu
2020-01-27T15:04:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Cautela elevada

Mercados em alerta: tensão com o coronavírus faz o Ibovespa cair mais de 2,5% e leva o dólar a R$ 4,21

A disseminação do coronavírus eleva a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Todas as ações do índice operam em queda, em especial as ligadas ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e siderúrgicas

27 de janeiro de 2020
10:34 - atualizado às 15:04
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O estresse toma conta das bolsas globais nesta segunda-feira (27), com os investidores mostrando-se apreensivos quanto à disseminação do coronavírus no mundo. O Ibovespa opera em queda firme e já aparece na faixa dos 115 mil pontos, num movimento em linha com o visto no exterior.

Por volta de 15h00, o principal índice acionário do Brasil recuava 2,72%, aos 115.154,80 pontos — um nível que não era visto desde o fim do ano passado. Nos Estados Unidos, o Dow Jones (-1,23%), o S&P 500 (-1,27%) e o Nasdaq (-1,54%) caem em bloco; na Europa, as principais praças também exibiram um tom amplamente negativo.

O mercado de câmbio não fica para trás: no mesmo horário, o dólar à vista subia 0,69%, a R$ 4,2133 — na máxima, chegou a bater os R$ 4,2318 (+1,13%), o maior nível desde 2 de dezembro. Lá fora, a sessão marcada pela valorização da moeda americana em relação às demais divisas de países emergentes.

Esse salto na aversão ao risco se deve à percepção de que o coronavírus está se espalhando num ritmo mais veloz que o esperado — os esforços globais para conter a doença parecem não estar surtindo muito efeito.

Somente na China, já são 80 mortos e cerca de cinco mil pessoas contaminadas. No restante do mundo, ao menos 14 países já registraram casos da doença misteriosa.

Em meio ao avanço do vírus, o governo chinês tem adotado medidas drásticas. Na semana passada, as autoridades de Pequim isolaram diversas cidades do país, incluindo a metrópole Wuhan, epicentro da doença. E, agora, está em estudo a prorrogação do recesso do Ano Novo Lunar até o próximo domingo (2), como modo de diminuir a circulação de pessoas.

O noticiário, assim, traz enorme cautela aos mercados, que já começam a temer os eventuais impactos econômicos de um surto global do coronavírus. Já há estimativas de que a doença poderá provocar uma queda de um ponto percentual no PIB chinês no primeiro trimestre de 2020.

A cautela atinge especialmente as ações de empresas do setor de commodities e que exportam para a China. É o caso de Vale ON (VALE3), em queda de 5,15%; CSN ON (CSNA3), em baixa de 5,23%; Gerdau PN (GGBR4), com perda de 5,54%; e Usiminas PNA (USIM5), recuando 5,55%.

Os papéis da Petrobras também caem forte — lá fora, o petróleo desvaloriza mais de 2%, tanto o Brent quanto o WTI. Nesse cenário, as ações ON da estatal (PETR3) operam em queda de 3,38%, enquanto as PNs (PETR4) têm baixa de 3,86%.

Pressão no dólar

Em meio à cautela global, os investidores optam por fugir dos ativos mais arriscados e correm para as opções mais seguras. E, no mercado de câmbio, isso se traduz num aumento na demanda por dólares.

O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana em comparação a uma cesta com as principais divisas do mundo — como o euro, o iene e a libra — sobe 0,13% no momento.

O movimento é mais drástico em relação às moedas de países emergentes: o dólar tem alta firme ante o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano, entre outras — o real, assim, fica em linha com seus pares globais.

Juros curtos em queda

Mas, apesar da alta do dólar à vista, as curvas de juros com vencimentos mais curtos têm uma manhã tranquila, operando em leve baixa.

Por aqui, o mercado aumentou as apostas num novo corte da Selic na reunião do Copom em fevereiro — o presidente do BC, Roberto Campos Neto, minimizou as preocupações com a pressão inflacionária gerada pela alta nos preços das carnes.

Veja abaixo como estão os principais DIs no momento:

  • Janeiro/2021: de 4,35% para 4,32%;
  • Janeiro/2023: de 5.56% para 5,51%;
  • Janeiro/2025: de 6,30% para 6,27%;
  • Janeiro/2027: de 6,68% para 6,67%.

Dia vermelho

Poucas ações do Ibovespa conseguem sustentar desempenhos positivos hoje. No momento, são apenas três no azul: Telefônica Brasil ON (VIVT4), com ganho de 1,25%, Tim ON (TIMP3), em alta de 0,98%, e as units do Santander Brasil (SANB11), com valorização de 0,25%.

Confira os cinco papéis de pior desempenho do índice nesta segunda-feira:

  • Eletrobras ON (ELET3): -6,09%
  • Usiminas PNA (USIM5): -5,55%
  • Gerdau PN (GGBR4): -5,54%
  • JBS ON (JBSS3): -5,39%
  • Suzano ON (SUZB3): -5,31%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

ENERGIA

País tem ‘folga’ de energia pelo menos até 2024

“Temos uma folga estrutural, pois tivemos um aumento de capacidade instalada sem a contrapartida de aumento de consumo”, diz Cristopher Vlavianos

ESTÍMULO PARA AS EMPRESAS

China anuncia medidas para ampliar crédito a empresas atingidas pelo coronavírus

Em reunião presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, o conselho disse que aumentará em 500 bilhões de yuans (US$ 71,2 bilhões) a cota de refinanciamento para empréstimos de bancos a pequenas empresas e fazendeiros

EM BUSCA DE PROTEÇÃO

Temor global com coronavírus faz ouro alcançar maior cotação desde 2013

Apenas neste ano, o ETF acumula alta de 8,25%. A razão para a valorização é uma só: ele é considerado porto seguro de quem investe quando o cenário externo parece mais incerto

JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

CRIPTOMOEDAS

Buffett volta a dizer que “criptomoedas não têm valor e que nunca terá uma”

Apesar de não gostar muito das moedas digitais, o bitcoin não vem fazendo feio. Nos últimos 12 meses, a criptomoeda acumula valorização de 191,50%

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

No radar: Mercados com os nervos à flor da pele

Olá! Os mercados brasileiros continuam fechados nesta terça-feira (25), por causa do Carnaval. O timing dessa parada foi oportuno, já que, lá fora, o clima é de enorme tensão entre os investidores. O aumento súbito nos casos de coronavírus fora da China fez as bolsas globais despencarem na segunda-feira (24). E, hoje, a situação não […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

BC quer criação de fundo para projetos de tecnologia

Os recursos virão de valores pagos pelos bancos ao BC, para uso de sistemas tecnológicos

AS DICAS DO GURU

Coronavírus é ‘assustador’, mas não é hora de vender ações, para Warren Buffett

“Compramos ações para ficar por 20, 30 anos e achamos que o cenário para 20, 30 anos não mudou pelo coronavírus.”

AÇÕES

ADRs do Brasil fecham em forte queda em NY; Vale cai 7,5% e Petrobras recua 6,7%

Os grandes bancos também amargaram perdas importantes em Nova York, embora menores que Petrobras e Vale

OLHO NO VÍRUS

Brasil amplia lista de países para definir suspeitos de coronavírus

Com a nova atualização, a lista agora inclui, além da Itália, Alemanha, França, Austrália, Filipinas, Malásia, Irã e Emirados Árabes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements