Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-08T18:16:18-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Alívio depois do tombo

Após chegarem às mínimas desde 2011, ações da Cielo disparam mais de 20%

Desde o começo da semana, os papéis da Cielo já sobem mais de 25%, aproveitando a onda de otimismo vista na bolsa para se afastar das mínimas

8 de abril de 2020
16:12 - atualizado às 18:16
Cielo BNDES
Imagem: Shutterstock

A Cielo passou nesta quarta-feira (8) por um momento de tranquilidade em meio ao inferno astral — pelo menos, na bolsa. As ações ON da companhia (CIEL3) dispararam 22,14% hoje, a R$ 5,02, e lideraram os ganhos do Ibovespa. Mas o que explica esse movimento?

Não há novidades oficiais por parte da empresa ou novos boatos a respeito de uma possível fusão com a Stone — no mercado, há quem diga que a novata teria interesse em adquirir as fatias detidas pelo Bradesco ou pelo Banco do Brasil na Cielo.

Também não há qualquer visão mais otimista por parte das grandes casas de análise. Pelo contrário: o UBS cortou hoje o preço-alvo para os papéis, de R$ 7,50 para R$ 4,50, mantendo a recomendação neutra para as ações da companhia.

O setor de pagamentos, afinal, tende a sofrer com a redução no volume de serviços e nas atividades de varejo por causa do surto de coronavírus — um cenário que traz ainda mais dificuldades à Cielo, que já vinha sofrendo com o aumento da concorrência.

Resta, então, olharmos para o lado técnico das ações da companhia — e é aqui que encontramos a chave para esse salto tão expressivo nesta quarta-feira. Ao olharmos para a série histórica das ações da Cielo, vemos que as quedas recentes levaram os papéis a um nível particularmente baixo.

Na última sexta-feira (3), as ações ON da Cielo fecharam a R$ 3,98 — foi a primeira vez desde fevereiro de 2011 que os papéis terminaram uma sessão abaixo do nível de R$ 4,00. E, ao romper esse patamar, muitos investidores passaram a olhar com mais atenção para os ativos da companhia.

Desde então, foram três altas consecutivas — somente nesta semana, os papéis acumulam valorização de 26,1%, aproveitando a onda de calmaria que tomou conta das bolsas globais nos últimos dias. Apesar disso, as ações da Cielo ainda caem quase 40% desde o começo do ano.

Em 2019, Cielo ON já esteve entre as piores ações do Ibovespa, fechando o ano com uma baixa acumulada de 0,87% — vale lembrar que, no ano passado, o índice disparou 31,58%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies