Menu
2020-04-08T18:16:18-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Alívio depois do tombo

Após chegarem às mínimas desde 2011, ações da Cielo disparam mais de 20%

Desde o começo da semana, os papéis da Cielo já sobem mais de 25%, aproveitando a onda de otimismo vista na bolsa para se afastar das mínimas

8 de abril de 2020
16:12 - atualizado às 18:16
Maquininha Cielo
Imagem: Shutterstock

A Cielo passou nesta quarta-feira (8) por um momento de tranquilidade em meio ao inferno astral — pelo menos, na bolsa. As ações ON da companhia (CIEL3) dispararam 22,14% hoje, a R$ 5,02, e lideraram os ganhos do Ibovespa. Mas o que explica esse movimento?

Não há novidades oficiais por parte da empresa ou novos boatos a respeito de uma possível fusão com a Stone — no mercado, há quem diga que a novata teria interesse em adquirir as fatias detidas pelo Bradesco ou pelo Banco do Brasil na Cielo.

Também não há qualquer visão mais otimista por parte das grandes casas de análise. Pelo contrário: o UBS cortou hoje o preço-alvo para os papéis, de R$ 7,50 para R$ 4,50, mantendo a recomendação neutra para as ações da companhia.

O setor de pagamentos, afinal, tende a sofrer com a redução no volume de serviços e nas atividades de varejo por causa do surto de coronavírus — um cenário que traz ainda mais dificuldades à Cielo, que já vinha sofrendo com o aumento da concorrência.

Resta, então, olharmos para o lado técnico das ações da companhia — e é aqui que encontramos a chave para esse salto tão expressivo nesta quarta-feira. Ao olharmos para a série histórica das ações da Cielo, vemos que as quedas recentes levaram os papéis a um nível particularmente baixo.

Na última sexta-feira (3), as ações ON da Cielo fecharam a R$ 3,98 — foi a primeira vez desde fevereiro de 2011 que os papéis terminaram uma sessão abaixo do nível de R$ 4,00. E, ao romper esse patamar, muitos investidores passaram a olhar com mais atenção para os ativos da companhia.

Desde então, foram três altas consecutivas — somente nesta semana, os papéis acumulam valorização de 26,1%, aproveitando a onda de calmaria que tomou conta das bolsas globais nos últimos dias. Apesar disso, as ações da Cielo ainda caem quase 40% desde o começo do ano.

Em 2019, Cielo ON já esteve entre as piores ações do Ibovespa, fechando o ano com uma baixa acumulada de 0,87% — vale lembrar que, no ano passado, o índice disparou 31,58%.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

fechando a conta

Mais um tombo aí? Ibovespa cai 3% e termina outubro no vermelho, com avanço da covid-19

Índice tem novas perdas fortes em semana difícil e fecha mês em queda de 0,7%. Desempenho reflete mau humor de Nova York com coronavírus e a sangria das ‘big techs’, antes das eleições dos Estados Unidos, fator de incerteza adicional. Após intervenção do Banco Central e com a formação da Ptax, dólar tem queda

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies