Menu
2020-04-23T18:23:56-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Bons tempos

As empresas que mais pagaram dividendos em 2019; bancos lideram ranking

Companhias abertas distribuíram mais de R$ 119 bilhões em proventos no ano passado, o maior volume nominal em dez anos; bancos lideram ranking de maiores pagadoras

23 de abril de 2020
15:59 - atualizado às 18:23
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Bancos foram os maiores pagadores de dividendos em 2019, mas proventos devem ser mais magros neste ano. Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O volume de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) distribuídos em 2019 pelas empresas abertas em bolsa foi o maior dos últimos dez anos, mostra levantamento da Economatica. O setor que mais distribuiu proventos foi o de bancos, liderado pelo Itaú Unibanco.

O levantamento considerou 234 companhias que tinham histórico de pagamento de proventos na base de dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) desde 2010. No ano passado, elas pagaram, no total, R$ 119,2 bilhões em dividendos e JCP a seus acionistas, o maior volume nominal (sem ajuste pela inflação) de todo o período.

Trata-se de um volume 13% maior do que o de 2018. Nos últimos quatro anos, o volume distribuído veio crescendo continuamente, saltando de R$ 67,16 bilhões em 2016 para R$ 119,2 bilhões em 2019, alta de 77,6%. O menor volume nominal da série histórica foi visto em 2010, quando foram distribuídos R$ 59,6 bilhões em proventos.

Os setores que mais pagaram

A Economatica também fez um recorte dos últimos dois anos, no qual figuram 291 empresas. Dentro desse universo, os setores que mais distribuíram dividendos e JCP no ano passado foram, nesta ordem: Bancos (22 empresas e R$ 60,4 bilhões), Petróleo e Gás (8 empresas e R$ 15,1 bilhões), Energia Elétrica (34 empresas e R$ 13 bilhões), Alimentos e Bebidas (10 empresas e R$ 10,3 bilhões) e Serviços Financeiros e Seguros (8 empresas e R$ 9,7 bilhões).

As empresas que mais distribuíram dividendos e JCP em 2019

As 25 empresas que mais distribuíram proventos no ano passado pagaram quase 80% de todo o volume distribuído no ano, R$ 111,4 bilhões.

Isso deve se repetir em 2020?

Segundo a Economatica, considerando-se que os dividendos distribuídos em 2019 são, em sua grande maioria, referentes aos lucros das empresas no em 2018, é de se esperar que em 2020 o volume de proventos distribuídos seja ainda maior que o do ano passado, uma vez que a distribuição se dará com base nos lucros auferidos pelas empresas em 2019.

"O lucro das 25 maiores empresas distribuidoras de dividendos no ano de 2019 é 13,7% superior ao do ano de 2018, o que em teoria representaria um crescimento nos mesmos patamares de dividendos, caso as empresas não mudem a sua política de distribuição de dividendos no ano de 2020 com relação ao ano de 2019."

O problema é que, conforme foi mostrado nesta outra reportagem, a crise desencadeada pela pandemia do coronavírus deve mudar este cenário. Isso porque as companhias têm feito alterações nas suas políticas de distribuição de proventos neste ano, na tentativa de preservar caixa para atravessar esse período difícil.

Os bancos, que costumavam distribuir mais de 60% dos seus lucros, terão que distribuir apenas 25%, por determinação do Banco Central. Os bancos lucraram R$ 91 bilhões em 2019 e o mercado esperava cerca de R$ 74 bilhões em proventos, mas agora o esperado são R$ 18 bilhões.

Além do segmento bancário, pelo menos seis das 25 principais pagadoras de dividendos do país também já afirmaram que devem reduzir os desembolsos ao mínimo ou, na melhor das hipóteses, postergar os pagamentos para o fim do ano.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies