Menu
2020-10-01T16:52:00-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
APOSTAS

XP aposta em ações defensivas e BTG recomenda exposição a construção e e-commerce para outubro

Banco e corretora divulgam carteiras recomendadas após volatilidade de setembro, quando Ibovespa acumulou queda de 4,80%

1 de outubro de 2020
12:58 - atualizado às 16:52
ações diferenças
Imagem: Shutterstock

Começo de mês é sempre o momento em que corretoras e bancos de investimento fazem uma revisão de suas carteiras recomendadas de ações aos clientes.

A dura volatilidade enfrentada no mês passado, que levou o Ibovespa a acumular queda de 4,80%, e as perspectivas de continuidade do risco fiscal no País e do medo de uma segunda onda de covid-19 pelo mundo, fez com que analistas e economistas quebrassem a cabeça em busca da melhor alocação possível.

O desafio de como se posicionar para outubro ficou claro nesta quinta-feira (1º), olhando para as apostas de XP Investimentos e BTG Pactual para o mês. Ainda que alguns nomes possam coincidir, as justificativas para a composição das carteiras são distintas – a XP optou por aumentar a exposição a papéis de cunho defensivo, enquanto o BTG apostou nos segmentos de construção e e-commerce.

A XP incluiu em sua carteira de dez ações recomendadas os papéis de Omega Geração (OMEG3) e Marfrig (MRFG3), retirando Iguatemi (IGTA3) e Movida (MOVI3), que estavam no portfólio produzido para setembro. Ela informou que continua gostando dos setores de shopping centers e aluguel de veículos, mas decidiu aumentar a exposição a papéis mais defensivos, com receita em dólar ou do setor elétrico, cujas operações sofrem menos volatilidade.

A XP avalia que a Omega, sua principal recomendação para o setor elétrico, continua crescendo e apresentando retornos atrativos. “Em nossa opinião, a execução consistente de transações de M&A [fusões e aquisições], tanto dentro do Grupo Omega quanto com terceiros, deve reforçar a confiança dos investidores na estratégia de crescimento da Omega, bem como deve concretizar a visão de que a empresa é uma consolidadora no segmento de energias renováveis. 

Sobre a Marfrig, a corretora afirma que os papéis representam uma oportunidade de compra interessante para aumentar a exposição a commodities, uma vez que os fundamentos da empresa seguem sólidos e com boas perspectivas para as exportações, elevando a receita em dólar.

Além desses dois nomes, a carteira para outubro é composta por B3 (B3SA3), Banco do Brasil (BBAS3), Gerdau (GGBR4), Locaweb (LWSA3), Lojas Americanas (LAME4), Vale (VALE3), Vivara (VIVA3) e Via Varejo (VVAR3).

Construção e e-commerce

Já o BTG Pactual trocou as ações de JBS e Lojas Americanas por Gerdau e Magazine Luiza em sua carteira recomendada.

Sobre a Gerdau, o banco avalia que a demanda aquecida do mercado de construção e a desvalorização do real frente ao dólar abrem caminho para ajustes nos preços do aço longo, a especialidade da empresa. A decisão reforça a exposição ao segmento de construção e infraestrutura – a carteira do BTG Pactual já conta com nomes como Cyrela, Duratex e CCR.

Para o banco, a Gerdau também apresenta bom desempenho de receita, baixa alavancagem financeira, geração de fluxo de caixa livre e baixos riscos relacionados ao câmbio. “Pela primeira vez em anos, nós acreditamos que a companhia está bem posicionada para repassar os aumentos de preços [dos produtos] e superar as expectativas”, diz trecho do relatório.

A recomendação para o Magazine Luiza está baseada em sua enorme presença no varejo eletrônico, mesmo que as ações não estejam baratas. “Mesmo que o ‘valuation’ [valor real do negócio] do Magazine Luiza não é uma barganha, a empresa está aproveitando a mudança no comportamento do consumidor por conta da pandemia e entregando crescimento forte e resultados robustos”, diz trecho do relatório.

Com a entrada destes dois nomes, a carteira recomendada do BTG Pactual para outubro é composta por Gerdau (GGB4), Oi (OIBR3), Vale (VALE3), B3 (B3SA3), Cyrela (CYRE3), TIM (TIMP3), Magazine Luiza (MGLU3), Duratex (DTEX3), CCR (CCRO3) e Petrobras (PETR4).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

empresa de porto alegre

Startup Zenvia entra com pedido de IPO na Nasdaq

Empresa quer levantar até US$ 100 milhões; oferta terá seus recursos destinados para pagar o montante utilizado na aquisição da startup D1, entre outros

LDO

LDO de 2022 prevê ‘vacinas’ contra manobras do Orçamento

Proposta exclui a possibilidade de indicação das emendas de relator e proíbe o Congresso de subestimar despesas obrigatórias sem aval do Executivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies