Menu
2020-10-01T16:52:00-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
APOSTAS

XP aposta em ações defensivas e BTG recomenda exposição a construção e e-commerce para outubro

Banco e corretora divulgam carteiras recomendadas após volatilidade de setembro, quando Ibovespa acumulou queda de 4,80%

1 de outubro de 2020
12:58 - atualizado às 16:52
ações diferenças
Imagem: Shutterstock

Começo de mês é sempre o momento em que corretoras e bancos de investimento fazem uma revisão de suas carteiras recomendadas de ações aos clientes.

A dura volatilidade enfrentada no mês passado, que levou o Ibovespa a acumular queda de 4,80%, e as perspectivas de continuidade do risco fiscal no País e do medo de uma segunda onda de covid-19 pelo mundo, fez com que analistas e economistas quebrassem a cabeça em busca da melhor alocação possível.

O desafio de como se posicionar para outubro ficou claro nesta quinta-feira (1º), olhando para as apostas de XP Investimentos e BTG Pactual para o mês. Ainda que alguns nomes possam coincidir, as justificativas para a composição das carteiras são distintas – a XP optou por aumentar a exposição a papéis de cunho defensivo, enquanto o BTG apostou nos segmentos de construção e e-commerce.

A XP incluiu em sua carteira de dez ações recomendadas os papéis de Omega Geração (OMEG3) e Marfrig (MRFG3), retirando Iguatemi (IGTA3) e Movida (MOVI3), que estavam no portfólio produzido para setembro. Ela informou que continua gostando dos setores de shopping centers e aluguel de veículos, mas decidiu aumentar a exposição a papéis mais defensivos, com receita em dólar ou do setor elétrico, cujas operações sofrem menos volatilidade.

A XP avalia que a Omega, sua principal recomendação para o setor elétrico, continua crescendo e apresentando retornos atrativos. “Em nossa opinião, a execução consistente de transações de M&A [fusões e aquisições], tanto dentro do Grupo Omega quanto com terceiros, deve reforçar a confiança dos investidores na estratégia de crescimento da Omega, bem como deve concretizar a visão de que a empresa é uma consolidadora no segmento de energias renováveis. 

Sobre a Marfrig, a corretora afirma que os papéis representam uma oportunidade de compra interessante para aumentar a exposição a commodities, uma vez que os fundamentos da empresa seguem sólidos e com boas perspectivas para as exportações, elevando a receita em dólar.

Além desses dois nomes, a carteira para outubro é composta por B3 (B3SA3), Banco do Brasil (BBAS3), Gerdau (GGBR4), Locaweb (LWSA3), Lojas Americanas (LAME4), Vale (VALE3), Vivara (VIVA3) e Via Varejo (VVAR3).

Construção e e-commerce

Já o BTG Pactual trocou as ações de JBS e Lojas Americanas por Gerdau e Magazine Luiza em sua carteira recomendada.

Sobre a Gerdau, o banco avalia que a demanda aquecida do mercado de construção e a desvalorização do real frente ao dólar abrem caminho para ajustes nos preços do aço longo, a especialidade da empresa. A decisão reforça a exposição ao segmento de construção e infraestrutura – a carteira do BTG Pactual já conta com nomes como Cyrela, Duratex e CCR.

Para o banco, a Gerdau também apresenta bom desempenho de receita, baixa alavancagem financeira, geração de fluxo de caixa livre e baixos riscos relacionados ao câmbio. “Pela primeira vez em anos, nós acreditamos que a companhia está bem posicionada para repassar os aumentos de preços [dos produtos] e superar as expectativas”, diz trecho do relatório.

A recomendação para o Magazine Luiza está baseada em sua enorme presença no varejo eletrônico, mesmo que as ações não estejam baratas. “Mesmo que o ‘valuation’ [valor real do negócio] do Magazine Luiza não é uma barganha, a empresa está aproveitando a mudança no comportamento do consumidor por conta da pandemia e entregando crescimento forte e resultados robustos”, diz trecho do relatório.

Com a entrada destes dois nomes, a carteira recomendada do BTG Pactual para outubro é composta por Gerdau (GGB4), Oi (OIBR3), Vale (VALE3), B3 (B3SA3), Cyrela (CYRE3), TIM (TIMP3), Magazine Luiza (MGLU3), Duratex (DTEX3), CCR (CCRO3) e Petrobras (PETR4).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies