Menu
2020-03-11T23:37:00-03:00
Os IPOs vão ter que esperar

Volatilidade no mercado financeiro congela fila de aberturas de capital

IPOs foram suspensos pelo aumento dos temores em torno do coronavírus e da crise no petróleo; reuniões entre investidores, bancos e companhias foram adiadas

11 de março de 2020
13:21 - atualizado às 23:37
Bear Market Ibovespa B3
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A estreia de mais de 20 companhias na B3 até maio terá de aguardar. A janela, que até o início da semana passada prometia ser uma das mais fortes da história do mercado brasileiro, foi fechada pelo aumento das preocupações em torno do coronavírus e da crise no petróleo.

Por ora, os planos de captações das companhias foram suspensos. Diante da impossibilidade de discutir preço de ações para as ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) que estavam engatilhadas - e com o forte movimento de venda de ativos que levou o Ibovespa nas segunda-feira a ter o pior dia desde 1998 -, as reuniões iniciais entre investidores, bancos e companhias já começam a ser adiadas.

A única exceção, até o momento, é a Vamos, empresa de aluguel de caminhões da JSL, da família Simões, conforme antecipou a Coluna do Broadcast. A oferta foi lançada na sexta-feira, portanto antes do aumento da aversão ao mercado e das notícias do fim de semana, em torno da disputa entre Rússia e Arábia Saudita. O IPO foi lançado porque havia, na largada, demanda de investidores pela oferta. A companhia seguirá o planejamento, esperando que, mais próximo da precificação, os ânimos estejam mais calmos, apurou o Estadão/Broadcast. A fixação do preço da ação está marcada para o dia 25.

O restante, porém, já entrou em compasso de espera. A Caixa Econômica Federal, por exemplo, deve adiar a oferta da Caixa Seguridade ao menos até julho, segundo fontes, à espera de um melhor momento para a precificação da oferta, que deve movimentar R$ 15 bilhões. As reuniões com investidores para se discutir preços serão desmarcadas. "Postergar também faz parte de uma boa administração", diz uma fonte com conhecimento direto da operação. A decisão final ainda não foi tomada, mas caminha nessa direção.

No ano passado, a Caixa deu início a seu programa de venda de ativos pelas participações que tinha em empresas já listadas. Foram levadas ao mercado, assim, ações do IRB Brasil Re e da Petrobrás.

Outros IPOs de grande porte previstos para abril eram o do BV (ex-Banco Votorantim) - uma oferta de R$ 5 bilhões - e o do Daycoval, que busca R$ 3,5 bilhões. "Praticamente todas as ofertas pararão. Não tem como discutir preço neste momento", disse uma fonte. Mesmo que sejam estreantes no mercado, os preços para os IPOs utilizam como referência as ações das empresas já listadas.

Opções

Outra questão é que com os valores das companhias listadas em Bolsa em queda, os gestores de fundos - depois de sofrerem com a queda de suas cotas - têm neste momento boas opções de compra entre as companhias já listadas. A ação da Petrobrás, que em fevereiro foi precificada na oferta subsequente (follow-on) em R$ 30, fechou ontem abaixo de R$ 17.

Na fila para abrir capital, há 24 companhias com pedidos de registros feitos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Se em até 15 dias as incertezas se dissiparem, algumas poderão atualizar a documentação e lançar a oferta, o que é, no entanto, imprevisível neste momento. O cenário mais provável que começa a se desenhar é de um mercado mais seletivo. Empresas muito endividadas e menos conhecidas, por exemplo, terão mais dificuldade de sair.

A volatilidade pode colocar freio em um mercado que começou o ano muito aquecido. Em 2020, a B3 já foi palco de cerca de R$ 30 bilhões em ofertas de ações e quatro IPOs (Mitre Realty, Locaweb, Moura Dubeux e Priner).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Crise do coronavírus

O que os líderes podem fazer em meio à pandemia? Para Bill Gates, há três passos fundamentais

O bilionário Bill Gates listou algumas medidas que julga essenciais para que governos e lideranças políticas possam combater de maneira mais eficaz o surto de coronavírus

Pesquisa Datafolha

59% são contra e 37% a favor da renúncia de Bolsonaro em meio à pandemia

Um levantamento do Datafolha, divulgado neste domingo, 5, mostra que 59% dos brasileiros são contra uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia pela covid-19. Outros 37% são a favor, conforme vem sendo pedido por políticos da oposição. Outros 4% não sabem dizer. Para apenas 33% dos entrevistados, a gestão da […]

LIÇÕES PARA O SEU DINHEIRO

Recomendações de leitura para um investidor em quarentena

Três livros para você sobreviver ao isolamento e sair deste furacão como um investidor ainda melhor.

O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Seu Dinheiro no Sábado

MAIS LIDAS: Um bilionário na luta contra o coronavírus

A notícia a respeito das iniciativas do bilionário Elon Musk no combate à pandemia de coronavírus foi a mais lida dessa semana no Seu Dinheiro

Ano difícil

Braskem fecha 2019 com prejuízo líquido de R$ 2,8 bilhões, revertendo o lucro de 2018

A Braskem encerrou 2019 com um prejuízo bilionário e contração nas receitas e no Ebitda em relação a 2018

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements