Menu
2019-12-10T09:30:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Todo mundo quer um pouco

Demanda por ações da XP Investimentos em IPO supera em 10 vezes a oferta

Como a operação poderá a chegar a US$ 2,1 bilhões, considerando a colocação de um lote extra, já há ordens de aproximadamente US$ 20 bilhões pelos papéis

10 de dezembro de 2019
7:36 - atualizado às 9:30
XP Investimentos Dólar
Imagem: Montagem / Andrei Morais

A demanda pelas ações da XP Investimentos em sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na bolsa americana Nasdaq já supera em dez vezes a oferta, apurou o jornal O Estado de São Paulo/Broadcast.

Como a operação poderá a chegar a US$ 2,1 bilhões, considerando a colocação de um lote extra, já há ordens de aproximadamente US$ 20 bilhões pelos papéis da maior corretora brasileira.

O processo de formação do livro da oferta, quando os investidores e alocações serão definidos, será finalizado nesta terça-feira, 10, quando a ação será precificada.

A estreia da XP no pregão da bolsa americana, famosa por abrigar grandes nomes da tecnologia (como Facebook e Alphabet, dona do Google), será amanhã.

Fast-growing

Os investidores vêm tratando a XP como uma das poucas empresas de tecnologia de crescimento acelerado (fast-growing, no termo em inglês). A plataforma, porém, já tem resultado robusto, ao contrário de nomes mundialmente conhecidos como Uber, por exemplo.

O crescimento de ativos sob sua custódia cresceu mais de 90% entre 2014 e 2018. Já o lucro, que acumulou R$ 699 milhões de janeiro a setembro deste ano, era de R$ 465 milhões em todo 2018, de R$ 424 milhões em 2017 e de R$ 244 milhões em 2016.

A oferta envolverá a venda de 72,51 milhões de ações classe A. Desse volume, 42.533.192 farão parte da oferta primária, aquela que injetará recursos no caixa da empresa. Outras 29.957.449 ações são da oferta secundária, que dão recursos aos sócios da empresa.

Com o preço dos papéis alcançando o teto da faixa indicativa do prospecto, a XP estreia na Nasdaq com um valor de mercado de US$ 13,8 bilhões, ou quase R$ 60 bilhões. O valor da ação deve ficar entre US$ 22 e US$ 25.

Além de sócios executivos da XP, são vendedores na oferta os fundos General Atlantic e Dynamo. O Itaú Unibanco, que há um pouco mais de dois anos adquiriu 49,9% das ações da XP, não venderá sua participação.

O Itaú pagou cerca de R$ 6 bilhões por essa fatia, avaliando a companhia à época em R$ 12 bilhões. Em pouquíssimo tempo, viu o valor do investimento se multiplicar em cinco vezes. Após a oferta, o maior banco privado do País ficará com uma fatia de 46% da XP.

Pessoas físicas

Nas últimas semanas, um número crescente de pessoas físicas começou a buscar informações sobre compra de ações fora do Brasil. O movimento ainda soa arrojado para um País em que investimento em bolsa de valores começou a ganhar tração entre os poupadores apenas neste ano, quando a taxa de juros caiu para a mínima histórica.

Com 1,5 milhão de clientes ativos e conhecida por mudar a dinâmica dos investimentos no País - brigando nesse nicho de frente com os grandes bancos -, a XP Investimentos, ou XP Inc, como foi batizada recentemente, é a responsável por essa corrida.

A XP chega à Nasdaq 18 anos depois de Guilherme Benchimol fundar a empresa, em uma trajetória de empreendedorismo conhecida no mercado. A empresa nasceu no Porto Alegre em 2001, vendendo cursos para aqueles que tinham interesse em investir em ações.

Agora, já na maioridade, a XP completa um ciclo da vida ao se tornar pública, tendo abaixo de seu guarda-chuva três marcas: a própria XP, as corretoras Rico e Clear. Juntas, elas têm nada menos que R$ 350 bilhões sob custódia, receita de R$ 3,7 bilhões e lucro líquido de R$ 699 milhões de janeiro a setembro.

A casa de análise Levante Investimentos recomendou a clientes a compra das ações da XP em seu IPO com o valor do papel em até US$ 25. "Quem investir nas ações da XP na Nasdaq nos EUA poderá ter um retorno anual em dólares de 10% ao ano de 2019 a 2023.

Por último, mesmo que o investidor não consiga entrar no IPO da XP na bolsa de valores Nasdaq nos EUA, está mais do que na hora de ter uma conta aberta numa corretora de valores fora do País", escreveu o analista Eduardo Guimarães, que assina o documento.

Críticas

Essa, aliás, foi uma das principais críticas em relação à oferta da XP. Depois de levar o "mundo da renda variável" a seus clientes, a corretora tornou distante para os próprios clientes a compra de suas ações ao decidir abrir capital fora do País.

Um dos riscos do negócio da XP, segundo a casa de análise Nord, em relatório do analista Bruce Barbosa, está o aumento da competição do mercado e o fato de que o negócio da corretora cresceu em torno dos agentes autônomos de investimentos. Até o momento, eles estão "presos" para trabalharem para uma única plataforma, mas a regra caminha para ser alterada.

Dentre outros riscos, a Eleven fala de "concentração e competição acirrada do setor financeiro, com aumento da oferta de produtos similares", "execução do modelo de negócios, principalmente nas frentes de menor expertise" e "necessidade de gastos elevados com tecnologia e marketing, dado o processo de expansão", por exemplo.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements