Menu
2019-04-05T10:20:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

23 de fevereiro de 2019
18:59 - atualizado às 10:20
Warren Buffett
O megainvestidor Warren Buffett - Imagem: Wikimedia Commons

Os maus resultados da Kraft Heinz no quarto trimestre, seguido de uma queda de 28% nas ações da companhia, pesaram para a Berkshire Hathaway, empresa do megainvestidor Warren Buffett.

A companhia reportou, neste sábado (23), um prejuízo de US$ 25,4 bilhões no quarto trimestre de 2018. No mesmo período de 2017, a empresa havia registrado lucro de US$ 32,5 bilhões.

Com o tombo do quarto trimestre, a companhia de Buffett conseguiu lucrar apenas US$ 4 bilhões em 2018, bem menos que os quase US$ 45 bilhões de 2017.

O lucro operacional da Berkshire no quarto trimestre, no entanto, cresceu 71,5% frente ao mesmo período do ano anterior, para US$ 5,72 bilhões, devido a vários outros investimentos, como nos ramos de seguros e transporte ferroviário.

A Berkshire controla a Kraft Heinz junto com o fundo 3G Capital, dos brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. No fim 2018, a empresa de Buffett detinha 325 milhões de ações da companhia alimentícia, o equivalente a uma fatia de 26,7%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Tombo da Kraft Heinz

Na última quinta-feira (21), a fabricante dos ketchups e mostardas Heinz divulgou resultados abaixo do esperado por analistas para o quarto trimestre de 2018.

Como consequência, suas ações desabaram quase 28% na sexta (22), levando a Bershire Hathaway a perder mais de US$ 4 bilhões em valor de mercado.

A Kraft Heinz teve um prejuízo de US$ 12,6 bilhões de dólares, em razão da necessidade, não programada, de reduzir o valor de algumas das suas maiores marcas. Isso levou a uma baixa contábil de US$ 15,4 bilhões.

Em seus resultados, a Berkshire divulgou uma baixa contábil de US$ 3,02 bilhões para ativos intangíveis, atribuída quase inteiramente à Kraft Heinz.

Para complicar, a empresa de alimentos ainda revelou ser alvo de investigação da SEC (Securities and Exchange Commission), a CVM americana, que está analisando suas práticas contábeis. A companhia também reduziu a previsão de pagamento de dividendos.

De acordo com o diretor financeiro da Kraft Heinz, David Knopf, os maus resultados devem se estender ao longo de 2019. O executivo disse, no entanto, prever um “crescimento consistente” do lucro a partir de 2020.

Empresa de Buffett tem resultados voláteis

O prejuízo da Berkshire Hathaway se deveu também à queda de dois dígitos de muitas das suas ações, incluindo um recuo de 30% dos papéis da Apple.

As regras de contabilidade exigem que a empresa de Warren Buffett reporte ganhos e perdas não realizados com ações nos seus resultados, o que os torna muito voláteis.

Em outras palavras, a companhia reporta a desvalorização dos papéis como prejuízo mesmo que não os tenha vendido.

Buffett alerta os investidores a não utilizarem esses números como medida para a a performance da Berkshire, uma vez que as ações podem voltar a subir.

*Com agências de notícias

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements