A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-09-20T15:35:09-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Quais as diferenças entre análise técnica e análise fundamentalista de ações?

Conheça as características desses dois métodos de análise de ativos muito aplicados ao mercado de ações

20 de setembro de 2019
5:30 - atualizado às 15:35

Investidores costumam basear suas decisões em pelo menos um de dois métodos de análise de ativos: a análise técnica, também chamada de análise gráfica, e a análise fundamentalista.

Em geral, esses dois tipos de análise estão mais ligados ao mercado de ações, embora também possam ser aplicados a outros tipos de ativos. No vídeo a seguir, eu explico as características de cada um desses métodos e quais as diferenças entre eles:

Leia a transcrição do vídeo sobre as diferenças entre análise técnica e análise fundamentalista

Análise técnica e análise fundamentalista são dois métodos de avaliação de ativos que o investidor pode usar pra garimpar boas oportunidades no mercado de ações. Mas, em geral, quem é do time da análise técnica não se mistura muito com o pessoal da análise fundamentalista e vice-versa. Mesmo assim, muitas corretoras de valores contam com profissionais especializados nas duas áreas para atender os seus clientes. Nesse vídeo eu vou explicar em linhas gerais o que caracteriza esses métodos de análise e quais as diferenças entre eles.

A análise fundamentalista é o método mais tradicional de avaliação de ações. Com base nos fundamentos da companhia, o analista busca o valor justo das suas ações, ou seja, o valor que melhor representa as atuais circunstâncias da empresa e as projeções para o seu desempenho futuro.

Os fundamentos são os fatores que afetam a empresa analisada de alguma maneira, desde questões macroeconômicas e setoriais a questões relacionadas ao negócio em si. Eles podem ser quantitativos ou qualitativos. Por exemplo: juros, inflação, crescimento econômico, fatores populacionais, desempenho da concorrência, força da marca, nível e perfil do endividamento da empresa, governança corporativa, cultura organizacional e, é claro, os resultados da companhia.

Para fazer análise fundamentalista, é importante saber ler as demonstrações financeiras das companhias abertas, além de saber avaliar a sua saúde financeira e operacional por meio da análise dos múltiplos, as relações entre os indicadores mais importantes do balanço. Os analistas mais experientes inclusive projetam o fluxo de caixa futuro da companhia para descobrir quanto ela deve valer no presente. Grosso modo, o objetivo é descobrir se vale a pena pôr dinheiro no negócio e virar sócio da empresa, dadas as circunstâncias atuais e as expectativas para o futuro. Em outras palavras, o preço da ação têm mais chance de subir ou cair dentro do horizonte de tempo analisado?

Já a análise técnica, também chamada de análise gráfica, tem o objetivo de identificar as tendências dos preços dos ativos e os bons momentos de compra e venda a partir da análise dos gráficos do seu desempenho passado. Os analistas gráficos acreditam que os preços já incorporam todas as circunstâncias que poderiam afetá-los, não havendo um preço justo para o qual convergir. Eles também partem do princípio de que o mercado segue certos padrões, ou seja, a história se repete.

Na análise técnica, os fundamentos não têm importância, só o comportamento dos preços e os padrões que eles seguem. Esse método utiliza uma série de indicadores e identifica, nos gráficos, figuras que representam determinadas tendências de alta, queda ou indefinição nos preços.

Só pelas características dos dois tipos de análise já dá para perceber algumas diferenças entre eles. A análise fundamentalista parte do princípio de que os preços praticados hoje pelo mercado podem ter distorções em relação ao verdadeiro potencial da empresa. Além disso, esse método costuma ser mais usado para investimentos de longo prazo. Já a análise técnica apregoa que o mercado já precifica tudo e costuma ser preferida por aqueles que fazem operações de curto prazo.

Gostou do vídeo? Então não deixa de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Foi tudo graças à peak inflation

11 de agosto de 2022 - 11:07

Imagine dois financistas sentados em um bar. Um desses sujeitos é religioso, enquanto o outro é ateu. Eles discutem sobre a eventual existência de bull markets

MARKET MAKERS

Os princípios: Conheça Ray Dalio, gestor do maior hedge fund do mundo, e seu manual para conseguir o que deseja na vida

11 de agosto de 2022 - 10:47

O livro Princípios se propõe a ser um manual sobre vida e trabalho que Dalio resolveu escrever contendo seus critérios de tomada de decisão que colecionou ao longo da sua vida

Cadê o retorno?

XP (XPBR31) na berlinda: JP Morgan corta recomendação para neutro e diz que o mercado quer ver lucro

11 de agosto de 2022 - 10:33

O JP Morgan mostrou-se preocupado com o salto nos custos e despesas da XP (XPBR31) no trimestre, o que pressionou as margens da empresa

ACELERANDO NA RETA

Bitcoin (BTC) busca os US$ 25 mil, mas alta é ofuscada por disparada de 12% do ethereum (ETH); confira que movimenta as criptomoedas hoje

11 de agosto de 2022 - 10:09

Os investidores estão otimistas com a atualização do ethereum: em julho deste ano, o ETH acumulou alta de 57,7% e sobe 14,9% nos primeiros dias de agosto

NADA DIPLOMÁTICO

Paulo Guedes fala em “ligar o foda-se” para França, maior empregador estrangeiro no Brasil

11 de agosto de 2022 - 9:36

O país europeu é terceiro que mais investe no Brasil; as exportações para a França vêm crescendo 18% neste ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies