2019-04-05T10:22:24-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como investir na bolsa: o que você precisa fazer para conseguir comprar e vender ações

Do ponto de vista prático, você sabe qual o primeiro passo para começar a negociar ações na bolsa de valores? Neste vídeo eu te conto tudo que você precisa saber para se habilitar a investir na bolsa

8 de março de 2019
5:30 - atualizado às 10:22

Investir em ações diretamente exige um certo conhecimento sobre as empresas, os setores e a economia. Mas também requer algum conhecimento prático: afinal, por onde começar? Como se habilitar para negociar ações? O que significa comprar uma ação e quais os conceitos por trás do investimento? E quanto custa? No vídeo a seguir, eu respondo a essas e a outras questões sobre como investir na bolsa:

Leia, a seguir, a transcrição do texto do vídeo.

Como investir na bolsa

Uma ação é a menor parcela do capital social de uma companhia. Quem compra ações de uma empresa se torna dono de um pedaço dela. E, como tal, se torna sócio, com os mesmos direitos e deveres de qualquer outro sócio, na proporção da quantidade de ações que possui. Por meio da bolsa de valores, qualquer pessoa física pode se tornar acionista de uma empresa de capital aberto, sujeita a uma série de regras de transparência e governança. Quer saber como investir na bolsa? Então vem comigo!

Para investir diretamente em ações, você precisa, primeiro, abrir conta em uma corretora de valores devidamente credenciada junto à CVM, a Comissão de Valores Mobiliários. As corretoras atuam como intermediárias nesse mercado, mas as ações ficam custodiadas na bolsa no nome do investidor.

O processo de abertura de conta hoje em dia geralmente é bastante simples. Dá para fazer tudo pela internet. Mas você tem que preencher um cadastro e responder a algumas perguntas sobre o seu patrimônio e o seu perfil de investidor.

O mais comum é que as pessoas físicas comprem e vendam ações por meio do home broker, um tipo de plataforma de negociação on-line disponível na maioria das corretoras que atendem o segmento de varejo. Outra opção é dar as ordens por telefone, por meio da mesa de operações, mas os custos, nesse caso, podem ser um pouco diferentes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

O investimento em ações tá sujeito a três tipos de custos: a taxa de corretagem, geralmente cobrada por ordem; a taxa de custódia, que geralmente é mensal; e os emolumentos pagos à bolsa de valores. Algumas corretoras isentam o investidor de taxa de custódia e elaboram pacotes com preços de corretagem diferentes de acordo com o perfil do investidor. A concorrência nesse segmento é grande, então o ideal é pesquisar e comparar bastante antes de escolher a sua corretora.

O investimento em ações tem alto risco de mercado, porque os preços dos papéis flutuam muito. O investidor pode ter ganhos bem superiores aos da renda fixa no longo prazo, mas é preciso ter estômago para aguentar as oscilações.

Além de ser possível ganhar com a valorização das ações, você também pode lucrar com a distribuição de proventos: os dividendos e os juros sobre capital próprio.

Quando as companhias abrem o capital e realizam um IPO (Initial Public Offering), a oferta pública inicial de ações, geralmente os investidores compram os papéis da própria empresa, e o dinheiro vai para o caixa da companhia. Nesse caso, o investidor precisa reservar a quantidade de ações que deseja comprar no dia da abertura.

Já as negociações mais corriqueiras do dia a dia são feitas entre os investidores. O dinheiro vai para o bolso do vendedor, e não para o caixa da empresa.

Se você gostou do vídeo sobre como investir na bolsa, assina o nosso canal de YouTube! E deixa as suas dúvidas e sugestões para outros vídeos no campo dos comentários.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”