Menu
2019-08-16T14:19:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
reforço no time

Via Varejo contrata consultoria McKinsey para ajudar em transformação digital

Empresa já havia anunciado a contratação de Helisson Lemos, ex-Mercado Livre, como chefe da área digital

16 de agosto de 2019
10:30 - atualizado às 14:19
Fachada de uma loja das Casas Bahia
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via Varejo - Imagem: Divulgação

A Via Varejo contratou os serviços da consultoria McKinsey para ajudar a empresa em sua transformação digital. “A diferença de termos uma consultoria nesse momento é que trazer parceria estratégica”, disse Roberto Fulcherberguer, presidente da companhia.

As ações ON da companhia estavam em alta na manhã desta sexta-feira, 16. Por volta das 10h20, os papeis VVAR3 eram negociados a r$ 7,95, numa alta de 3,38%. No ano o ganho acumulado é de 81%. Veja mais na nossa cobertura de mercados.

O anúncio da contratação da consultoria foi feita pelo executivo durante teleconferência com analistas após a divulgação dos resultados trimestrais. “Estou 100% envolvido para deixar a transformação (digital) ligada ao nosso negócio principal, com o cliente em primeiro lugar.”

Reforço no time

Há um mês, a empresa já havia anunciado a contratação de Helisson Lemos, ex-Mercado Livre, como chefe da área digital.

As mudanças na estrutura da Via Varejo começaram a ser feitas após o empresário Michael Klein retomar o controle da empresa - seu pai foi o fundador da Casas Bahia, que hoje faz parte da companhia. Até então, a Via Varejo tinha como principal acionista o Grupo Pão de Açúcar (GPA).

Além da contratação da McKinsey para a retomada dos resultados, a Via Varejo está avaliando os vendedores presentes no marketplace, área na qual abriga lojas de terceiros em sua plataforma online.

A ideia, segundo Fulcherberguer, é qualificar esses vendedores e alinhá-los às práticas da nova gestão da Via Varejo. “Crescer os ‘lojistas’ a qualquer custo ou de maneira indiscriminada traz aumento das vendas num primeiro momento, mas, no médio prazo, há risco para a imagem do varejista”, afirmou Fulcherberguer.

“Hoje é muito simples virar ‘lojista’ em qualquer varejista. A checagem é quase nula. Vamos passar a checar os vendedores da mesma forma que fazemos com um fornecedor.”

Ele criticou, ainda, a política de incentivos que as varejistas dão aos vendedores, que vão desde zeragem de comissionamento até geração de verba para eles. “Não acho sustentável”, disse. “Vamos querer ter um marketplace de qualidade”.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies