2019-05-18T16:45:15-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Possível tragédia

Quatro meses após Brumadinho, Vale tem outra barragem com risco iminente de rompimento

Mineradora diz que ruptura poderá ocorrer no período de 19 a 25 de maio na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais

16 de maio de 2019
16:26 - atualizado às 16:45
Imagem: Reprodução/YouTube

Cerca de quatro meses depois do desastre de Brumadinho, a Vale volta a chamar por problemas de segurança. A empresa informou hoje (15) ao Ministério Público de Minas Gerais e outros órgãos do Estado de que há uma nova barragem com risco iminente de se romper.

No documento, ela destacou que "foi verificada uma deformação [...] na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, passível de provocar a sua ruptura". Depois relatou ainda que "permanecendo a velocidade de aceleração de movimentação do talude norte da Cava da Mina de Gongo Soco, sua ruptura poderá ocorrer no período de 19 a 25 de maio".

Após a informação da Vale, o MPMG determinou que a empresa terá 6h para avisar ao órgão as medidas que serão adotadas. Essa é a segunda vez em que uma barragem de Barão de Cocais precisa ser evacuada urgentemente após o desastre de Brumadinho.

Diante da notícia, o mercado reagiu com preocupação. Os papéis ordinários (VALE3) da Vale começaram o dia em alta por conta da subida no preço do minério de ferro, mas terminaram o pregão com queda de 3,23%, cotados em R$ 46,40.

Posicionamento da Vale

Em sua defesa, a companhia disse que "a barragem Sul Superior está em nível 3 desde 22 de março e a Zona de Autossalvamento (ZAS) já havia sido evacuada preventivamente em 8 de fevereiro, totalizando 458 pessoas realocadas".

Em seguida, acrescentou que "todas as medidas preventivas para este cenário já foram tomadas, incluindo a realização de simulados de emergência com moradores da Zona de Segurança Secundária (ZSS). Também em março, a Defesa Civil e a Vale equiparam a ZSS com sinalização das rotas de fuga. Foram implantados pontos de encontro que funcionam 24h por dia com equipes preparadas para o pronto atendimento à população".

Segundo a companhia, ZAS é a região que está até 10 km ou 30 minutos do ponto de rompimento da barragem e que foi definida no Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM). ​

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ACIONISTAS FELIZES

‘Sextou’ com dividendos: Raia Drogasil (RADL3) e MRS Logística (MRSA3B) anunciam R$ 201 milhões em proventos

Ambas as companhias detalharam o valor por ação, a data de corte para receber os proventos e quando o dinheiro deverá cair na conta dos acionistas

FECHAMENTO DA SEMANA

Em semana de alta volatilidade, Ibovespa pega carona com PEC dos precatórios e sobe 2,78%; dólar também avança, mas juros passam por alívio

Variante ômicron, PEC dos precatórios e o futuro da política monetária americana dominaram a semana do Ibovespa

Evergrande vende parte de suas ações de empresa de tecnologia e obtém US$ 145 mi

O grupo chinês da Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida […]

Aperto monetário

Copom deve elevar Selic para 9,25% ao ano na próxima semana, aposta JP Morgan

Para o banco, a queda de 0,1% do PIB do terceiro trimestre e o avanço da PEC dos precatórios no Congresso fizeram com que as estimativas convergissem para a manutenção do ritmo de alta de 1,5 ponto

Intervenção estatal

Sob risco de novo calote, governo chinês envia ‘socorro administrativo’ para Evergrande

O movimento ocorre após a gigante imobiliária alertar que corria o risco de não cumprir mais uma grande obrigação financeira