Menu
2019-09-30T16:55:03-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Migração de mais de R$ 1 tri

Títulos do Tesouro que vencem nos próximos 5 anos devem impulsionar ações de dividendos, diz Itaú

Segundo relatório da Itaú Corretora, recursos aplicados em títulos públicos que devem vencer nos próximos cinco anos podem migrar para a bolsa, sobretudo para as ações que pagam bons dividendos; confira as sugestões da corretora de ações com esse perfil

30 de setembro de 2019
16:34 - atualizado às 16:55
Atleta dá impulso para salto em distância
Corretora do Itaú espera migração de recursos da renda fixa para o mercado de ações depois que títulos vencerem. Imagem: Shutterstock

Os títulos públicos do Tesouro Nacional que vencem nos próximos cinco anos devem dar um senhor impulso ao mercado de ações brasileiro, sobretudo àquelas ações que são boas pagadoras de dividendos, diz relatório da Itaú Corretora divulgado a clientes nesta segunda-feira (30).

Segundo o relatório, o Brasil tem atualmente R$ 2,9 trilhões em títulos do governo que vencem dentro deste prazo. Destes, R$ 1,3 trilhão está investido em títulos atrelados à Selic (Tesouro Selic ou LFT) e tem grande chance de ser reinvestido, uma vez que sua remuneração já vem acompanhando a queda da Selic.

O R$ 1,6 trilhão restante, porém, está investido em títulos prefixados ou atrelados à inflação que pagavam taxas de juros mais altas quando foram adquiridos pelos investidores. Com o vencimento desses papéis, seus detentores não conseguirão renová-los por taxas semelhantes, uma vez que a Selic vem numa trajetória de queda.

Para os analistas do Itaú, isso significa que essa quantia de quase R$ 2 trilhões tem grande potencial de migrar, nos próximos anos, para outros tipos de investimento, em busca de melhores retornos.

Os mais promissores, segundo o relatório, são as ações que pagam bons dividendos, uma vez que elas têm menos volatilidade que as ações de empresas em crescimento e compartilham, com os títulos públicos, a característica de gerar renda para o investidor.

Apenas nesta terça-feira (1º), R$ 100 bilhões já serão despejados no mercado com o vencimento de um título prefixado tipo LTN. No Tesouro Direto, a LTN é negociada como Tesouro Prefixado, mas o título com vencimento em 2019 não está disponível na plataforma de negociação on-line de títulos públicos, apenas no mercado secundário, onde atuam os investidores institucionais.

  • Veja mais: Investidores comuns estão aprendendo como antecipar o movimento das ações com um dos maiores analistas técnicos do país. VAGAS LIMITADAS. Corra. Entre aqui.

Momento é perfeito para a migração da renda fixa para a renda variável

Ainda segundo os analistas da Itaú Corretora, nunca houve momento melhor que o atual para ocorrer essa migração de recursos dos títulos públicos para as ações. A relação entre earnings yields (retornos com os lucros das ações) e os bonds yields (retornos dos títulos) está mais favorável para a renda variável desde 2017.

Os juros mais baixos no mundo e a perspectiva de novas quedas para a taxa Selic tendem a aumentar essa diferença.

"Acreditamos que alguns efeitos de vencimento de títulos do Tesouro serão observados no mercado de ações, uma vez que no grande vencimento de maio [R$ 88 bilhões referentes ao vencimento de um título indexado à inflação] foi possível observar um aumento das entradas nos fundos de ações", diz o relatório.

Os analistas lembram, porém, que essa conversão de renda fixa para ações não deve ser imediata, porque muitos investidores demoram a realocar sua carteira adequadamente.

Por que as ações de dividendos seriam as melhores opções?

Segundo os analistas da Itaú Corretora, essas ações pertencem a empresas com elevada geração de caixa e ótimo histórico de pagamento de dividendos, apresentando também baixa volatilidade e menor risco operacional. Elas são descritas como ações "bond-like", por terem características similares aos títulos públicos prefixados e atrelados à inflação (bonds).

Investidores acostumados a investimentos seguros e com os altos retornos como os que a renda fixa brasileira apresentava no passado provavelmente seriam os primeiros a migrarem para estas ações que apresentam menor volatilidade, diz o relatório.

Além disso, elas funcionam também como porta de entrada desses investidores no mercado de ações.

Boas pagadoras de dividendos se saíram melhor que as NTN-B

Ainda de acordo com o relatório da Itaú Corretora, as companhias boas pagadoras de dividendos vêm apresentando, neste ano, retorno maior que o das NTN-B, os títulos públicos atrelados à inflação.

Enquanto estes renderam, em média, 27,2% em 2019 - mais que o Ibovespa, que subiu 19,8% até agora -, as boas pagadoras de dividendos apresentaram um retorno de 36,0% no ano.

As baixas taxas de juros e novas quedas na Selic devem ajudar ainda mais essas ações.

E quais ações de dividendos a Itaú Corretora indica?

Entre as ações com esse perfil para receber os investimentos de quem hoje está com o dinheiro aplicado em títulos públicos prefixados e atrelados à inflação, a Itaú Corretora indica CPFL (CPFE3), Copasa (CSMG3), Multiplan (MULT3) e Rumo (RAIL3).

O portfólio de ações brasileiras recomendadas pela Itaú Corretora tem hoje 40% em ações "bond-like", contra apenas 9% da composição do Ibovespa. As demais ações da carteira são Bradesco, Cyrela, Hapvida e Randon (que devem se beneficiar da melhora do ciclo doméstico) e Vale (considerada barata).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Para dirigentes de instituições

CMN estende restrição de dividendos até dezembro de 2020

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu estender até dezembro de 2020 a regra que proíbe o aumento na remuneração de dirigentes de instituições financeiras e a distribuição de dividendos acima do mínimo obrigatório

Campos Neto fala

Para BC, é possível que efeitos do isolamento persistam até metade de 2021

Para Campos Neto, o medo que as pessoas sentem de serem contaminadas fará com que muitos mantenham hábitos adquiridos durante o período de quarentena

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements