Menu
2019-01-28T15:28:49-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bye bye, Brasil?

Participação de estrangeiro na dívida pública é a menor desde 2011

Fatia do não residente fechou 2018 em 11,2% do endividamento interno, mas houve compra líquida de dívida pela primeira vez desde 2015

28 de janeiro de 2019
15:28
Baú de tesouro com moedas e bússola
Imagem: PaulPaladin/Shutterstock

Depois de um saque de mais de R$ 80 bilhões entre 2016 e 2017, o investidor estrangeiro fechou 2018 com compra líquida de dívida interna brasileira. Mas o volume foi pouco expressivo, coisa de R$ 2 bilhões. Assim, a participação relativa voltou a cair e fechou o ano em 11,2%, menor desde junho de 2011.

Vale lembrar que a parcela do não residente oscilou ao redor dos 20% durante boa parte de 2014 e começo de 2015. Mas a perda do grau do investimento em setembro daquele ano mudou a relação do estrangeiro com a dívida brasileira desde então.

Em coletiva para apresentar os resultados do ano, o subsecretário da Dívida Pública, José Franco Medeiros de Morais, avalia que essa atuação do estrangeiro em 2018 foi positiva e que esse aumento de R$ 2 bilhões pode ser visto como um indicador de “cenário positivo, com expectativa de entrada de recursos estrangeiros” ao longo de 2019.

A dívida interna encerrou 2018 em R$ 3,728 trilhões. Os maiores detentores são os fundos de investimento, com 26,91% ou R$ 1 trilhão. Na sequência aparecem as instituições de Previdência, com 24,96%, ou R$ 930 bilhões. As instituições financeiras aparecem com R$ 848 bilhões, ou 22,74% do total.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Setor em crescimento

Produção de petróleo e gás no Brasil sobe 4,5% em abril, revela ANP

Volume chegou a 3,798 milhões de barris no mês passado, e pré-sal responde por 72,7% do total produzido

queda na produção

Zona do euro entra em 2ª recessão técnica em um ano

Ambas as variações confirmaram estimativas preliminares do fim de abril e vieram em linha com as expectativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal

reduzindo participação

Participação da Petrobras em investimentos no PIB caiu para 3,8% em 2020, mostra levantamento

Em 2014, a participação na FBCF da estatal era de 7,6%, passando para 3,8% em 2020, segundo levantamento do economista Cloviomar Caranine

Operação confirmada

CSN protocola pedido de registro de IPO de sua unidade de cimentos

A oferta inicial da CSN Cimentos havia sido aprovada pelo conselho de administração no final de abril. Intervalo de preço por ação ainda será definido

MAIS PERTO DO CÉU

Ibovespa segue flertando com topo histórico, mas manter ‘otimismo cauteloso’ nunca é demais

Em dia de agenda fraca e exterior positivo, CPI da pandemia é o principal risco de água no chopp da B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies