Menu
2019-04-20T15:18:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
RESPOSTA DO TESOURO NACIONAL

Outro lado: O spread no Tesouro Direto protege os investidores e o próprio Tesouro

Colunista criticou cobrança do Tesouro nas operações de venda antecipadas de títulos públicos

10 de janeiro de 2019
5:50 - atualizado às 15:18

O Tesouro Nacional enviou um comunicado ao Seu Dinheiro para explicar o motivo da cobrança de um spread na operação de venda antecipada de títulos públicos no Tesouro Direto. O valor cobrado foi criticado pelo colunista Luiz Rogé neste artigo.

Segundo o Tesouro, o mecanismo é necessário para proteger a instituição e os próprios investidores. Se a taxa fosse menor, haveria mais interrupções na plataforma de negociações. Leia a seguir a resposta do Tesouro:

"Os preços dos títulos negociados no Tesouro Direto (TD) são atualizados, regularmente, três vezes ao dia. A definição das taxas do TD busca dar maior previsibilidade e estabilidade aos investidores, ao mesmo tempo em que mantém relação com os preços e oscilações do mercado secundário. Desse modo, os parâmetros de negociação são definidos para minimizar o número de interrupções de negociação durante o dia e proteger os investidores e o Tesouro Nacional de negociações com preços significativamente diferentes dos praticados no secundário.

Para que essas condições sejam mantidas, ao final de 2016 foram implementadas mudanças nas diferenças das taxas de compra e venda dos títulos. Isso permitiu, para níveis semelhantes de oscilações de mercado, redução significativa das suspensões do TD. Ressalta-se também que as diferenças das taxas de compra e venda são compatíveis com as taxas praticadas em mercado e similares para todos os títulos com parcela da rentabilidade prefixada (Tesouro IPCA+ e Tesouro Prefixado – com ou sem juros semestrais) visando não influir na escolha do investidor.

O objetivo do spread não é proporcionar ganho ao Tesouro, mas sim dar estabilidade ao programa. Se não houvesse o spread, ou se ele fosse muito baixo, haveria mais interrupções. Ou, caso não houvesse as interrupções necessárias, o preço dos títulos no mercado secundário poderia se alterar de maneira desfavorável e gerar prejuízo ao Tesouro. Em suma, o mecanismo de spread protege os investidores e o próprio Tesouro. Na prática, caso haja uma situação de ganho para o Tesouro, a diferença entre os preços de compra e venda se traduz em redução da dívida pública.

O Tesouro Nacional, de todo modo, está atento a essa questão e avalia permanentemente as condições para reduzir o spread."

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

na agenda

Questões sobre MP da privatização da Eletrobras serão decididas nesta quarta, diz Pacheco

Senado deve discutir inclusive os requerimentos de impugnação de jabutis – como são chamados as emendas com temas estranhos à proposta original

seu dinheiro na sua noite

De carona no trem das commodities

Quando falamos em ações que se beneficiam da reabertura da economia pós-covid, logo se destacam os papéis de empresas ligadas à produção de commodities. Quem vem apostando nesses ativos neste ano está se dando bem. Mas é bem verdade que a “tese da reabertura” já está em andamento. Para quem perdeu esse trem, ainda dá […]

aquisição via controlada

Ambipar compra 100% da Ecológica Nordeste

Negócio está em linha com seu plano estratégico de crescimento, com captura de sinergias e potencial maximização das margens e retorno, diz a empresa

denúncia da fup

Médicos da Petrobras receitam remédio sem eficácia a funcionários com covid-19

A estatal segue o comportamento do governo federal, que liderado pelo presidente Jair Bolsonaro, defende o tratamento precoce do covid-19 via medicamentos não aceitos pela OMS

fique de olho

Tesouro divulga cronograma dos leilões de títulos do 3º trimestre

No caso das Notas do Tesouro Nacional – Série F (NTN-F), a instituição deixará de ofertar o papel com prazo de referência de oito anos (1/1/2029)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies