Menu
2019-09-19T12:31:07-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Startup

Airbnb quer se hospedar na bolsa e anuncia planos para oferta de ações em 2020

Empresa que conecta usuários interessados em alugar apartamentos ou quartos por temporada com os proprietários foi avaliada em mais de US$ 30 bilhões

19 de setembro de 2019
12:31
airbnb
Imagem: Divulgação

O Airbnb, empresa de aluguel online de imóveis por temporada, quer se hospedar na bolsa. A startup anunciou nesta quinta-feira os planos de ter ações listadas no mercado em 2020.

A notícia já leva o mercado a estimar qual será o valor do Airbnb no futuro IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações). Na última rodada de captação, a startup foi avaliada em pouco mais de US$ 30 bilhões (R$ 124 bilhões no câmbio de hoje), segundo informações da Bloomberg.

O Airbnb conecta usuários interessados em alugar apartamentos ou quartos por temporada com os proprietários. A receita da empresa vem de uma taxa cobrada por transação.

A startup foi criada na cidade norte-americana de San Francisco por Brian Chesky e Joe Gebbia, que começaram alugando um espaço no próprio imóvel cobrando uma diária de US$ 80.

Assim como outras startups nascidas na era dos smartphones, o Airbnb atua na fronteira da regulação. Enquanto o Uber, por exemplo, enfrentou a ira dos motoristas de táxi nas cidades onde passou a atuar, a briga da empresa é com os hotéis.

A startup já opera em várias cidades, mas ainda enfrenta resistência em grandes centros, como Nova York.

O Airbnb terá de enfrentar ainda o ceticismo dos investidores de bolsa, que perderam dinheiro ao investir em outras startups promissoras que abriram o capital neste ano, como Uber e Lyft. Essa desconfiança inclusive levou a empresa de escritórios compartilhados WeWork a adiar os planos de IPO, que estava previsto para este mês.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies