🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

Estadão Conteúdo
VETO

Moro e entidades pedem veto a juiz de garantias

Quem se opõe à proposta argumenta que seria de difícil implementação e resultaria em custo extra para o Judiciário, pois seria necessário contratar ainda mais juízes

Sérgio Moro de braços cruzados em frente à um fundo azul
O ex-juiz Sergio Moro - Imagem: Shutterstock

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, afirmou ontem ao jornal O Estado de S. Paulo que vai propor ao presidente Jair Bolsonaro o veto à criação do juiz de garantias, medida aprovada no Senado esta semana como parte do pacote anticrime. Entidades que representam a magistratura também são contra a criação da regra, que, na prática, determina que cada processo penal seja acompanhado por dois juízes. O juiz de garantias ficaria responsável pela condução do processo e daria decisões como mandados de busca e de prisão preventiva, enquanto outro magistrado daria a sentença.

Quem se opõe à proposta argumenta que seria de difícil implementação e resultaria em custo extra para o Judiciário, pois seria necessário contratar ainda mais juízes. O Brasil tem 18,1 mil juízes e, só na primeira instância, há déficit de 4,4 mil magistrados em todas as áreas da Justiça. O argumento de Moro é de que a exigência de dois juízes para cada processo sobrecarregará o sistema judiciário.

"O Ministério da Justiça proporá veto de toda a parte do juiz de garantias. Entre outros motivos, a Justiça brasileira, com um juiz na maioria das comarcas, não tem condições de ter dois juízes em cada uma, e o trabalho à distância não é factível", disse Moro à reportagem. Na quarta-feira, a Coluna do Estadão mostrou que recomendaria o veto a Bolsonaro.

Uma nota técnica enviada ao ministério pela Associação dos Juízes Federais (Ajufe) aponta que 40% das 2,7 mil comarcas da Justiça Estadual no Brasil têm apenas um magistrado. Isso equivale a mais de 1080 juízes que atuam sozinhos em suas jurisdições. O documento tem como base dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e apresenta argumentos contra a criação do juiz de garantias.

Nos cálculos da Ajufe, seria necessário dobrar o número de juízes na primeira instância que atuam no direito penal. Cada magistrado na Justiça Estadual recebe, em média, R$ 47,4 mil por mês. O cálculo do CNJ inclui benefícios, encargos, transporte, diárias e contribuição previdenciária.

Teto

O aumento dos custos no Judiciário é considerado impraticável por entidades de classe, inclusive, por causa da emenda constitucional que instituiu o teto de gastos, em 2016. "A necessidade de dois juízes para tratar de um processo penal vai criar uma dificuldade operacional e do ponto de vista orçamentário", diz o presidente da Ajufe, Fernando Marcelo Mendes.

Ele diz que, caso não seja vetada, a regra teria de ser implementada sem disparidade entre regiões. "Não se pode implantar o juiz de garantia apenas nas capitais ou nos processos de colarinho branco."

O tema não é consenso na associação. Ex-presidente da Ajufe, o desembargador federal Nino Oliveira Toldo diz que o sistema judiciário já enfrenta problemas estruturais como a falta de magistrados, e que nem todas as comarcas precisariam do juiz. "Qualquer medida que se tome para que não haja nenhuma dúvida quanto à imparcialidade do magistrado deve ser adotada", diz. "Toda mudança gera incômodo. Mas a ideia central no juiz de garantias aprimora o processo judicial", disse.

A presidente da AMB, Renata Gil, afirmou, em nota, que a sanção da proposta implicaria, "em primeira análise" na contratação de aproximadamente 1.800 juízes. "Isso demandaria tempo, em razão da elaboração de concurso público, além de demandar recursos financeiros que a maior parte dos estados não pode suportar", diz o texto. Procurado, o CNJ não se pronunciou.

A inclusão do juiz de garantias no pacote anticrime foi antecipada pelo Estado em agosto. A medida é vista como uma reação a Moro, que teve sua atuação como juiz na Lava Jato contestada após a divulgação de mensagens com procuradores da operação em Curitiba. O Senado enviou ontem o projeto aprovado à sanção de Bolsonaro, que tem até o dia 3 de janeiro para decidir.

Moro também quer vetar ao menos parte dos dispositivos que modificaram regras para a aplicação de prisão preventiva e o trecho que altera regras de acordos de colaboração premiada - pontos que não constavam no pacote anticrime original. "Talvez haja alguns vetos. Isso vai ser discutido com o presidente", disse o ministro.

Câmara

Deputados favoráveis à criação do juiz de garantias negam que a medida pode provocar a contratação de mais funcionários na magistratura e que seja um ataque à Lava Jato. Eles dizem que, caso o presidente Jair Bolsonaro vete a proposta, eles podem trabalhar para derrubar a decisão na Câmara.

Autora da emenda que incluiu o juiz de garantias no pacote anticrime, a deputada Margarete Coelho (PP-PI) afirmou que a inclusão dessa nova figura não traria mais custos pois juízes de comarcas vizinhas poderiam se revezar. "Nas comarcas contíguas, um juiz pode funcionar como de julgamento e o da comarca vizinha como juiz de garantia e vice-versa", disse ela. "Percebi nas conversas que tive durante as negociações e na apresentação do pacote às bancadas que houve uma compreensão muita grande da importância desse instituto."

Autor do texto substitutivo do pacote anticrime aprovado na Câmara, o deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG) considera o juiz de garantias um avanço para o sistema judiciário. "Ele garante uma isenção do juiz que vai julgar, já que ele fica mais distante do caso. Então, de acordo com estudiosos, é um avanço, países avançados adotam isso", disse.

O deputado afirmou que, caso Bolsonaro barre a inclusão do dispositivo, o plenário pode derrubar o veto. "Isso é o conjunto dos deputados que vai definir. Voto para o dispositivo permanecer", disse.

Essa matéria também é tratada na comissão especial na Câmara para discute a reforma do Código de Processo Penal.As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

ELEIÇÕES 2022

Passou na frente: Moro lidera intenções de voto para o Senado no Paraná; Álvaro Dias aparece em 2º; confira os números

21 de julho de 2022 - 19:35

Antes de o ex-juiz lançar sua pré-candidatura ao Senado, no dia 12 de julho, era escolhido do Podemos que liderava as pesquisas de intenção de voto

ELEIÇÕES 2022

Primeira disputa eleitoral de Sérgio Moro não será pelo Planalto: ex-juiz vai brigar por uma vaga ao Senado pelo Paraná

12 de julho de 2022 - 16:07

As pesquisas eleitorais já divulgadas apontam que Moro (União Brasil) briga pela vaga com seu “padrinho político”, o senador Alvaro Dias (Podemos)

ELEIÇÕES 2022

Maioria não pretende mudar voto daqui até a eleição; fique por dentro dos resultados da nova pesquisa eleitoral da CNT

10 de maio de 2022 - 16:15

A pesquisa também olhou para o primeiro turno das eleições e testou diferentes cenários para o segundo turno

SÓ ACABA QUANDO TERMINA

Moro não desiste de candidatura à presidência e avisa: ‘O mundo, às vezes, reserva surpresas’; saiba o que disse o ex-ministro

27 de abril de 2022 - 14:39

Para o ex-juiz, critérios como estrutura partidária e intenção de votos deveriam guiar a escolha do candidato da chamada terceira via

Aperte o play!

A terceira via nas eleições está morta?

2 de abril de 2022 - 9:30

A desistência de Sergio Moro e o vaivém de João Doria movimentaram a terceira via na semana e são o tema da última edição do podcast Touros e Ursos

O 'SOLDADO DA DEMOCRACIA'

Moro muda de partido e suspende pré-candidatura, mas ainda não desistiu de disputar a Presidência

31 de março de 2022 - 17:47

O ex-juiz deixará de concorrer ao cargo para filiar-se ao União Brasil e segue o mesmo caminho do deputado Arthur do Val, que também deixou o Podemos após o vazamento de áudios de teor sexista sobre mulheres na Ucrânia

Eleições 2022

Sergio Moro pode abrir mão da candidatura à Presidência para trocar de partido, diz site

31 de março de 2022 - 10:33

A saída da corrida presidencial deve acontecer junto com a decisão de Sergio Moro de trocar de partido, do Podemos para União Brasil, segundo o site Metrópoles

GUERRA E PAZ

De que lado o Brasil está no conflito entre Rússia e Ucrânia? Itamaraty e autoridades brasileiras se posicionam após invasão

24 de fevereiro de 2022 - 12:43

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro esteve em Moscou e chegou a dizer que era solidário ao país liderado por Vladimir Putin

CEO CONFERENCE 2022

Ciro Gomes pede que investidor estrangeiro aposte no Brasil e ataca adversários

23 de fevereiro de 2022 - 17:04

Durante evento promovido pelo BTG Pactual, ele não poupa o presidente Jair Bolsonaro (PL) e faz críticas pesadas ao rival Sergio Moro, presidenciável do Podemos; veja o que pedetista falou

ARTILHARIA PESADA

Moro acusa Bolsonaro de sabotar reformas de Paulo Guedes e o combate à corrupção

22 de fevereiro de 2022 - 13:18

Ex-juiz ainda foi irônico ao dizer que atual presidente se gabou de conseguir evitar a invasão da Ucrânia no momento em que Putin reconhece a autonomia de territórios separatistas e envia tropas à região, arrancando aplausos da plateia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar