Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2019-08-05T11:39:18-03:00
SEU MENTOR DE INVESTIMENTOS

O guardião da moeda

Vários chefes de Estado americanos já se mostraram insatisfeitos com as decisões do banco central do país; por aqui, os presidentes da República também já tiverem atritos com a autarquia

5 de agosto de 2019
11:39
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

Na semana passada, durante a reunião do Fomc (sigla em inglês para Comitê de Mercado Aberto da Reserva Federal) do Fed, equivalente ao nosso Copom (Comitê de Política Monetária), o órgão americano decidiu reduzir a taxa básica de juros em 25 pontos-base (um quarto de um ponto percentual), a primeira queda em onze anos. Como eles trabalham com bandas, a nova faixa fica entre 2% e 2,25%.

Sendo a notícia amplamente esperada pelos mercados, não deveria causar maiores impactos nas bolsas e nos preços dos treasuries (títulos do Tesouro dos Estados Unidos).

Acontece que, em seu costumeiro comentário após o encontro do Fomc, ochairman do Fed, Jerome Powell, frustrou as expectativas dos agentes econômicos que aguardavam por novas reduções nas próximas reuniões, hipótese essa que Powell descartou.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Se, por um lado, o mercado se limitou a um perceptível desapontamento, por outro o presidente Donald Trump ficou furioso.

Num dos seus tuítes seriais, Trump alegou que, enquanto a Comunidade Europeia e a China baixam as taxas de juros para valer, injetando dinheiro em suas economias, o “nosso Fed não faz nada”“Muito ruim (too bad), isso”, acrescentou.

Como, nos Estados Unidos, o Federal Reserve Bank é um órgão independente desde 1913, é raro um ocupante da Casa Branca criticar de forma tão contundente as decisões do colegiado.

Embora o presidente tenha a prerrogativa de escolher o chairman, cujo mandato não coincide com o seu, essa indicação precisa ser aprovada pelo Senado, tal como no Brasil. O ungido tem liberdade de trabalhar ao lado dos demais seis integrantes da Junta de Governadores da instituição.

Vários chefes de Estado americanos já se mostraram insatisfeitos com as decisões do Fed. Entre eles, os recentes George W. Bush, Bill Clinton, George H. W. Bush (Bush pai) e Ronald Reagan. Mas sempre o fizeram com comentários leves, do tipo:

“Em minha opinião, essa decisão não era necessária”.

É óbvio que Barack Obama jamais fez esse tipo de ressalva. Pudera. Durante seus dois mandatos, a taxa-base manteve-se em zero, herança da crise do subprime.

Trump ataca Powell ferozmente e ameaça demiti-lo, coisa que não tem poderes para fazer. Mas pode escolher outro nome em 2022, caso seja reeleito no ano que vem.

A não ser por ocasião de suas nomeações, os chairmen do Fed não frequentam a Casa Branca. Eventualmente, até se encontram com o presidente da República em recepções, enterros, casamentos, etc., mas se limitam a cumprimentos protocolares.

No Brasil, o Banco Central, criado em 1964, nunca teve independência. O máximo que conseguiu foi autonomia operacional, status esse que está atingindo seu ápice no governo Jair Bolsonaro.

Se Paulo Guedes troca ideias sobre política monetária com Roberto Campos Neto, disso não tenho conhecimento. Mas jamais vi Bolsonaro, ou um dos seus filhos, e nem mesmo o “filósofo” Olavo de Carvalho fazerem algum tipo de crítica à política do BC.

Quando assumiu a presidência da República, em março de 1967, o general Artur da Costa e Silva recebeu a sugestão de dar independência ao BC, na época presidido por Ruy Leme.

“O Banco Central será o guardião da moeda”, disse, empolgado, um integrante da área econômica do governo.

“O guardião da moeda sou eu”, Costa e Silva, mais do que depressa, encerrou o diálogo.

Quando iniciou seu primeiro mandato, Lula teve dificuldade em conseguir um nome de prestígio no cenário internacional para nomear para o BC. Por sugestão de Antonio Palocci, Pedro Luiz Bodin de Moraes, então diretor de política monetária da instituição durante o governo FHC, foi sondado, mas não aceitou, provavelmente com medo de interferências de um governo socialista.

Felizmente para Lula e Palocci, Henrique Meirelles encarou o desafio. Desincumbiu-se da tarefa com tal desenvoltura e competência que chegou a ser aclamado, durante uma reunião de seus pares internacionais, como o melhor presidente de Banco Central em todo o mundo.

Dilma estragou tudo. Escolheu Alexandre Tombini e, desgraçadamente para o país, exerceu ela mesma a função de “guardiã da moeda”. Deu no que deu. Taxa Selic derrubada na marra, volta da inflação de dois dígitos.

Com a escolha de Ilan Goldfajn pelo presidente Michel Temer e de Roberto Campos Neto por Bolsonaro, é menos um problema para o Brasil. Reformada a Previdência e dando prosseguimento às privatizações, só resta termos otimismo com o futuro do país, após várias décadas nas quais o grande fundamento do mercado era déficit, inflação, inflação, déficit...

Pena que o cenário internacional possa alterar isso tudo. Para pior. Por mais que as decisões do Fed afetem o Brasil, as do Copom jamais irão interferir no cenário mundial.

O que me deixa otimista, moderadamente otimista, é saber que o enxugamento do Estado é aparentemente um caminho sem volta. Isso vai acabar se refletindo no aumento do PIB e na volta de um país que já foi próspero.

Só que próspero e sem inflação é um cenário que jamais testemunhei em meus 79 anos de vida.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

bem na praça

Fintechs e corretoras lideram avaliações positivas de clientes

Nota geral mais alta foi da corretora Órama, com 4,64, em uma escala de 0 a 5. Ela foi seguida pelo Nubank (4,37), Banco Inter (4,31), a corretora Mirae (4,22) e o BTG Pactual Digital (4,20)

olho na composição

Ações de companhias elétricas podem equilibrar a carteira de investimentos

Empresas são consideradas mais resistentes a ciclos de baixo crescimento da economia e sentem menos os altos e baixos da Bolsa

sem privilégios

Petrobras pode perder direito de preferência no próximo leilão do pré-sal

Segundo jornal, avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores

O que esperar dos mercados?

BCs, Davos e feriados pautam os negócios na semana

Enquanto líderes mundiais viajam para o Fórum Econômico de Davos, os investidores aguardam novidades dos BCs e da atividade doméstica. Feriados diminuem a liquidez dos negócios

dinheiro no caixa

Ânima Educação anuncia oferta de ações que pode movimentar R$ 1 bilhão

Empresa quer recursos para novas aquisições estratégicas e investimentos nas atuais linhas de negócio da companhia

na mesma

China mantém taxas de juros de referência inalteradas pelo 2º mês seguido

Taxa de empréstimos de um ano, que em agosto passou a ser uma taxa principal, permanece em 4,15%

empresário tinha 96 anos

Morre fundador do grupo Queiroz Galvão

Fundador ao lado de seus irmãos Dario, João e Mário em 1953, Antônio ajudou a transformar a pequena construtora de Pernambuco em uma das maiores empreiteiras do País

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements