2019-05-30T11:53:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
abaixo das estimativas

Inflação do aluguel desacelera a 0,45% em maio, diz FGV

IGP-M também perdeu força em 12 meses, de 8,64% em abril para 7,64% em maio

30 de maio de 2019
11:50 - atualizado às 11:53
Prédios em São Paulo
Imagem: Shutterstock

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a 0,45% em maio, após 0,92% em abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira, 30.

O indicador mede o movimento dos preços de forma geral e funciona como indexador de contratos de aluguel, tarifas públicas, seguros etc.

Em 12 meses, o IGP-M também perdeu força, de 8,64% em abril para 7,64% em maio. Esse resultado também ficou aquém da mediana de 7,75%. No ano, o indicador acumula alta de 3,56%.

Entre abril e maio, o arrefecimento do IGP-M foi novamente encabeçado pelo comportamento menos pressionado dos produtos no atacado no período. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) desacelerou de 1,07% no quarto mês do ano para 0,54% neste mês.

Da mesma forma, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) cedeu no período, de 0,69% para 0,35%, assim como o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M), que variou de 0,49% para 0,09%, conforme informado na segunda-feira (27) pela FGV.

IPAs

O alívio no IGP-M entre abril e maio foi bastante influenciado pela queda dos produtos agropecuários no período. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) agropecuário registrou deflação de 2,12% contra alta de 0,45% no mês anterior. Já os itens industriais, medidos pelo IPA Industrial, avançaram, de 1,28% para 1,43% em maio.

Por estágios de produção, contribuíram para o alívio no índice os Bens Finais, que registraram ligeira alta de 0,01% este mês, de 1,25% em abril. A principal influência para essa desaceleração partiu do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de elevação de 0,97% para recuo de 7,77%, no mesmo período.

Na mesma direção, as Matérias-Primas Brutas arrefeceram de 1,57% para 0,67%. Já os Bens Intermediários avançaram entre abril e maio, de 0,47% para 0,95%.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

FORTES SINAIS

Por que você deveria olhar a disparada de juros dos empréstimos imobiliários dos EUA com o risco iminente de recessão? Eles levaram à crise de 2008 e voltaram a subir

Os juros de financiamentos de até 30 anos saíram de 2,75% para mais de 6% em relação ao mesmo mês de 2021

skin in the game

Como os criadores do podcast Stock Pickers querem fazer a cabeça do mercado com o Market Makers

Em parceria com a Empiricus, Thiago Salomão e Renato Santiago lançam novo podcast e querem começar clube de investimentos

SÁBADO EM CRIPTO

Bitcoin acumula alta de 10% na semana, ethereum sobe 20% e criptomoedas tentam aproveitar alívio do noticiário para avançar hoje; confira

Entre os destaques dos últimos dias estão a nova parceria da Binance no Brasil, o ataque ao site do Tether (USDT) e os problemas na Celsius

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies