Menu
2019-11-12T18:41:18-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Turbulência

A Embraer deu prejuízo e cortou a projeção de dividendo. O mercado não gostou do que viu

O balanço da Embraer no terceiro trimestre ficou abaixo das expectativas do mercado, pressionado pelos custos ligados à transação com a Boeing. Como resultado, as ações caíram forte

12 de novembro de 2019
12:29 - atualizado às 18:41
Embraer
Imagem: Divulgação

Desde o anúncio formal da transação com a Boeing, no início de 2019, a Embraer tem enfrentado céus carregados. No mercado, ainda há muitas dúvidas quanto ao futuro da empresa, especialmente em meio ao momento delicado enfrentado pela companhia americana. E as ações da empresa brasileira refletem esses questionamentos.

Desde o começo do ano, os papéis ON da Embraer (EMBR3) acumulam baixa de mais de 20% — o quarto pior desempenho entre as ações que compõem o Ibovespa. E a hesitação dos investidores tende a aumentar ainda mais nesta terça-feira (12), após a companhia brasileira reportar um balanço trimestral com diversos pontos de fraqueza.

Começando pelo resultado líquido: a fabricante de aeronaves encerrou o terceiro trimestre de 2019 com um prejuízo de R$ 314,4 milhões — um salto de mais de 500% em relação às perdas de R$ 52,3 milhões contabilizadas há um ano.

Os problemas não param por aí. A receita líquida da Embraer ficou praticamente estável na mesma base de comparação, registrando um leve aumento de 1,8%, para R$ 4,692 bilhões. O resultado operacional ficou negativo em R$ 80,4 milhões — há um ano, a linha estava positiva em R$ 208,6 milhões.

Por fim, um detalhe trouxe frustração extra aos agentes financeiros: em meio ao imbróglio para a aprovação dos órgãos concorrenciais e conclusão da operação com a Boeing, a Embraer cortou a projeção para dividendos especiais relacionados à transação. Antes, a empresa projetava um pagamento de US$ 1,6 bilhão; agora, a estimativa é de um desembolso entre US$ 1,3 bilhão e US$ 1,6 bilhão.

Toda essa turbulência no plano de voo fez com que os investidores reagissem negativamente aos resultados trimestrais da Embraer: os papéis ON da empresa fecharam em queda de 3,43%, a R$ 17,19, mas, na mínima, chegaram a cair 6,69%, a R$ 16,61 — o Ibovespa recuou 1,49%, aos 106.751,11 pontos.

Tensão nos ares

Como já foi dito acima, a receita da Embraer cresceu num ritmo pouco expressivo no terceiro trimestre. No entanto, os custos dos produtos e serviços prestados avançou 8,7% na mesma base de comparação, para R$ 4,074 bilhão. Assim, o lucro bruto da empresa brasileira somou R$ 618,3 milhões — uma baixa de 28,2% em um ano.

Como se não fosse o bastante, os resultados da Embraer ainda foram negativamente impactos pelos custos de separação do negócio de aviação comercial, no âmbito da operação com a Boeing, no total de R$ 138,1 milhões. Esse gasto, somado às demais despesas operacionais, levaram ao resultado operacional negativo no trimestre.

Outro ponto de preocupação foi o uso de caixa por parte da Embraer entre julho e setembro deste ano, que chegou a R$ 984,4 milhões — um crescimento de 50,1% em relação ao visto no mesmo período de 2018, de R$ 655,5 milhões.

Mais decolagens

Do ponto de vista operacional, a Embraer já havia divulgado a entrega de 17 aeronaves comerciais e 27 executivas no trimestre. Assim, no acumulado do ano, a empresa brasileira já passou às mãos dos clientes 54 jatos comerciais e 55 executivos.

Considerando os resultados obtidos nos primeiros nove meses do ano, a Embraer manteve suas projeções de entregas de aeronaves em 2019: entre 85 e 95 jatos comerciais e entre 90 e 110 executivos.

Além disso, a Embraer divulgou nesta manhã que a companhia aérea holandesa KLM realizou um pedido firme de 21 aeronaves E195-E2, com direito de compra de mais 14 unidades — as entregas começarão no primeiro trimestre de 2021.

Esses dados, no entanto, não amenizam a preocupação do mercado em relação ao desempenho dos segmentos da Embraer no trimestre. Dos R$ 4,692 bilhões de receita líquida, R$ 1,62 bilhão foram obtidos com a divisão de aviação comercial, o que representa 34,5% do total.

Assim, o setor de aviação comercial até mostrou alguma evolução em relação ao terceiro trimestre do ano passado, quanto a receita da divisão somou R$ 1,52 bilhão. No entanto, há uma forte tendência de contração ante o segundo trimestre de 2018, quando esse segmento gerou R$ 2,47 bilhões — ou 45,7% da receita total daquele trimestre.

A aviação executiva ocupou boa parte do terreno perdido pela comercial: entre julho e setembro, a divisão obteve R$ 1,477 bilhão de receita, ou 31,5% do total — no trimestre anterior, esse setor gerou R$ 1,161 bilhão, o que equivale a 21,5% da receita total.

Defesa e Segurança, por sua vez, perdeu espaço: no terceiro trimestre deste ano, respondeu por 13,6% da receita total da Embraer, ou R$ 638 milhões, ante 14,2% da receita no segundo trimestre, ou R$ 766,8 milhões. O setor de serviços ficou com R$ 947,5 milhões (20,2%), ante R$ 1 bilhão nos três meses anteriores (18,5%).

Analistas descontentes

Em relatório, os analistas Vitor Mizusaki, Gabriel Rezende e Paula Athanassakis, do Bradesco BBI, disseram que os resultados da Embraer foram piores que o esperado, com maiores descontos nas vendas de aeronaves e custos mais elevados referentes à separação do segmento de aviação comercial.

A instituição possui recomendação de compra para os recibos de ações (ADRs) da Embraer, mas cortou o preço-alvo dos papéis ao fim de 2020 para US$ 30,00 — na bolsa dos EUA, os ativos operam em forte baixa de 6,08% nesta manhã, a US$ 16,07.

Também em relatório, os analistas Renato Mimica e Lucas Marquiori, do BTG Pactual, também classificaram os números como abaixo das expectativas. "Os ativos da empresa devem continuar a ser direcionados pelos desenvolvimentos relacionados à operação com a Boeing, mas esperamos que os resultados fracos e a revisão nos dividendos pesem sobre os papéis no curto prazo".

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

FECHAMENTO

Aprovação da PEC emergencial garante recuperação do Ibovespa enquanto NY amarga perdas

A fala de Powell fez o Ibovespa reduzir os ganhos, mas ainda assim o principal índice da bolsa avançou 1,35%; dólar teve queda de 0,11%, a R$ 5,6582

Petróleo

Evitar volatilidade nos preços serve a consumidores e produtores, afirma ministro árabe na Opep+

Quanto aos elementos que vêm sendo observados na demanda para as decisões do grupo, o saudita apontou o retorno da mobilidade como uma prioridade.

Retirada histórica

Saques líquidos da poupança somam R$ 5,832 bi em fevereiro, revela BC

Este é o maior volume de retiradas para meses de fevereiro desde 2016, quando as saídas somaram R$ 6,638 bilhões.

Justificativa?

Carga tributária é ‘enorme e escorchante’ e Guedes busca solução, diz Bolsonaro

Bolsonaro disse também que “herdou um país com uma dívida enorme”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies