Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-04-03T18:54:47-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Dividir para conquistar

3 de abril de 2019
18:53 - atualizado às 18:54
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Como quase todas as crianças da mesma idade, meu filho de 11 anos passa horas ligado no YouTube. É difícil controlá-lo, até porque na maior parte do tempo (ou pelo menos quando estou por perto) ele assiste a vídeos que podem ser considerados educativos.

O Deco agora se mostra particularmente interessado na formação dos grandes impérios, em vídeos que em nada lembram as aulas de história na escola. Um dos favoritos dele é o que traz a história de Napoleão e a famosa fuga da ilha de Elba até a volta triunfal à França, antes da derrota definitiva em Waterloo.

No mundo corporativo, é comum que as empresas se valham da estratégia dos conquistadores históricos como Napoleão: dividir para conquistar. Esse tipo de prática é ainda mais comum com um inimigo combalido.

É o caso da Avianca. A empresa aérea que entrou em recuperação judicial em dezembro é dona de um dos ativos mais valiosos do setor: slots (horários para pouso ou decolagem) nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dummont.

De olho nesse filé, mas sem interesse na “parte ruim” da companhia, a Azul lançou no mês passado uma oferta de US$ 105 milhões pelos ativos da Avianca. A proposta previa a criação de uma unidade separada com os negócios que interessam à companhia.

Digo “previa” porque hoje surgiu uma notícia que deve colocar por terra os planos da Azul, sem trocadilho. O fundo Elliot, um dos principais credores da Avianca, decidiu aumentar a competição (e o preço) com uma proposta que prevê a divisão dos ativos da empresa aérea em sete.

Esse novo formato atraiu tanto a Gol como a Latam, que já se comprometeram a dar seus lances pelos pedaços da Avianca. Quem conta toda essa história de divisão e conquista nos céus e aeroportos brasileiros é a Marina Gazzoni.

Guedes vai à Câmara…

Depois do “bolo” da semana passada, Paulo Guedes visitou a CCJ da Câmara para articular a aprovação da reforma da Previdência - inclusive estava por lá na hora em que eu escrevia a newsletter de hoje. Desde o começo, o debate foi intenso e acalorado, sobretudo com os deputados do PT. O ministro da Economia chegou a cair na onda da oposição e deu algumas alfinetadas em suas falas. O Edu Campos está lá na sala da CCJ em Brasília e traz para você os detalhes dessa importante discussão para o futuro da proposta do governo.

...e o mercado azeda

O posto Ipiranga até falou bem na CCJ, seguiu o script e não deixou passar nenhum ponto na defesa da reforma. Mas os ataques da oposição, que dominou quase todas as falas nas quatro horas de audiência, disparou o alerta na bolsa. O tom pouco amigável na Câmara fez o Ibovespa virar e fechar em queda de 0,94%. O Victor Aguiar foi investigar esse movimento e conta todos os detalhes na cobertura de mercados.

Pronta para explodir

Uma semana depois da Câmara aprovar a PEC que engessa ainda mais o Orçamento federal, o Senado já está com tudo armado para passar a pauta. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou uma nova versão do texto, considerado uma pauta-bomba para o governo, e os senadores podem aprová-lo ainda hoje. Os detalhes do que mudou e como fica o Orçamento você confere nesta matéria.

Dia 93 de Bolsonaro - Jogo pesado

O presidente Jair Bolsonaro passou o dia em trânsito, retornando de Israel, mas antes de sua partida disse que a ideia é “jogar pesado” na reforma da Previdência e lembrou que na quinta-feira, já recebe parlamentares.

Jogo pesado, mesmo, enfrenta Paulo Guedes, que está na... (leia mais)

A promoção do Homem-Aranha

Depois de colocar a unidade brasileira do Santander entre os bancos rentáveis do país, Sérgio Rial foi promovido. O executivo brasileiro vai chefiar o banco na América do Sul, que inclui as unidades no Chile, na Argentina e no Uruguai. Só que houve promoção de trabalho também, já que ele manterá o comando do banco no Brasil. E como os grandes poderes geralmente vêm acompanhados de grandes responsabilidades, a matriz espanhola definiu metas ambiciosas para o Santander por aqui, como eu te mostro nesta matéria.

Débito ou crédito?

É crédito, e na conta dos fundadores da empresa de maquininhas de cartão Stone. André Street e Eduardo Pontes venderam parte de suas ações em uma oferta que movimentou pelo menos US$ 790 milhões (R$ 3 bilhões) na bolsa americana Nasdaq. Mas eles manterão o controle da companhia que lançou suas ações em outubro passado. Saiba mais sobre a nova oferta da Stone.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

EM ALTA

Com petróleo em alta, Credit Suisse reitera recomendação de compra da Petrobras

Banco eleva preço-alvo de ADRs após revisar para cima projeção para Ebitda da indústria do petróleo em 2021 e 2022

Exile on Wall Street

Private equity para pessoas físicas

Há uma frase de que gosto muito no livro “Princípios do Estrategista”: as ideias do Taleb são tão boas que se dessem dinheiro seria sacanagem.

Panorama das fintechs

Goldman Sachs recomenda compra de ação da Stone, XP e PagSeguro e venda de Banco Inter

Embora o Inter seja o grande destaque de crescimento de clientes, os analistas do banco norte-americano apontam a ação da da Stone como a favorita entre as fintechs

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados hoje

Ibovespa segue NY e abre o dia em alta, escorado no otimismo com vacinas e Biden

O início da vacinação no Brasil segue entusiasmando, mas uma série de incertezas limitam o alcance desse otimismo. No exterior, a proximidade da posse de Joe Biden faz os olhos se voltam para Washington

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies