Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-03T18:54:47-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Dividir para conquistar

3 de abril de 2019
18:53 - atualizado às 18:54
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Como quase todas as crianças da mesma idade, meu filho de 11 anos passa horas ligado no YouTube. É difícil controlá-lo, até porque na maior parte do tempo (ou pelo menos quando estou por perto) ele assiste a vídeos que podem ser considerados educativos.

O Deco agora se mostra particularmente interessado na formação dos grandes impérios, em vídeos que em nada lembram as aulas de história na escola. Um dos favoritos dele é o que traz a história de Napoleão e a famosa fuga da ilha de Elba até a volta triunfal à França, antes da derrota definitiva em Waterloo.

No mundo corporativo, é comum que as empresas se valham da estratégia dos conquistadores históricos como Napoleão: dividir para conquistar. Esse tipo de prática é ainda mais comum com um inimigo combalido.

É o caso da Avianca. A empresa aérea que entrou em recuperação judicial em dezembro é dona de um dos ativos mais valiosos do setor: slots (horários para pouso ou decolagem) nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Santos Dummont.

De olho nesse filé, mas sem interesse na “parte ruim” da companhia, a Azul lançou no mês passado uma oferta de US$ 105 milhões pelos ativos da Avianca. A proposta previa a criação de uma unidade separada com os negócios que interessam à companhia.

Digo “previa” porque hoje surgiu uma notícia que deve colocar por terra os planos da Azul, sem trocadilho. O fundo Elliot, um dos principais credores da Avianca, decidiu aumentar a competição (e o preço) com uma proposta que prevê a divisão dos ativos da empresa aérea em sete.

Esse novo formato atraiu tanto a Gol como a Latam, que já se comprometeram a dar seus lances pelos pedaços da Avianca. Quem conta toda essa história de divisão e conquista nos céus e aeroportos brasileiros é a Marina Gazzoni.

Guedes vai à Câmara…

Depois do “bolo” da semana passada, Paulo Guedes visitou a CCJ da Câmara para articular a aprovação da reforma da Previdência - inclusive estava por lá na hora em que eu escrevia a newsletter de hoje. Desde o começo, o debate foi intenso e acalorado, sobretudo com os deputados do PT. O ministro da Economia chegou a cair na onda da oposição e deu algumas alfinetadas em suas falas. O Edu Campos está lá na sala da CCJ em Brasília e traz para você os detalhes dessa importante discussão para o futuro da proposta do governo.

...e o mercado azeda

O posto Ipiranga até falou bem na CCJ, seguiu o script e não deixou passar nenhum ponto na defesa da reforma. Mas os ataques da oposição, que dominou quase todas as falas nas quatro horas de audiência, disparou o alerta na bolsa. O tom pouco amigável na Câmara fez o Ibovespa virar e fechar em queda de 0,94%. O Victor Aguiar foi investigar esse movimento e conta todos os detalhes na cobertura de mercados.

Pronta para explodir

Uma semana depois da Câmara aprovar a PEC que engessa ainda mais o Orçamento federal, o Senado já está com tudo armado para passar a pauta. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou uma nova versão do texto, considerado uma pauta-bomba para o governo, e os senadores podem aprová-lo ainda hoje. Os detalhes do que mudou e como fica o Orçamento você confere nesta matéria.

Dia 93 de Bolsonaro - Jogo pesado

O presidente Jair Bolsonaro passou o dia em trânsito, retornando de Israel, mas antes de sua partida disse que a ideia é “jogar pesado” na reforma da Previdência e lembrou que na quinta-feira, já recebe parlamentares.

Jogo pesado, mesmo, enfrenta Paulo Guedes, que está na... (leia mais)

A promoção do Homem-Aranha

Depois de colocar a unidade brasileira do Santander entre os bancos rentáveis do país, Sérgio Rial foi promovido. O executivo brasileiro vai chefiar o banco na América do Sul, que inclui as unidades no Chile, na Argentina e no Uruguai. Só que houve promoção de trabalho também, já que ele manterá o comando do banco no Brasil. E como os grandes poderes geralmente vêm acompanhados de grandes responsabilidades, a matriz espanhola definiu metas ambiciosas para o Santander por aqui, como eu te mostro nesta matéria.

Débito ou crédito?

É crédito, e na conta dos fundadores da empresa de maquininhas de cartão Stone. André Street e Eduardo Pontes venderam parte de suas ações em uma oferta que movimentou pelo menos US$ 790 milhões (R$ 3 bilhões) na bolsa americana Nasdaq. Mas eles manterão o controle da companhia que lançou suas ações em outubro passado. Saiba mais sobre a nova oferta da Stone.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Nada de penny stock

Na Saraiva (SLED3 e SLED4), uma medida para aliviar a pressão da CVM — mas que não tira a corda do pescoço

A Saraiva (SLED3 e SLED4) quer fazer um grupamento de ações na proporção de 35 para 1, saindo da casa dos centavos — mas perdendo liquidez

Seu Dinheiro no sábado

O que esperar para os seus investimentos até 2024?

Como parte das comemorações de três anos do Seu Dinheiro, montamos um conteúdo especial para discutir o cenário de investimentos até 2024

PAPO CRIPTO #004

Bitcoin (BTC) pode chegar aos US$ 100 mil ainda este ano, tudo depende dos EUA, afirma André Franco ao Papo Cripto

As gamecoins como o Axie Infinity devem movimentar ainda mais o mercado até o final do ano

ATENÇÃO, ACIONISTA

Hapvida (HAPV3) vai recomprar até 100 milhões de ações; papéis acumulam queda de 17% no ano

A operadora de saúde anunciou hoje que dará início a um programa de recompra de papéis com duração de até 18 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies