Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-06-10T18:38:21-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

De caçador a caça

10 de junho de 2019
18:38
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Do grampo telefônico ao aplicativo Telegram, a democracia brasileira parece fadada a conviver com o vazamento ilegal de conversas privadas - e na maioria das vezes pouco republicanas - de autoridades.

Quem não se lembra dos grampos do BNDES, que derrubaram uma penca de tucanos no fim do primeiro mandato do governo FHC? Ou da filmagem do pagamento de propina nos Correios que levou à denúncia do Mensalão?

Ontem à noite, a divulgação das mensagens trocadas por Sergio Moro e Deltan Dallagnol sobre a condução da operação Lava-Jato se proliferou na velocidade incontrolável da internet.

Deixo para você concluir sobre a gravidade do conteúdo revelado nas mensagens trocadas pelo então juiz com o procurador da Lava-Jato.

Seja qual for o seu veredicto, é sempre bom dizer que o vazamento de informações para a imprensa fez parte da estratégia adotada pela maior operação de combate à corrupção da história do país. Então vale aquela máxima: um dia da caça, outro do caçador.

Do nosso lado aqui no Seu Dinheiro, acompanhamos o caso desde o início porque os desdobramentos podem interferir diretamente nas suas aplicações.

Um eventual enfraquecimento do governo que leve, por exemplo, a um adiamento na tramitação da reforma da Previdência pode interferir nas cotações das ações na bolsa e no dólar.

Como esse é um caso tipicamente político e o governo Bolsonaro não tem se revelado muito habilidoso nessa seara, o risco de que o vazamento descambe para uma nova crise não é desprezível.

Não por acaso, a bolsa se manteve em queda durante quase todo o dia e o dólar subiu. A reação dos investidores na B3, contudo, foi bem menos dramática do que a das redes sociais. Saiba por que o mercado manteve o sangue frio ao longo desse dia tenso na cobertura do Victor Aguiar.

A reforma vai subir no telhado?

A pergunta de 1 milhão, quer dizer, 1 trilhão de reais: será que a agenda econômica do governo, incluindo a reforma da Previdência, vai mais uma vez ser prejudicada pelo vazamento das conversas envolvendo Moro e os procuradores da Lava-Jato? Na avaliação do cientista político Cristiano Noronha, não. Mas isso não significa que a pauta do governo no Congresso vai escapar ilesa da crise. Confira a entrevista que o Eduardo Campos fez com o vice-presidente da Arko Advice.

Caiu na rede é Moro

Revivendo um dos clássicos gritos de torcida no futebol brasileiro, foi a vez de Sergio Moro cair na rede. Não na tradicional dos pescadores, mas na social. O ministro dominou o Twitter nesta segunda-feira e passou o dia todo entre os assuntos mais comentados na plataforma. Acompanhamos o que a galera andou tuitando e fizemos um balanço de como a população (pelo menos a internauta) recebeu as informações sobre as conversas vazadas no domingo.

Venda bancos e compre...

Os lucros bilionários dos grandes bancos brasileiros não são suficientes para os analistas do Goldman Sachs recomendarem a compra das ações. Pelo contrário, eles estão pessimistas quanto ao desempenho de Itaú Unibanco e Bradesco em um cenário de economia fraca e juros baixos e recomendam a venda dos papéis. Nesse jogo de vende e compra no mercado, quem deve sair vitoriosa é outra empresa, que os analistas do banco americano indicam para a sua carteira. Já conseguiu descobrir qual é? Então eu te conto nesta matéria.

Vende-se Petrobras

Você sabia que a Caixa Econômica Federal é acionista da Petrobras? O banco público se tornou acionista da petroleira no meio de uma das muitas manobras fiscais do governo Dilma Rousseff. Essa participação agora será vendida em uma oferta pública de ações na B3. A estimativa é de as 241 milhões de ações que pertencem ao banco público valham R$ 7,2 bilhões. Confira os detalhes dessa venda de ações.

Tabelinha com o Leão

Ah, a restituição do Imposto de Renda! Essa sem dúvida é a melhor parte de todo o processo de declaração, afinal quem não quer ver cair na conta aquela graninha extra? Seja para gastar ou investir (opção que eu mais recomendo, é claro), muita gente tem dinheiro a receber da Receita e fica de olho nas datas de pagamento. Hoje, por exemplo, foi o dia de conferir o 1º lote da restituição, e para saber se o seu nome está lá basta acessar esta matéria.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies