Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-05T19:17:53-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Seu Dinheiro na sua noite

Coisas para fazer quando você é presidente do BC

5 de setembro de 2019
19:17
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Toda vez que ouço alguém repetir que no Brasil a taxa de câmbio é flutuante, me lembro da famosa cantada usada por Andy Garcia no filme Coisas Para Fazer em Denver Quando Você Está Morto:

“A maioria das garotas só anda. Você flutua”, ele diz à personagem vivida pela atriz Gabrielle Anwar.

No último mês, a flutuação do real em relação ao dólar rendeu mais sustos do que suspiros. Nas máximas, a moeda norte-americana chegou a flertar com o patamar de R$ 4,20, quando o Banco Central decidiu intervir no mercado com uma venda surpresa de dólares.

A alta recente traz preocupações não apenas para quem fez ou pretende fazer viagens ao exterior (como eu). O maior receio é que esse movimento contamine a inflação, já que uma série de produtos tem custos atrelados ao câmbio.

Quando você é presidente do BC, algumas ferramentas podem ou não estar a sua disposição para conter os impactos do câmbio na inflação. A principal delas é a taxa de juros.

Em 1999, quando o real experimentou sua primeira desvalorização, o BC então comandado por Arminio Fraga chegou a elevar a Selic para 45%(!) ao ano.

O movimento recente do dólar nem de longe lembra o de duas décadas atrás. Mesmo assim, despertou o risco de que o atual ciclo de queda dos juros no país seja menor e menos duradouro.

Mas o que pensa o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto? Ele esteve hoje em um evento em Brasília e falou sobre o assunto. Quem traduz para você os sinais que ele deu sobre o futuro da taxa de juros nas próximas reuniões do Copom é o Eduardo Campos.

A peça que faltava

Em muitos países ela é considerada uma arte, mas para o mercado hoje a negociação esteve mais para combustível. A China e os Estados Unidos baixaram um pouco a guarda e anunciaram uma nova rodada de negociações para pôr fim à guerra comercial. Se a bolsa fosse um jogo de Tetris (quem se lembra?), a novidade de hoje seria aquela peça que surge do nada e se encaixa perfeitamente. O Victor Aguiar traz os detalhes do pregão que recolocou o Ibovespa acima dos 102 mil pontos.

O essencial para investir

Muita gente gosta de se aventurar pelo mercado e assumir grandes riscos em troca da perspectiva de retornos polpudos para a carteira. O mundo das criptomoedas é um típico exemplo de aventura, mas se você não souber trilhar os caminhos certos provavelmente vai perder dinheiro. O Fausto Botelho conta no vídeo de hoje algumas dicas para garimpar boas oportunidades e fugir das ciladas do mercado.

E por falar em risco…

Quem está disposto a se expor mais é o badalado fundo Verde, de Luis Stuhlberger. Na sua carta mensal, a gestora informa que aumentou a aposta em ações brasileiras. Ou seja, o fundo aproveitou a queda em agosto para entrar um pouco mais na bolsa. As questões que mexeram no mercado, como o agravamento da guerra comercial e o resultado nas prévias das eleições na Argentina, seguem no radar do Verde. Mas os gestores acreditam que a perspectiva de melhora da economia brasileira ainda não está devidamente refletida no preço das ações. Saiba mais sobre a estratégia do fundo.

Recuo do bem

Dentre todos os recuos que Jair Bolsonaro já teve que dar desde que assumiu a Presidência, o de hoje sem dúvida foi o que mais trouxe alívio para a economia. O capitão parece que resolveu ouvir os conselhos de Paulo Guedes e abandonou a perigosa ideia de mexer no teto de gastos. Como já comentei com você, a pauta tinha um grande poder explosivo, mas parece que a força tática do ministro da Economia conseguiu desativá-la a tempo.

“My home my life”

A MRV Engenharia quer viver o sonho americano, mas o mercado não gostou. Os papéis da construtora líder no programa Minha Casa Minha Vida despencaram mais de 6% ontem depois que a empresa anunciou um investimento de até US$ 255 milhões (R$ 1 bilhão) nos EUA. Além da incerteza sobre o negócio, o fato de a empresa americana que receberá o aporte ser dos principais acionistas da MRV não pegou bem. Nesta matéria eu conto para você os detalhes do negócio e a recomendação dos analistas que cobrem as ações da empresa.

De casa nova

Um conhecido veterano de guerra do setor financeiro (herói para muitos) está de casa nova. Ainda neste mês, o ex-presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, assume a cadeira de presidente do conselho do Credit Suisse no Brasil. O banco viu no currículo do economista, que já atuou como consultor do FMI e das Nações Unidas, as atribuições para contribuir na análise de oportunidades de investimento e desenvolvimento de novos produtos. Mas há outros planos da instituição suíça.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração de Fernando Pivetti

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies