Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-02T10:13:34-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Será hoje?

Se não tiver acordo, parecer da reforma da Previdência pode ir à votação sem Estados e municípios

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tenta fechar acordo com governadores e sessão da comissão especial deve acontecer só no fim do dia

2 de julho de 2019
10:13
Samuel Moreira, relator da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara
Samuel Moreira, relator da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara - Imagem: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Os relatórios de bancos e corretoras e colocam a terça-feira como dia decisivo na Câmara dos Deputados para o andamento da reforma da Previdência. As negociações seguem em torno da inclusão ou não de Estados e municípios e há atrito dentro do próprio PSL sobre regras mais frouxas de aposentadorias para atender policiais.

Por ora, o que se pretende é que o processo de votação do texto do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) comece ainda hoje na Comissão Especial.

Se o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não lograr acordo com governadores, o texto vai à votação sem os entes federados, que poderiam ser reincluídos no plenário da Câmara. Se a reforma não atingir Estados e municípios podemos considerar uma "derrota de todos", pois quando eles "quebram" a conta é dividida por todos, já que o Tesouro tem de prover ajuda.

O presidente da Comissão, deputado Marcelo Ramos (PR-AM) ainda não convocou sessão para hoje, mas a previsão é de que o colegiado se reúna apenas no fim da tarde. Antes de ir à votação de fato, os deputados precisam apreciar os requerimentos feitos para retirar a matéria de pauta.

A corrida contra o tempo, pois se pretende levar a matéria a plenário antes do recesso, também encontra obstáculos dentro do próprio PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro.

Deputados do partido querem a inclusão de regras diferenciadas de aposentadoria para servidores da segurança pública, como policiais legislativos, Policiais Federais e outros.

Assim, abre-se duas frentes de negociação. Uma incontornável, com a própria oposição que deve obstruir os trabalhos, e outra com o que seria ou deveria ser a base de apoio do governo.

No mercado há ao menos duas posições sobre o tema. Temos aqueles que acreditam que mais algumas semanas de atraso não geram problema. O que importa é a direção e ela é pela aprovação da reforma.

Outro grupo se mostra um pouco mais reticente, temendo que o tema “esfrie” depois do recesso parlamentar que começa no meio do mês, e que o governo tenha de fazer mais concessões em termos de esforço fiscal para aprovar o texto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

GETT11 chega à bolsa com o pé direito, novo auxílio emergencial no horizonte e outros destaques do dia

Com as duas maiores economias do mundo frustrando as expectativas dos investidores e o futuro das contas públicas em um limbo, o Ibovespa não teve muito fôlego para escapar do vermelho e encerrou o dia em queda de 0,19%, aos 114.428 pontos. O Produto Interno Bruto (PIB) chinês, que cresceu 4,9% no terceiro trimestre, veio […]

Arrumando a mala

Locaweb (LWSA3) vai deixar a B3? Empresa estuda listagem nos Estados Unidos, afirma portal

Avaliada em R$ 13,5 bilhões, a empresa estreou na B3 em fevereiro do ano passado, mas pode estar prestes a abrir capital em outro país

FECHAMENTO DO DIA

Getnet (GETT11) e Lojas Americanas (LAME4) sobem forte, mas Ibovespa derrapa e dólar avança 1%

Dados econômicos na China e nos EUA decepcionaram os mercados, indicando desaceleração nas duas principais economias do mundo

Três vezes sem juros

CPFL Energia (CPFE3) parcela pagamento de R$ 1,7 bilhão em dividendos; primeira fatia cai na conta dos acionista ainda neste mês

O pagamento das primeiras duas prestações está marcado para os dias 22 de outubro e 16 de novembro, enquanto a terceira e última fatia cairá na conta dos acionistas até 31 de dezembro

MagaLu fora das urnas

Luiza Trajano confirma que não disputará as eleições, mas reforça que é uma ‘pessoa política’; entenda o posicionamento da empresária

A presidente do conselho de administração do MagaLu pretende assumir uma posição política apartidária ‘para defender causas que sejam boas para o Brasil’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies