Menu
2019-04-04T19:08:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Agenda tá cheia

Por reforma da Previdência, Bolsonaro se reúne com presidentes partidários, incluindo Romero Jucá

Presidente do MDB foi um dos responsáveis pela reforma do governo Temer; reunião faz parte de uma série de encontros com dirigentes partidários prevista para hoje

4 de abril de 2019
10:37 - atualizado às 19:08
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Em busca de uma base de apoio no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro tem programado, em agenda pública, um encontro com o presidente do MDB, Romero Juca.

A reunião faz parte de uma série de conversas com dirigentes partidários programadas para hoje, 4.

O diálogo com as siglas vem num momento em que a proposta da reforma da Previdência começa a ser discutida para valer. Ontem, 3, o ministro da economia Paulo Guedes participou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) de uma intensa sabatina sobre o assunto.

Bolsonaro tentou inicialmente não participar da articulação política, criticando o que chama de "velha política".

Maratona de encontros

O presidente do PRB e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcos Pereira, teve o primeiro encontro com Bolsonaro hoje. Mais cedo, o deputado federal disse, entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que presidente precisa "descer do palanque" e se colocar no seu papel de chefe do executivo.

Na saída da reunião, Pereira disse que a conversa com o presidente não levará seu partido a fechar questão a favor da reforma da Previdência no Congresso. A legenda tem 31 deputados na Câmara.

Perguntado se a reunião com Bolsonaro fará o partido apoiar a proposta, ele respondeu: "De jeito nenhum". "Isso nem foi discutido na bancada ainda", observou.

Bolsonaro também se reuniu com Gilberto Kassab (PSD) e parlamentares do mesmo partido. Kassab disse que manterá independência em relação ao governo e não fechará a questão  sobre a reforma da Previdência, apesar de apoiá-la.

Ele disse que as reformas, incluindo a tributária, são compatíveis com o programa do partido. Questionado se Bolsonaro convidou o partido para integrar a base aliada, Kassab negou.

"Não... O partido tem uma posição muito clara em relação a sua independência em relação ao governo, portanto essa posição continuará. Independência significa total condição de apoiar projetos que estão sintonizados com o que prega o nosso programa."

Do PSDB, Bolsonaro ainda recebeu Geraldo Alckmin e, em seguida, Ciro Nogueira, do PP.  O ex-governador de São Paulo afirmou que os tucanos apoiam a reforma da Previdência de Guedes, mas com restrições. Alckmin destacou como prioridade na reforma apenas as questões da idade mínima e do tempo de contribuição.

O partido é contra outros pontos, segundo ele, como mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), que é pago para idosos e deficientes de baixa renda, e alterações propostas na aposentadoria rural. "Não aprovaremos nenhum benefício menor do que um salário mínimo", destacou.

Ao meio dia, o presidente do DEM, ACM Neto, acompanhado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, almoçaram com o presidente. O Democratas tem três ministros na Esplanada, mas, formalmente, não faz parte da base do governo no Congresso Nacional.

Na saída do encontro, ACM Neto admitiu que o partido pode fechar questão em torno da reforma, mas quer esperar o término da tramitação nas comissões para verificar o teor da proposta que irá ao plenário da Câmara. Ele também não descartou integrar formalmente a base do governo em algum momento, mas sem especificar quando isso ocorreria.

Por último, Bolsonaro recebeu o presidente do MDB, Romero Juca, que foi líder do governo Temer no Senado Federal e um dos principais articuladores da reforma da Previdência do MDBista.

Após o encontro, Jucá admitiu que é preciso construir uma "nova modelagem na relação política", pois a antiga foi "vencida pelas urnas".

Vale lembrar que o presidente do MDB não conseguiu se reeleger como senador na última eleição, após três mandatos consecutivos. Ele também deixou claro que o partido não quer fazer parte da base aliada do governo e não garantiu apoio irrestrito à reforma da Previdência.

Jucá também declarou que "não se faz política sem diálogo" e o MDB estará disposto a conversar com o governo. "Com diálogo, tem menos chance de errar. E sei que o governo quer acertar."

Na próxima semana, a série de reuniões deve continuar. O presidente receberá dirigentes do PSL, PR, PROS, Podemos e Solidariedade. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, responsável pela articulação, acompanha os encontros.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Receita de volatilidade

Dólar tem forte alta com depoimento do presidente do Fed; volatilidade limita o Ibovespa

Moeda norte-americana registrou alta acentuada no início de uma série de depoimentos de Jerome Powell perante o Congresso dos EUA

recuperação econômica

Só teremos um ano cheio no turismo novamente em 2023, diz presidente da CVC

O presidente da CVC, Leonel Andrade, disse nesta terça-feira, 22, que o setor de turismo só deve voltar ao movimento pré-pandemia em 2023

discurso do presidente

Na ONU, Bolsonaro diz que incêndios são usados em campanha internacional

Ele afirmou que o apoio de instituições internacionais a esta suposta campanha é explicado pela riqueza dos biomas brasileiros

fatia de 37,5%

Data para follow on da BR Distribuidora ainda não foi definida, diz Petrobras

Venda das ações foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras em 26 de agosto. Efetivação depende de diversos fatores, inclusive as condições de mercado

reajuste

Petrobras aumenta preço da gasolina em 4%

Os preços do óleo diesel para consumo automotivo e marítimo foram mantidos. O reajuste passa a valer amanhã

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements