Menu
2019-04-04T19:08:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Agenda tá cheia

Por reforma da Previdência, Bolsonaro se reúne com presidentes partidários, incluindo Romero Jucá

Presidente do MDB foi um dos responsáveis pela reforma do governo Temer; reunião faz parte de uma série de encontros com dirigentes partidários prevista para hoje

4 de abril de 2019
10:37 - atualizado às 19:08
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Em busca de uma base de apoio no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro tem programado, em agenda pública, um encontro com o presidente do MDB, Romero Juca.

A reunião faz parte de uma série de conversas com dirigentes partidários programadas para hoje, 4.

O diálogo com as siglas vem num momento em que a proposta da reforma da Previdência começa a ser discutida para valer. Ontem, 3, o ministro da economia Paulo Guedes participou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) de uma intensa sabatina sobre o assunto.

Bolsonaro tentou inicialmente não participar da articulação política, criticando o que chama de "velha política".

Maratona de encontros

O presidente do PRB e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcos Pereira, teve o primeiro encontro com Bolsonaro hoje. Mais cedo, o deputado federal disse, entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que presidente precisa "descer do palanque" e se colocar no seu papel de chefe do executivo.

Na saída da reunião, Pereira disse que a conversa com o presidente não levará seu partido a fechar questão a favor da reforma da Previdência no Congresso. A legenda tem 31 deputados na Câmara.

Perguntado se a reunião com Bolsonaro fará o partido apoiar a proposta, ele respondeu: "De jeito nenhum". "Isso nem foi discutido na bancada ainda", observou.

Bolsonaro também se reuniu com Gilberto Kassab (PSD) e parlamentares do mesmo partido. Kassab disse que manterá independência em relação ao governo e não fechará a questão  sobre a reforma da Previdência, apesar de apoiá-la.

Ele disse que as reformas, incluindo a tributária, são compatíveis com o programa do partido. Questionado se Bolsonaro convidou o partido para integrar a base aliada, Kassab negou.

"Não... O partido tem uma posição muito clara em relação a sua independência em relação ao governo, portanto essa posição continuará. Independência significa total condição de apoiar projetos que estão sintonizados com o que prega o nosso programa."

Do PSDB, Bolsonaro ainda recebeu Geraldo Alckmin e, em seguida, Ciro Nogueira, do PP.  O ex-governador de São Paulo afirmou que os tucanos apoiam a reforma da Previdência de Guedes, mas com restrições. Alckmin destacou como prioridade na reforma apenas as questões da idade mínima e do tempo de contribuição.

O partido é contra outros pontos, segundo ele, como mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), que é pago para idosos e deficientes de baixa renda, e alterações propostas na aposentadoria rural. "Não aprovaremos nenhum benefício menor do que um salário mínimo", destacou.

Ao meio dia, o presidente do DEM, ACM Neto, acompanhado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, almoçaram com o presidente. O Democratas tem três ministros na Esplanada, mas, formalmente, não faz parte da base do governo no Congresso Nacional.

Na saída do encontro, ACM Neto admitiu que o partido pode fechar questão em torno da reforma, mas quer esperar o término da tramitação nas comissões para verificar o teor da proposta que irá ao plenário da Câmara. Ele também não descartou integrar formalmente a base do governo em algum momento, mas sem especificar quando isso ocorreria.

Por último, Bolsonaro recebeu o presidente do MDB, Romero Juca, que foi líder do governo Temer no Senado Federal e um dos principais articuladores da reforma da Previdência do MDBista.

Após o encontro, Jucá admitiu que é preciso construir uma "nova modelagem na relação política", pois a antiga foi "vencida pelas urnas".

Vale lembrar que o presidente do MDB não conseguiu se reeleger como senador na última eleição, após três mandatos consecutivos. Ele também deixou claro que o partido não quer fazer parte da base aliada do governo e não garantiu apoio irrestrito à reforma da Previdência.

Jucá também declarou que "não se faz política sem diálogo" e o MDB estará disposto a conversar com o governo. "Com diálogo, tem menos chance de errar. E sei que o governo quer acertar."

Na próxima semana, a série de reuniões deve continuar. O presidente receberá dirigentes do PSL, PR, PROS, Podemos e Solidariedade. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, responsável pela articulação, acompanha os encontros.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O cliente voltou

EUA retomam importação de carne in natura do Brasil

Até o momento, os americanos vinham comprando apenas carne enlatada do Brasil

Mudou de vez

Grupo Pão de Açúcar conclui migração para o Novo Mercado da B3 e ações PN deixarão de ser negociadas

Empresa anunciou ainda o início da negociação de ADRs na Bolsa de Valores de Nova York

Enfim, a decisão

Azul fecha acordo para a compra da TwoFlex por R$ 123 milhões

Proposta já havia sido comunicada ao mercado em 14 de janeiro deste ano, mas só agora foi definida

Seu Dinheiro na sua noite

Mamãe eu quero, mamãe eu quero dólar…

Quem me acompanha há algum tempo aqui na newsletter já deve me conhecer o suficiente para não se chocar com a revelação que vou fazer a seguir: eu não sou um grande fã de Carnaval. Mas se você curte sair nos blocos que vão invadir as ruas da cidade e fazer outras estripulias nos próximos […]

De olho no comércio

Procon vê irregularidades em fixação de preço nas lojas da Swift, da JBS

Produtos apresentavam apenas o valor do quilo, obrigando consumidor a fazer cálculos para saber quanto custa cada peça

Recorde atrás de recorde

Dólar sobe pelo quinto dia, cruza pela primeira vez os R$ 4,40 e avança mais de 2% na semana

Pressionado pela aversão ao risco no exterior e pela cautela com o cenário político doméstico, o dólar à vista atingiu novas máximas na semana e rompeu a barreira dos R$ 4,40 no momento de maior tensão. O Ibovespa também teve uma semana de maior estresse, recuando 0,61% desde segunda-feira

Enfim, consenso

Petrobras sela acordo com funcionários e põe fim à greve que durou 20 dias

Acordo foi possível após reunião de conciliação que começou na manhã desta sexta-feira

ONDE INVESTIR

Vale a pena investir em Ações Microcaps?

Max Bohm explica por que ele acredita que comprar as pequenas notáveis da bolsa é o melhor investimento do mundo.

Epidemia mundial

Coronavírus aumenta impacto sobre produção do setor eletroeletrônico, diz Abinee

57% das empresas associadas já enfrentam problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos

Texto pronto!

Bolsonaro assina proposta de reforma administrativa que enviará após o carnaval

Presidente retirou do texto analisado a proibição ao servidor público de se filiar a partido político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements