IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2019-04-04T19:08:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Agenda tá cheia

Por reforma da Previdência, Bolsonaro se reúne com presidentes partidários, incluindo Romero Jucá

Presidente do MDB foi um dos responsáveis pela reforma do governo Temer; reunião faz parte de uma série de encontros com dirigentes partidários prevista para hoje

4 de abril de 2019
10:37 - atualizado às 19:08
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Em busca de uma base de apoio no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro tem programado, em agenda pública, um encontro com o presidente do MDB, Romero Juca.

A reunião faz parte de uma série de conversas com dirigentes partidários programadas para hoje, 4.

O diálogo com as siglas vem num momento em que a proposta da reforma da Previdência começa a ser discutida para valer. Ontem, 3, o ministro da economia Paulo Guedes participou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) de uma intensa sabatina sobre o assunto.

Bolsonaro tentou inicialmente não participar da articulação política, criticando o que chama de "velha política".

Maratona de encontros

O presidente do PRB e bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcos Pereira, teve o primeiro encontro com Bolsonaro hoje. Mais cedo, o deputado federal disse, entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que presidente precisa "descer do palanque" e se colocar no seu papel de chefe do executivo.

Na saída da reunião, Pereira disse que a conversa com o presidente não levará seu partido a fechar questão a favor da reforma da Previdência no Congresso. A legenda tem 31 deputados na Câmara.

Perguntado se a reunião com Bolsonaro fará o partido apoiar a proposta, ele respondeu: "De jeito nenhum". "Isso nem foi discutido na bancada ainda", observou.

Bolsonaro também se reuniu com Gilberto Kassab (PSD) e parlamentares do mesmo partido. Kassab disse que manterá independência em relação ao governo e não fechará a questão  sobre a reforma da Previdência, apesar de apoiá-la.

Ele disse que as reformas, incluindo a tributária, são compatíveis com o programa do partido. Questionado se Bolsonaro convidou o partido para integrar a base aliada, Kassab negou.

"Não... O partido tem uma posição muito clara em relação a sua independência em relação ao governo, portanto essa posição continuará. Independência significa total condição de apoiar projetos que estão sintonizados com o que prega o nosso programa."

Do PSDB, Bolsonaro ainda recebeu Geraldo Alckmin e, em seguida, Ciro Nogueira, do PP.  O ex-governador de São Paulo afirmou que os tucanos apoiam a reforma da Previdência de Guedes, mas com restrições. Alckmin destacou como prioridade na reforma apenas as questões da idade mínima e do tempo de contribuição.

O partido é contra outros pontos, segundo ele, como mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), que é pago para idosos e deficientes de baixa renda, e alterações propostas na aposentadoria rural. "Não aprovaremos nenhum benefício menor do que um salário mínimo", destacou.

Ao meio dia, o presidente do DEM, ACM Neto, acompanhado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, almoçaram com o presidente. O Democratas tem três ministros na Esplanada, mas, formalmente, não faz parte da base do governo no Congresso Nacional.

Na saída do encontro, ACM Neto admitiu que o partido pode fechar questão em torno da reforma, mas quer esperar o término da tramitação nas comissões para verificar o teor da proposta que irá ao plenário da Câmara. Ele também não descartou integrar formalmente a base do governo em algum momento, mas sem especificar quando isso ocorreria.

Por último, Bolsonaro recebeu o presidente do MDB, Romero Juca, que foi líder do governo Temer no Senado Federal e um dos principais articuladores da reforma da Previdência do MDBista.

Após o encontro, Jucá admitiu que é preciso construir uma "nova modelagem na relação política", pois a antiga foi "vencida pelas urnas".

Vale lembrar que o presidente do MDB não conseguiu se reeleger como senador na última eleição, após três mandatos consecutivos. Ele também deixou claro que o partido não quer fazer parte da base aliada do governo e não garantiu apoio irrestrito à reforma da Previdência.

Jucá também declarou que "não se faz política sem diálogo" e o MDB estará disposto a conversar com o governo. "Com diálogo, tem menos chance de errar. E sei que o governo quer acertar."

Na próxima semana, a série de reuniões deve continuar. O presidente receberá dirigentes do PSL, PR, PROS, Podemos e Solidariedade. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, responsável pela articulação, acompanha os encontros.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

TÃO DEIXANDO A GENTE SONHAR

Efeito dobradinha Lula-Haddad? Por que o dólar voltou para baixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em quase nove meses?

2 de fevereiro de 2023 - 11:25

Diversos fatores influenciam na pressão sobre a divisa: incertezas políticas, cenário macroeconômico e juros nos Estados Unidos

MARKET MAKERS

O segredo do maior empregador do Brasil: Como atravessar à crise sem desistir do país?

2 de fevereiro de 2023 - 10:50

Num país em que as decisões políticas parecem sobrepujar as melhoras do cenário macroeconômico, a esperança se torna fundamental

AGENDA ESG

Itaú (ITUB4) capta R$ 2 bilhões em títulos sociais para investir em negócios liderados por mulheres

2 de fevereiro de 2023 - 10:33

O banco emitiu R$ 2 bilhões em letras financeiras sociais, também chamadas de social bonds, no mercado local

EXPLORANDO OPÇÕES?

Veja as primeiras explicações da Oi (OIBR3) para o pedido cautelar que pode anteceder seu retorno à recuperação judicial

2 de fevereiro de 2023 - 10:14

Oi (OIBR3) antecipa a possibilidade de um ingressar em um novo processo de recuperação judicial sem nem bem ter saído do primeiro

O MEDO NA ESQUINA

Bitcoin (BTC) se aproxima dos US$ 24 mil e sobrevive ao Fed e ao Facebook — mas as big techs ainda podem melar o rali das criptomoedas; entenda

2 de fevereiro de 2023 - 9:49

A semana dos balanços das empresas de tecnologia tem potencial de movimentar as cotações das maiores moedas digitais do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies