Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-25T17:49:46-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mau humor

Estresse com a Previdência derruba Ibovespa e leva dólar a R$ 3,93

A confirmação do atraso na votação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara trouxe forte cautela aos mercados

17 de abril de 2019
10:18 - atualizado às 17:49
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa perdeu força e voltou aos 93 mil pontos; dólar teve alta firme - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa teve mais um dia de voo turbulento. Os céus em Brasília, afinal, estão carregados.

O principal índice da bolsa brasileira chegou a dar indícios de que poderia engatar uma terceira alta seguida, mas o noticiário político apagou qualquer sinal de otimismo. Descontente com os rumos da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o mercado mudou o plano de viagem.

Logo após a abertura, o Ibovespa chegou a subir 0,75%, aos 95.041,78 pontos. Esse desempenho positivo, no entanto, não durou muito: o índice perdeu força já durante a manhã, tocando os 92.337,54 pontos no pior momento do dia (-2,12%). Ao fim do pregão, registrou baixa de 1,11%, aos 93.284,75 pontos.

O dólar à vista mostrou tendência semelhante. No início do dia, a moeda americana chegou a cair 0,41%, a R$ 3,8862, mas ganhou força em meio ao noticiário político — fechando a quarta-feira em alta de 0,85%, a R$ 3,9354.

Tempo fechado

Grande parte da piora do humor dos mercados se deve ao cenário local e às incertezas quanto à tramitação da reforma da Previdência no Congresso.

Sem um acordo entre os deputados, a sessão de hoje da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara terminou mais cedo — e sem que a admissibilidade da reforma da Previdência fosse votada. E mais: o relator da proposta no colegiado, Marcelo Freitas (PSL-MG), fará mudanças no seu parecer, que até então era integralmente favorável ao texto enviado pelo Executivo.

Agora, a votação deve ocorrer só na semana que vem — uma nova sessão da CCJ está marcada para a próxima terça-feira. Entre os itens que podem ser modificados por Freitas no parecer estão a chamada desconstitucionalização, a restrição ao pagamento do abono salarial e a escolha da Justiça Federal do Distrito Federal como instância de questionamentos da reforma.

"Além do atraso, o pessoal já começa a trabalhar com uma desidratação maior que a esperada para a reforma", diz Thiago Silêncio, da CM Capital Markets. "O mercado está mais realista e colocando a realidade política nos preços".

A agência de classificação de risco Fitch também mostrou preocupação, sinalizando inclusive que poderá fazer uma "ação negativa" na nota brasileira — seja através de uma redução do rating ou uma mudança na perspectiva da avaliação — caso o governo Bolsonaro mostre "inércia ou inabilidade ou falta de vontade" para avançar na aprovação das reformas.

Essa nebulosidade no front local afetou o mercado de câmbio. Num dia em que a moeda americana perdeu força ante a maior parte das divisas emergentes, o dólar ganhou terreno em relação ao real. "É um momento delicado para o cenário político", diz Silêncio.

As curvas de juros acompanharam o dólar e fecharam em alta: Os DIs com vencimento em janeiro de 2023 subiram de 8,25% para 8,31%, enquanto os com vencimento em janeiro de 2025 avançaram de 8,76% para 8,84%. Na ponta curta, as curvas para janeiro de 2020 foram de 7,10% para 7,12%.

"Essa dificuldade na CCJ não é por causa da oposição, é o centrão quem está criando confusão. O governo não tem base, falta liderança para articular", diz um operador que prefere não ser identificado, ressaltando ainda que o tom levemente negativo nas bolsas americanas não ajudou o Ibovespa. O Dow Jones caiu 0,01%, o S&P 500 recuou 0,24% e o Nasdaq teve perda de 0,05%.

E a Petrobras?

O noticiário envolvendo a Petrobras também continuou no centro das atenções do mercado. Por um lado, as sinalizações de que a política de preços da estatal não sofrerá com interferências do governo trouxe ânimo ao mercado — ontem, o porta-voz da Presidência da República, general Rêgo Barros, disse que o presidente Jair Bolsonaro não quer e não vai intervir na empresa.

Mas, por outro, a falta de um parecer quanto ao reajuste do diesel gerou desconforto e limitou o potencial de recuperação dos papéis. "Muita coisa foi dita para garantir que a Petrobras é independente, mas o diesel ainda não subiu. Quando subir, talvez o mercado melhore", diz o operador.

Os sinais tão aguardados pelo mercado, contudo, começaram a aparecer nos últimos minutos do pregão. A Petrobras convocou uma coletiva de imprensa para hoje, às 18h, para falar sobre o preço dos combustíveis.

A notícia de última hora deu impulso aos papéis da estatal: após passarem o dia no campo negativo, as ações ON da empresa fecharam em leve alta de 0,11%, enquanto os papéis PN tiveram ganho de 0,10%.

Minério em queda

Preocupações a respeito de um aumento na oferta de minério de ferro derrubaram os preços da commodity, em meio à autorização judicial obtida pela Vale para retomar as atividades na mina de Brucutu: na China, o minério fechou em queda de 1,64% hoje.

Esse contexto, somado à cautela local em relação ao cenário político, fez os papéis ON da Vale terminarem o pregão em queda de 1,6%, devolvendo parte dos ganhos acumulados na sessão de ontem. As siderúrgicas CSN ON (-1,73%), Gerdau PN (-0,66%) e Usiminas PNA (-1,56%) também recuaram.

Klabin em destaque

As units da Klabin foram o destaque positivo do Ibovespa, fechando o dia em alta de 3,44%. Ontem, o conselho de administração da companhia aprovou o projeto de expansão de capacidade no segmento de papéis de embalagem. Conhecido como Puma II, o plano prevê a instalação de novas máquinas na unidade da Klabin em Ortigueira (PR) com capacidade para produzir 920 mil toneladas anuais de papel Kraftliner.

Dia de estreia

Os papéis ON da Centauro começaram a ser negociados hoje na B3 — e tiveram uma sessão volátil. As ações da estreante oscilaram entre a faixa de R$ 12,07 (-3,44%) e de R$12,74 (+1,9%) ao longo do dia, fechando em queda de 1,6%, a R$ 12,30.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies