Menu
2019-04-25T17:49:54+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Após derrota do governo na CCJ

Fitch diz que Previdência pode diluir mais do que o esperado e já fala em cortar rating do Brasil

Agência de risco alertou o governo que pode optar por dois caminhos: ou reduzir o rating ou mudar a perspectiva da avaliação

17 de abril de 2019
16:15 - atualizado às 17:49
Fachada da Fitch Ratings
Fachada da Fitch Ratings - Imagem: Shutterstock

O diretor executivo da Fitch Ratings, Rafael Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 17, na abertura de evento da instituição, que os recentes eventos em Brasília e o aumento do ruído político indicam que a reforma da Previdência pode demorar mais tempo para ser aprovada e ser mais diluída que o inicialmente esperado.

Guedes disse que a oposição sozinha não tem condições de barrar as reformas do presidente Jair Bolsonaro, incluindo a da Previdência. Ao mesmo tempo, os partidos aliados ao governo também não têm condições de aprovar as medidas sozinhos.

"Bolsonaro está perdendo seu capital político, em apenas três meses", disse ele, destacando que no governo mudou o jeito de fazer política, mas mostra inexperiência ao lidar com o Congresso.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"A reforma da Previdência é necessária, mas certamente não suficiente para a estabilização da dívida brasileira", disse Guedes. O diretor da Fitch ressaltou que a forte deterioração das contas do governo e o fraco crescimento econômico levaram a cortes rápidos do rating soberano brasileiro desde 2015, quando o País perdeu a classificação grau de investimento.

Novos cortes no radar?

Em sua avaliação, o diretor executivo da Fitch soltou um alerta ao governo com relação ao rating soberano do Brasil. Segundo ele, a agência pode fazer uma "ação negativa" na nota brasileira, seja através de uma redução do rating ou uma mudança na perspectiva da avaliação, caso o governo Bolsonaro mostre "inércia ou inabilidade ou falta de vontade" para avançar na aprovação das reformas.

"A Fitch vai monitorar a vontade política e a capacidade de se passar estas reformas", disse o executivo. Entre os pontos, Guedes destacou que os analistas vão avaliar se o governo avança em medidas como a independência do Banco Central e a melhora do ambiente de negócios, que faça o Brasil voltar a crescer de forma mais sustentável.

"O que seria positivo para o rating do Brasil? Uma melhora do ambiente que facilite a aprovação das reformas que endereçassem o problema da sustentabilidade da dívida", disse o executivo. Guedes ressaltou que é essencial no Brasil uma consolidação fiscal que mostre melhora do endividamento ao longo do tempo e crie nos agentes uma perspectiva de crescimento sustentável.

Entre os riscos para o cenário, Guedes observou que as investigações de corrupção podem atrasar o processo de tramitação das reformas, incluindo a da Previdência.

"Todas as reformas são desafiadoras e a sociedade brasileira demonstra que não quer enfrentar este problema", disse ele, citando recentes pesquisas de opinião que mostram baixa aprovação para as privatizações e as mudanças previdenciárias. "Isso tem um certo eco no Congresso, mesmo que o Congresso esteja claramente ciente da necessidade das reformas."

Dívida estável só em 2022

Guedes também ressaltou que, por conta da forte deterioração das contas públicas brasileiras, mesmo no cenário mais positivo, a dívida em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) pode se estabilizar só a partir de 2022.

A Fitch prevê que a relação dívida/PIB deve seguir em alta, de 77% no ano passado, para 81% em 2019 e 84% em 2020, um dos piores níveis entre países emergentes pares do Brasil.

O executivo disse que, além da reforma da Previdência, é preciso ações adicionais do governo para fazer a dívida parar de crescer, incluindo outras medidas para cortar gastos e ainda medidas para ampliar as receitas. "A Previdência é necessária, mas certamente não suficiente para a estabilização da dívida brasileira", disse Guedes.

Vale lembrar que a nota do Brasil pela Fitch tem perspectiva estável, que reflete fortes reservas internacionais, redução do déficit da conta corrente e moderada recuperação da economia. Ao mesmo tempo, o endividamento crescente limita uma melhora da nota.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

dinheiro no caixa

B2W propõe aumento de capital de R$ 2,5 bi

Serão 64 milhões de novas ações ordinárias, ao preço de R$ 39; empresa quer acelerar o processo de transformação rumo a uma plataforma digital híbrida

subiu o tom

Maior acionista da Oi pede troca de presidente

Gestora de investimentos GoldenTree Asset Management manifestou preocupação com as finanças da operadora e pediu saída de Eurico Teles

crise no posto ipiranga

Lava Jato ignorou repasse de Guedes em denúncia contra empresa de fachada, diz jornal

Segundo a Folha de S. Paulo, força-tarefa detectou pagamento de R$ 561 mil, mas só acusou outras firmas

sem dinheiro

Receita pode parar sistema de CPF e restituição

Arrecadação de tributos, emissões de certidões negativas, controle aduaneiro e operações de comércio exterior também serão afetados, assim como o envio de cartas de cobrança aos devedores do fisco

de mudança

Governo confirma que Coaf vai para o BC via Medida Provisória

Segundo porta-voz, Coaf será uma “unidade de inteligência financeira” que não perderá o caráter colaborativo com outros órgãos e manterá o perfil de combate à corrupção.

olho na vale

CVM abre inquérito contra executivos da Vale por tragédia de Brumadinho

Investigação é sobre deveres dos executivos em relação a acionistas e investidores; rompimento da barragem matou 248 pessoas

A Bula do Mercado

Mercados em compasso de espera

Expectativa por eventos envolvendo bancos centrais no Brasil e no exterior tende a redobrar postura defensiva dos investidores

Análise

Pode ir se acostumando com dólar mais caro

Fortalecimento do dólar é fenômeno global amplificado por questões locais e crise na Argentina. Disney vai demandar maior planejamento

Apoio declarado

Em podcast, Maia diz que decisão do governo de transferir Coaf para BC é boa

Presidente da Câmara afirmou também que a Casa irá discutir a proposta de autonomia do Banco Central

Seu Dinheiro na sua noite

Belo, recatado e dólar

Foi Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real, quem ensinou a jamais fazer previsões sobre o dólar. É dele a conhecida frase de que a taxa de câmbio foi criada por Deus apenas para humilhar os economistas. Hoje foi um típico dia de humilhação para quem acompanha o mercado financeiro. Mesmo com o noticiário […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements