Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-05-31T08:06:51-03:00
Estadão Conteúdo
E ainda estamos em maio...

Para analistas, economia caminha para ano perdido

Em 2019, 11 instituições financeiras já estão com estimativas inferiores a 1,0% para o crescimento desta ano. Em pesquisa anterior, apenas 3 previam crescimento menor

31 de maio de 2019
8:06
Recessão
Imagem: Shutterstock

A economia brasileira caminha para mais um ano perdido, na avaliação de analistas. As projeções do início do ano de crescimento em torno de 2,6% agora estão em 1,0%. Há, porém, risco de o PIB ficar abaixo disso, conforme pesquisa com 26 instituições financeiras. Em 11 delas, as estimativas são inferiores a 1,0% para o crescimento deste ano. Na pesquisa anterior, feita após a divulgação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), de 26 consultadas, 3 previam menos de 1,0%.

Citibank, JP Morgan e MB Associados estão entre as que cortaram projeções. A previsão do Citibank era de alta de 1,4% em 2019, mas caiu para 0,9%. O JP Morgan reduziu sua projeção de 1,5% para 0,9%, e a MB Associados de 1,1% para 0,9%.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, disse que ainda não é o caso de falar em recessão. Segundo ele, caso o PIB do segundo trimestre registre nova queda, configuraria uma "recessão técnica", quando há dois trimestres seguidos de retração. "A virada de expectativa em poucos meses trouxe um gosto amargo para quem imaginava que o governo poderia ser mais agressivo com as reformas e mais equilibrado politicamente", disse Vale.

Em relatório, a LCA Consultores considera “ser pouco provável que tenhamos um quadro de recessão técnica no PIB na primeira metade de 2019”, mas ressalta que, se no segundo trimestre variar perto de 0,1% sobre os três primeiros meses do ano, piso da estimativa da consultoria, "nossa projeção de crescimento anual, hoje em 1,0%, se tornaria relativamente otimista".

Para Juliana Cunha, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), uma economia mais acelerada no segundo semestre não bastaria para o PIB fechar, na média, muito acima de 2018, mesmo que empresários e consumidores vejam "as coisas acontecendo" na segunda metade do ano. "As taxas dos trimestres poderão estar boas, mas (a variação) do ano carregará o desempenho ruim do início do ano."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

UM ÚLTIMO TUÍTE

Do Twitter para o bitcoin? Jack Dorsey deixa comando da rede social e reacende rumores sobre projeto em criptomoedas

O fundador da rede social passará o cargo para Parag Agrawal, um veterano da empresa, depois de comandá-la de 2006 a 2008 e de 2015 até hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies