Menu
2019-02-18T14:46:10-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bancos

Citi espera que reforma da Previdência de Bolsonaro traga economia semelhante ao projeto de Temer

Economia que o governo deve obter com a aprovação da reforma da Previdência deve atingir R$ 500 bilhões em dez anos, segundo o Citi

18 de fevereiro de 2019
11:38 - atualizado às 14:46
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentos
Imagem: Shutterstock

A economia que o governo deve obter com a aprovação da reforma da Previdência deve atingir R$ 500 bilhões em dez anos. A estimativa é do chefe da área de pesquisa econômica do Citi, Leonardo Porto.

Estive hoje pela manhã na sede do banco americano no país, na Avenida Paulista, onde os principais executivos receberam a imprensa para um café da manhã.

O cenário do Citi considera que o governo será bem sucedido em aprovar a reforma da Previdência. "Não se trata de um cenário binário", disse Porto.

O economista do Citi considera, porém, que a proposta que será aprovada terá um ganho semelhante à estimada com a proposta atualmente no Congresso deixada pela gestão de Michel Temer.

Ou seja, o Citi espera que o projeto a ser apresentado pelo governo passe por alguma desidratação durante a tramitação na Câmara e no Senado.

Questionado sobre a crise envolvendo o secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, Porto disse que não vê por enquanto ameaça à reforma. "O evento não deve ser minimizado, mas não afeta a perspectiva de aprovação."

De todo modo, o cenário do banco considera que a economia de R$ 500 bilhões é suficiente para ancorar os ativos nos patamares atuais.

Projeções

O economista do Citi vê o país em círculo virtuoso para a economia, com inflação sob controle e sem pressões no curto prazo.

Com isso, o banco espera que a manutenção da taxa básica de juros (Selic) na mínima histórica de 6,5% ao ano em 2019. "O cenário com uma potencial queda dos juros tem se fortalecido, mas ainda não é o mais provável", afirma Porto.

A projeção do Citi é de uma alta de 2,2% para o PIB neste ano. Caso o cenário do banco para a Previdência se confirme, o dólar deve encerrar o ano em R$ 3,64.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Orçamento em foco

Presidente da Câmara defende a desvinculação total do orçamento

Arthur Lira (PP-AL) rejeita tese segundo a qual desvinculação deixaria setores essenciais sem recursos

Liminar

Tribunal de Contas de São Paulo suspende leilão de linhas da CPTM

Leilão estava previsto para a próxima terça-feira

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies