Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-12-28T13:13:47-02:00
Estadão Conteúdo

Citi vê retomada de captações e quer crescer 40% com ‘nova cara’ no Brasil

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo

25 de dezembro de 2018
14:30 - atualizado às 13:13
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentos
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentosImagem: Shutterstock

Um ano após começar a operar com uma nova estrutura no Brasil, depois de se desfazer do negócio de varejo no País para o Itaú Unibanco, o Citi traçou um plano para ocupar mais espaço no mercado financeiro local como um banco de atacado.

Seu objetivo é crescer 40% nos próximos anos, consolidando a filial como a quinta maior do grupo no mundo, atrás somente de unidades regionais, localizadas nos Estados Unidos (duas), Hong Kong e Cingapura, segundo o presidente do Citi no Brasil, Marcelo Marangon.

"Temos espaço grande para ocupar no atacado. No ano passado, reforçamos nosso time de banco de investimento. Dos dez lançamentos de ações este ano, participamos em seis", destaca o executivo, em entrevista ao Broadcast, na sede do banco, em São Paulo.

Na mira

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo: grandes empresas (corporate), médias (middle market) e clientes mais ricos (private).

Junto aos pesos pesados da economia brasileira, o banco viu seus ativos diminuírem no primeiro semestre por conta da baixa atividade econômica, greve dos caminhoneiros, postergação de planos de investimento e substituição de empréstimo bancário por operações de mercado de capitais. Já as áreas de middle market e private tiveram boas notícias ao longo de 2018. Em ambas, os negócios cresceram no patamar de dois dígitos.

Do lado do crédito, o Citi prevê, assim como o setor bancário, aceleração do crescimento no próximo ano em meio à retomada das linhas corporativas.

Com uma carteira com exposição a Brasil de US$ 13 bilhões, o Citi espera elevar este saldo entre 7% e 9% em 2019. Neste ano, a expansão foi de 6%. "Já temos capital alocado e liquidez suficiente para crescer neste ritmo", enfatiza Marangon.

O que passou, passou

O cenário mais otimista para o crédito tem como pano de fundo um ambiente mais saudável para emprestar no Brasil, com o pior momento de inadimplência das grandes empresas superado, conforme ele.

O executivo não dá detalhes, mas o nome do Citi não foi visto em grandes reestruturações de dívidas como as da Oi, JBS e Odebrecht. Embora o banco 'ganhe' por estar de fora, também deixa de computar receitas com a recuperação dessas companhias, que estão vendendo ativos e buscando novos caminhos para voltar a crescer no Brasil.

"Temos uma disciplina de crédito muito forte e conseguimos antecipar a grande maioria das reestruturações", diz Marangon, sem dar mais detalhes.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Exile on Wall Street

Nos investimentos e na vida, tome cuidado com os atalhos que você quer pegar

Eu estou mergulhado no mercado financeiro há quase 20 anos e não tenho intenção nenhuma de enriquecer rápido. Nas escolhas em que outros desejam velocidade a Empiricus escolhe profundidade

Mercados Hoje

Ibovespa ignora cautela com PIB e variante ômicron do coronavírus e sobe quase 2%; dólar recua

Mesmo com o PIB vindo abaixo do esperado, os investidores buscam recuperar as perdas dos últimos dias

fundos imobiliários

Investimento em FIIs: O que devo saber para escolher os melhores?

Analista dá 5 dicas valiosas para os investidores se darem bem com fundos imobiliários

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em alta, mesmo com PIB do 3º tri mais fraco, puxado por Nova York e dólar avança para R$ 5,70

O resultado do PIB do terceiro trimestre veio abaixo do esperado, mas dentro do intervalo das projeções

Negócio fechado

Empiricus conclui processo de venda das empresas do grupo para o Banco BTG Pactual

O processo marca o início de uma nova fase na trajetória da Empiricus no mercado financeiro, segundo o CEO do grupo, Caio Mesquita

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies