Menu
2018-12-28T13:13:47-02:00
Estadão Conteúdo

Citi vê retomada de captações e quer crescer 40% com ‘nova cara’ no Brasil

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo

25 de dezembro de 2018
14:30 - atualizado às 13:13
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentos
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentosImagem: Shutterstock

Um ano após começar a operar com uma nova estrutura no Brasil, depois de se desfazer do negócio de varejo no País para o Itaú Unibanco, o Citi traçou um plano para ocupar mais espaço no mercado financeiro local como um banco de atacado.

Seu objetivo é crescer 40% nos próximos anos, consolidando a filial como a quinta maior do grupo no mundo, atrás somente de unidades regionais, localizadas nos Estados Unidos (duas), Hong Kong e Cingapura, segundo o presidente do Citi no Brasil, Marcelo Marangon.

"Temos espaço grande para ocupar no atacado. No ano passado, reforçamos nosso time de banco de investimento. Dos dez lançamentos de ações este ano, participamos em seis", destaca o executivo, em entrevista ao Broadcast, na sede do banco, em São Paulo.

Na mira

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo: grandes empresas (corporate), médias (middle market) e clientes mais ricos (private).

Junto aos pesos pesados da economia brasileira, o banco viu seus ativos diminuírem no primeiro semestre por conta da baixa atividade econômica, greve dos caminhoneiros, postergação de planos de investimento e substituição de empréstimo bancário por operações de mercado de capitais. Já as áreas de middle market e private tiveram boas notícias ao longo de 2018. Em ambas, os negócios cresceram no patamar de dois dígitos.

Do lado do crédito, o Citi prevê, assim como o setor bancário, aceleração do crescimento no próximo ano em meio à retomada das linhas corporativas.

Com uma carteira com exposição a Brasil de US$ 13 bilhões, o Citi espera elevar este saldo entre 7% e 9% em 2019. Neste ano, a expansão foi de 6%. "Já temos capital alocado e liquidez suficiente para crescer neste ritmo", enfatiza Marangon.

O que passou, passou

O cenário mais otimista para o crédito tem como pano de fundo um ambiente mais saudável para emprestar no Brasil, com o pior momento de inadimplência das grandes empresas superado, conforme ele.

O executivo não dá detalhes, mas o nome do Citi não foi visto em grandes reestruturações de dívidas como as da Oi, JBS e Odebrecht. Embora o banco 'ganhe' por estar de fora, também deixa de computar receitas com a recuperação dessas companhias, que estão vendendo ativos e buscando novos caminhos para voltar a crescer no Brasil.

"Temos uma disciplina de crédito muito forte e conseguimos antecipar a grande maioria das reestruturações", diz Marangon, sem dar mais detalhes.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies