Menu
2018-12-28T13:13:47-02:00
Estadão Conteúdo

Citi vê retomada de captações e quer crescer 40% com ‘nova cara’ no Brasil

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo

25 de dezembro de 2018
14:30 - atualizado às 13:13
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentos
Citi: Segundo maior banco estrangeiro do Brasil mira três segmentosImagem: Shutterstock

Um ano após começar a operar com uma nova estrutura no Brasil, depois de se desfazer do negócio de varejo no País para o Itaú Unibanco, o Citi traçou um plano para ocupar mais espaço no mercado financeiro local como um banco de atacado.

Seu objetivo é crescer 40% nos próximos anos, consolidando a filial como a quinta maior do grupo no mundo, atrás somente de unidades regionais, localizadas nos Estados Unidos (duas), Hong Kong e Cingapura, segundo o presidente do Citi no Brasil, Marcelo Marangon.

"Temos espaço grande para ocupar no atacado. No ano passado, reforçamos nosso time de banco de investimento. Dos dez lançamentos de ações este ano, participamos em seis", destaca o executivo, em entrevista ao Broadcast, na sede do banco, em São Paulo.

Na mira

Segundo maior banco estrangeiro do Brasil, atrás somente do Santander Brasil, o Citi mira três segmentos para crescer em solo verde e amarelo: grandes empresas (corporate), médias (middle market) e clientes mais ricos (private).

Junto aos pesos pesados da economia brasileira, o banco viu seus ativos diminuírem no primeiro semestre por conta da baixa atividade econômica, greve dos caminhoneiros, postergação de planos de investimento e substituição de empréstimo bancário por operações de mercado de capitais. Já as áreas de middle market e private tiveram boas notícias ao longo de 2018. Em ambas, os negócios cresceram no patamar de dois dígitos.

Do lado do crédito, o Citi prevê, assim como o setor bancário, aceleração do crescimento no próximo ano em meio à retomada das linhas corporativas.

Com uma carteira com exposição a Brasil de US$ 13 bilhões, o Citi espera elevar este saldo entre 7% e 9% em 2019. Neste ano, a expansão foi de 6%. "Já temos capital alocado e liquidez suficiente para crescer neste ritmo", enfatiza Marangon.

O que passou, passou

O cenário mais otimista para o crédito tem como pano de fundo um ambiente mais saudável para emprestar no Brasil, com o pior momento de inadimplência das grandes empresas superado, conforme ele.

O executivo não dá detalhes, mas o nome do Citi não foi visto em grandes reestruturações de dívidas como as da Oi, JBS e Odebrecht. Embora o banco 'ganhe' por estar de fora, também deixa de computar receitas com a recuperação dessas companhias, que estão vendendo ativos e buscando novos caminhos para voltar a crescer no Brasil.

"Temos uma disciplina de crédito muito forte e conseguimos antecipar a grande maioria das reestruturações", diz Marangon, sem dar mais detalhes.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

3º trimestre

Tesla: 5 números do balanço que surpreendeu o mercado

2020 tem sido um ano e tanto para as ações da montadora, que acumula uma alta superior a 420% e que pode fechar o seu primeiro ano no azul

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

2020 é o novo ‘ano dos IPOs’?

Se um viajante do tempo contasse à Julia de março ou abril que, bem antes do fim do ano, as bolsas americanas já teriam se recuperado e ultrapassado os patamares anteriores à crise, o Ibovespa já teria retornado ao patamar dos 100 mil pontos e que 2020 seria um grande ano de aberturas de capital […]

no zero a zero

Ibovespa zera ganhos no fim com queda em NY em meio à incerteza sobre estímulos

Dólar também encerra dia no zero a zero, demonstrando cautela dos investidores sobre pacote de ajuda à economia dos Estados Unidos, e juros futuros sobem com temor fiscal. Após pregão, saiu a notícia de que autoridades americanas estão mais próximas de um acordo

Dia de euforia

Bitcoin quebra recorde em reais e supera a marca dos R$ 70 mil

A moeda também rompeu a máxima do ano em dólar, cotada a mais de US$ 12 mil

Recorde

Arrecadação tem melhor resultado mensal em 6 anos

O resultado representa um aumento real (descontada a inflação) de 1,97% na comparação com o mesmo mês de 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies