Menu
2019-08-29T12:16:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
um pouco otimista

Mansueto: Resultado do PIB não permite soltar fogos, mas traz alívio

Segundo secretário do Tesouro, aprovação de medidas de ajuste permite queda da inflação e juros baixos. País que faz lição de casa, cresce mais

29 de agosto de 2019
12:16
Mansueto
Imagem: Gustavo Raniere/ASCOM/Ministério da Economia

Não dá para soltar fogos com o resultado de um trimestre, mas um número acima do que o mercado estava esperando, o dobro, é um certo alívio. A avaliação é do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, que fez um breve comentário sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre, que cresceu 0,4%.

“Ter um dado de PIB maior que o esperado é algo positivo. Agora, não se deve soltar fogos porque é um resultado e eles passam por revisões. Tem que continuar o trabalho, focar na pauta de reformas”, disse.

Enquanto Mansueto fazia seus comentários, a Secretária de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, divulgava nota afirmando que a estratégia adotada pelo governo, de crescimento com responsabilidade fiscal, “vai se mostrando acertada”.

Ainda de acordo com a SPE, apesar do forte ajuste nas contas públicas, representado por uma queda de 1% no consumo do governo, o crescimento no trimestre foi positivo e acima das projeções de mercado.

“O cenário econômico continua desafiador: o ajuste fiscal em curso, a baixa produtividade da economia brasileira e a incerteza da conjuntura internacional sugerem ainda um longo caminho a percorrer. Mas não deixa de ser importante frisar que a despeito desses desafios, a conjuntura brasileira hoje mostra-se mais favorável do que era alguns meses atrás.”

Lenta retomada

Mansueto ponderou que embora o processo de recuperação seja o mais lento visto em nossa história, a recessão de 2015/2016 também teve uma magnitude que ninguém esperava. Dois anos com queda de PIB, lembrou, só aconteceu na Crise de 1930, nem na “década perdida” dos 1980, isso ocorreu.

O ponto ressaltado pelo secretário, é que a sociedade como um todo e o Congresso vêm discutindo e aprovando medidas de ajuste, de controle de despesas e nova orientação aos bancos públicos.

Esse cenário, segundo Mansueto, permite que vejamos uma convergência da inflação para menos de 4%, levando as taxas de juros para mínimas históricas.

Essa queda da inflação e dos juros, lembrou o secretário, têm relevante impacto sobre os dados fiscais, especialmente na conta de juros do governo geral. Hoje temos uma dívida bruta de 80% do PIB e gastaremos 5% em juro, esse patamar de 5% de juro não era visto desde quando a dívida estava na linha dos 55% do PIB. “Tem um ganho enorme da conta de juros.”

Lição de casa

Ainda de acordo com o secretário, país que faz a lição de casa tem como consequência crescer mais. Parte dessa lição de casa é a continuidade das medidas fiscais. E um grande debate defendido pelo secretário é revisar as despesas obrigatórias.

Sãs os gastos obrigatórios que ameaçam o teto de gastos, medida que sinaliza ao mercado que o país é solvente e permite que seja feito um ajuste gradual nas contas.

Mansueto lembrou que países europeus fizeram ajustes fiscais de 6 pontos a 7 pontos do PIB em seis anos. Aqui, vamos caminhar para uma década com déficits primários (até 2022).

“Vamos levar uma década para fazer ajuste fiscal. Mesmo com essa situação grave, o mercado aceitou a tese de ajuste fiscal gradual, a ponto de conseguirmos vender título com juro real de 3,6%. Isso era impensável! Chegamos a vender com juro real de 9% faz poucos anos. Mercado confia no ajuste, mas tem dever de casa a ser feito”, concluiu.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

solução eletrônica

Donas de shoppings investirão menos em expansão e mais em canais digitais

Em vez de priorizarem a construção de novas unidades (“greenfields”) ou a expansão da área dos estabelecimentos já em operação – principais vias de crescimento até então -, será dado cada vez mais peso na integração do comércio físico ao eletrônico

em meio à covid

Fluxo de pessoas em lojas físicas sobe 194% em junho; em shoppings, alta de 126%

No comparativo com junho do ano anterior, porém, o fluxo caiu 75,94% nos shopping centers e 70,94% nas lojas físicas

vice da república

Gestores dos fundos querem ver resultado na redução do desmatamento, diz Mourão

Após reunião com representantes de fundos estrangeiros, Mourão disse que eles não se comprometeram com investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements