Menu
2019-09-07T15:27:11-03:00
Estadão Conteúdo
Entrevista

Ex-diretor do BC, Alexandre Schwartsman defende estímulo à demanda doméstica

Todas as indicações são de que o Banco Central vai continuar cortando juros, é um consenso que as taxas vão ficar na casa dos 5% até o fim deste ano, afirma Schwartsman

7 de setembro de 2019
15:27
Alexandre Schwartsman, consultor e ex-diretor do Banco Central
Alexandre Schwartsman, consultor e ex-diretor do Banco Central - Imagem: Reprodução Youtube

A inflação sob controle, apesar das altas recentes do dólar, deve manter a perspectiva de que os juros básicos, hoje em 6% ao ano, fiquem na casa dos 5% ao ano até o fim de 2019. Mas também reflete o ritmo mais lento do que se imaginava para a recuperação de uma economia que ainda não conseguiu engatar.

A avaliação é do consultor e ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman. Ele também lembra que esses preços refletem o consumo ainda tímido das famílias e que a queda da renda dos brasileiros nos anos de crise ainda deve demorar a se recuperar. A seguir, trechos da entrevista:

O que a inflação registrada em agosto diz sobre o estado atual da economia brasileira?

Os números mostram que é a absoluta ausência de surpresas em relação à economia. Ela está parada mesmo. Os núcleos de inflação estão inalterados nos últimos 12 meses, é uma economia que não tem tensão inflacionária.

O exterior também tem contribuído para a inflação baixa?

Sim. Há alguns efeitos desinflacionários vindo do exterior: crescimento global mais fraco, preços de commodities em queda e a crise Argentina, que pesa direto na produção industrial do Brasil, pela importância que eles têm na compra de manufaturados brasileiros. Pelos números, dá para ver que a exportação de manufaturados do Brasil está perdendo fôlego, o que é preocupante, dado o estado crítico em que a indústria brasileira se encontra.

A recuperação, então, deve vir do mercado interno?

Exatamente. A recuperação da economia não vai vir de fora, é preciso colocar mais demanda doméstica para puxar a economia. O consumo está muito fraco ainda, mais forte do que o resto da economia, mas muito distante do ideal.

O consumo vai continuar fraco enquanto o desemprego continuar resistente?

A taxa de criação de empregos, na comparação com todo o resto, não está tão mal. Houve uma recuperação expressiva na comparação com os piores momentos da crise. Se a gente parar para pensar, eram 92,5 milhões de empregos em 2015, caiu para 89,5 milhões durante o pior momento da crise. A gente está na casa de 93,5 milhões, mas é um emprego de pior qualidade. O emprego formal ainda está muito abaixo do período pré-crise, subiu no informal e no conta própria. O que leva a uma renda mais baixa das famílias também.

O emprego informal acaba inibindo a concessão de crédito também, certo?

Sim, os bancos tendem a ser mais reticentes para dar crédito para quem está informal ou por conta própria. A economia depende muito da recuperação da renda e não tem muito como alavancar a renda neste momento.

Houve uma depreciação forte do real recentemente, com o dólar encostando em R$ 4,20. Isso pode afetar a inflação?

Foi, de fato, uma depreciação forte. O dólar rapidamente chegou a esse patamar entre R$ 4,10 e R$ 4,20, mas os efeitos ainda não apareceram na inflação de agosto. Se aparecerem, vai ser em setembro ou outubro. Ainda assim, deve ser um efeito de curto prazo, se o dólar parar mesmo em R$ 4,20. Se a moeda americana subir além disso, podemos ter problemas. Até agora, porém, não acho que seja um grande obstáculo para continuar cortando juros.

O ano de 2019 é dado como perdido, apesar de previsões anteriores, que mostravam uma recuperação mais forte. Foram as crises políticas que postergaram a retomada da economia?

A responsabilidade não é toda do Planalto. Eu acho que o presidente é fraco, mas o Congresso chamou para si a responsabilidade de tocar a agenda de reformas. O problema é que a economia perdeu fôlego no fim do ano e não recuperou desde então, apesar da perspectiva que os economistas tinham de que a eleição iria eliminar incertezas.

Com a inflação nesse patamar baixo, o espaço para novos cortes dos juros continua aberto?

Todas as indicações são de que o Banco Central vai continuar cortando juros, é um consenso de mercado que os juros vão ficar em alguma coisa na casa dos 5% até o fim deste ano e devem permanecer aí ao longo de 2020. Não tem muita opção, sem a queda de juros, dificilmente a inflação vai convergir para a meta. Em 2019 não tem mais o que fazer, o ano está perdido e o cenário já foi lançado, não tem política monetária que vá mudar alguma coisa agora. O foco do Banco Central já está em 2020.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

retomada

Azul volta a operar no Galeão em janeiro e lança três voos no Rio

Somadas, as operações nos três aeroportos fluminenses resultarão em uma oferta semanal de 32 voos

Revolucionário

Elon Musk afirma que seu caminhão Tesla pode andar 1.000 km por carga

Na conferência, Musk afirmou: “Achamos que isso será extremamente competitivo e atraente para as empresas de transporte rodoviário”.

polêmica

Vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford contra covid-19 sofre críticas

Cientistas questionam métodos da pesquisa após empresa admitir que meia dose foi erro de fabricação

Crise no mundo encantado

Disney anuncia 32 mil cortes de empregos, principalmente em parques temáticos

A pandemia forçou os parques temáticos da Disney a permanecer fechados ou operar com capacidade reduzida durante boa parte deste ano, e as operações de seus navios de cruzeiro estão suspensas

Tema do momento

Acionista do Carrefour, Abilio Diniz quer que a empresa se torne referência na luta contra o racismo

No evento online, o empresário também falou sobre o futuro do varejo e suas visões positivas para a economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies