Menu
2019-09-10T15:04:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em 2017 a posição era pior

Até em ranking de promessa de crescimento, Brasil fica devendo

Estudo elaborado pela KPMG mostra que seguimos mal preparados para crescer, ocupando a 76ª posição entre 180 países, quando consideradas estabilidade econômica, abertura e qualidade da educação

10 de setembro de 2019
15:04
brasil-crise
Crise no Brasil - Imagem: Shutterstock

A consultoria KPMG apresentou nova edição do seu estudo "Indicadores de Promessa de Crescimento" (Growth Promise Indicators, em inglês) e o recado é que o Brasil continua mal preparado para crescer.

Levando em consideração indicadores como como estabilidade macroeconômica, infraestrutura e capital humano, o Brasil está na 76ª posição entre os 180 países analisados. O resultado não anima, mas estamos melhores que em 2017, quando estávamos na 91ª posição. O estudo é feito desde 1997.

"Este conteúdo oferece uma visão prática sobre o desempenho dos países em diversos pilares vitais. Trata-se de um guia de referência para a tomada de decisões estratégicas e a identificação de iniciativas e operações importantes", afirma Mauricio Endo, sócio e líder de Governo da KPMG no Brasil e na América do Sul, em nota.

A média final considera pontuações em cada um dos seguintes critérios: estabilidade macroeconômica (3,52), abertura (0,50), qualidade da infraestrutura (5,40), qualidade das instituições (4,45) e desenvolvimento humano (6,15).

Com esses desempenhos em cada quesito, a KPMG atribui uma nota final para o Brasil, que ficou com 4,83. Para dar um parâmetro, essa nota é quase a metade da primeira colocada, a Suíça, com 8,63, na sequencia está Holanda (8,5) e Singapura (8,4).

Assim, o Brasil fica atrás da China (5,71), Rússia (5,70) e África do Sul (5,19), mas acima da Índia (4,40).

Outros países que estão à frente do Brasil são República Checa (28ª colocação), Chile (32ª colocação), Uruguai (42ª), Panamá (60ª colocação) e Namíbia (74ª colocação).

A integra do estudo e sua metodologia completa podem ser acessadas aqui. Mas olhando os quesitos estudados, a nossa colocação não surpreende. Por outro lado, a agenda de reformas do governo mira, justamente, algumas dessas deficiências. Resultados podem aparecer na edição de 2020.

Dentro o pilar de estabilidade macroeconômica, são considerados a dívida do governo e o déficit. No lado da abertura da economia, são considerados os investimentos externos e corrente de comércio. Na infraestrutura, há uma avaliação sobre a qualidade dos diferentes meios de transporte, cobertura de 3G, e oferta de crédito ao setor.

No capital humano são consideradas a participação da população na educação primária, secundária e terciária, notas no exame PISA e expectativa de vida (uma curiosidade, os EUA foram o único país a perder nota no quesito expectativa de vida nos últimos cinco anos, resultado da onda de mortes relacionadas ao abuso de opioides.)

Para medir a força das instituições, são avaliadas a qualidade da regulação, independência do Judiciário, transparência das decisões de governo, corrupção e direto de propriedade e patentes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Bolada no Caixa

BNDES vai repassar R$ 15 bilhões em dividendos para a União

Receita de dividendos do BNDES em 2019 “salvou” o governo num momento em que o Orçamento estava bloqueado e a Esplanada dos Ministérios operando em alguns órgãos numa situação de quase paralisação

Fórum Econômico Mundial

Em Davos, governo encontra investidores para oferecer projetos, incluindo o 5G

Governo vai apresentar todos os 115 projetos já estruturados ou ainda em fase de estudo que compõem a carteira para 2020 e 2021, que equivalem a R$ 320 bilhões

No limite

Petrobras fica à beira da privatização com venda de ações do BNDES em oferta

Petroleira não deixará de ser estatal por muito pouco: participação do governo em ações ordinárias (com direito a voto) pode cair para 50,26% após a oferta de papéis que estão na carteira do BNDES

Ações disparam

Top pick: para o Bradesco BBI, a Usiminas é a melhor opção no setor de siderurgia

A possibilidade de um novo aumento no preço dos aços planos para a rede doméstica eleva o otimismo do Bradesco BBI em relação à Usiminas

tensão

Após ataques relatados por federação de jornalistas, Bolsonaro diz que evitará falar com a imprensa

Pesquisa indicou que o presidente foi responsável por 58% dos ataques à categoria no ano passado, de um total de 208

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Quero ser grande

E aí, B3, vamos atrair essas milhares de empresas brasileiras? Ou vamos continuar perdendo soldados para a Nasdaq? Temos que fazer algo, com urgência

Mercados hoje

Ibovespa se recupera das perdas de ontem e opera em alta; dólar cai a R$ 4,18

O Ibovespa e as bolsas globais se recuperam das perdas da sessão anterior, operando em alta nesta quarta-feira. O mercado segue monitorando o noticiário referente ao coronavírus

Fórum econômico mundial

Davos: clima pesa mais para investidor do que trapalhada política no Brasil

No início do segundo semestre do ano passado, os incêndios na Amazônia chamaram a atenção de todo o mundo. E três dos entrevistados ressaltaram a demora do governo em agir

Em davos

Após acordo comercial com a China, Trump busca pacto com UE

Caso um acordo não seja estabelecido, Trump ameaçou impor tarifas “muito altas” a carros e outros produtos da UE. Segundo o presidente, a UE não tem outra opção além de fechar um acordo com Washington

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements