Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-02T18:20:24-03:00
Estadão Conteúdo
Na linha do mercado

Petróleo fecha em alta com possibilidade de mais cortes na produção da Opep

Dados da China também contribuíram para a alta do petróleo hoje, pela possibilidade de aumento da demanda

2 de dezembro de 2019
18:20
Tanques de petróleo
Imagem: Shutterstock

Os contratos futuros do petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira, em meio a rumores de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados podem aprofundar cortes na produção da commodity e também com dados do setor industrial chinês surpreendendo positivamente.

O petróleo WTI para janeiro fechou em alta de 1,43%, a US$ 55,96 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro avançou 0,71%, a US$ 60,92 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

No início da manhã, a Reuters informou que a Opep e aliados, grupo conhecido como Opep+, planeja aprofundar os cortes na produção de petróleo em pelo menos 400 mil barris por dia (bpd) até junho de 2020. Uma redução da oferta teria potencial para elevar os preços da commodity. Ontem, a Dow Jones Newswires já havia noticiado que a Arábia Saudita pressionará por uma extensão nos cortes na próxima reunião do grupo, que ocorre nos dias 5 e 6 de dezembro.

Dados da China também contribuíram para a alta do petróleo hoje, pela possibilidade de aumento da demanda. O Índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial chinês avançou de 51,7 em outubro para 51,8 em novembro, o maior patamar desde dezembro de 2016, quando foi de 51,9.

Além disso, a queda do dólar também apoiou a commodity. O índice DXY, que mede a variação da moeda americana ante seis outras divisas principais, passou a cair após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter anunciado pelo Twitter a restauração de tarifas a importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, dizendo que os dois países "vêm promovendo maciça desvalorização" de suas moedas.

O dólar recuou, também, devido à cautela com indicadores americanos. O índice do Instituto para Gestão da Oferta (ISM) para a indústria dos EUA, por exemplo, recuou a 48,1 em novembro, contra previsão de alta a 49,4.

Na avaliação de Carsten Fritsch, analista de energia do Commerzbank, os contratos de petróleo também recuperaram um pouco das perdas de sexta-feira, que ocorreram em parte pela liquidez fraca após o feriado do Dia de Ação de Graças nos EUA. "No entanto, parece estar crescendo no mercado o ceticismo de que meramente manter os atuais cortes de produção da Opep na reunião do fim da semana pode ser muito pouco", afirma Fritsch.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior mantém fôlego mesmo com ‘Super Quarta’ e bolsa brasileira deve ficar de olho em precatórios e reforma do Imposto de Renda

A divulgação da política monetária do BC americano deve movimentar os negócios, enquanto no cenário local, a autoridade brasileira pode elevar ainda mais a Selic

Portfólio integrado

Vitreo vai permitir importação de investimentos de fundos para aplicativo de consolidação da carteiras e Real Valor

A corretora será a primeira a disponibilizar a integração automática com o aplicativo de sincronização de ativos

NO ÚLTIMO MINUTO

Unidade da Evergrande promete pagar em dia juros devidos para amanhã

Anúncio proporciona alívio em meio a temores de calote, mas ações da incorporadora seguem em queda na bolsa de Hong Kong

AINDA SEM ACORDO COM REPUBLICANOS

Na Câmara, democratas aprovam suspensão de teto de dívida nos EUA

Projeto segue agora para o Senado; aprovação é fundamental para evitar o chamado fechamento do governo, mas impasse coloca medida em risco

nova selic hoje

BC deve manter “plano de voo” e elevar taxa básica de juros em 1 ponto, para 6,25% ao ano; saiba o que esperar do Copom

Declaração recente de Campos Neto conteve apostas maiores que a de um ponto; crise hídrica e desaceleração da China podem aparecer em comunicado de decisão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies