Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-28T10:48:26-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
agenda da estatal

Petrobras prevê investimentos de US$ 76 bilhões até 2024

Segundo a estatal, 85% do valor a ser investido está concentrado no segmento de exploração e produção; alocação tem como foco especial o pré-sal

28 de novembro de 2019
10:43 - atualizado às 10:48
Prédio da Petrobras no Rio de Janeiro
Imagem: Shutterstock

A Petrobras aprovou seu plano estratégico para 2020 até 2024, prevendo um investimento de US$ 75,7 bilhões. Os desinvestimentos previstos no plano variam entre US$ 20 e 30 bilhões.

Segundo a estatal, 85% do valor a ser investido está concentrado no segmento de exploração e produção. A alocação tem como foco especial o pré-sal - que geram mais retorno para os investimentos, além de ser a área em que a Petrobras tem vantagem competitiva.

Nesta quarta-feira (28), as ações da Petrobras sofriam leve baixa. Por volta das 10h40, os ativos PN (PETR4) recuavam 1,19%, a R$ 28,98. Já os papéis ON (PETR3) caíam 1,11%, a R$ 31,10. Acompanhe a cobertura de mercados. 

Definido como "Mind the Gap", o plano estratégico da empresa visa aproximar a performance da brasileira a de outras companhias globais de petróleo.

O plano tem como base pilares estabelecidos pela estatal anteriormente, como a maximização do retorno sobre o capital empregado, redução do custo de capital, entre outros.

"Com respeito a fontes de energia revoáveis, a companhia atuará em pesquisas buscando adquirir competências para o eventual posicionamento no longo prazo em energia eólica e solar", diz a empresa em documento divulgado ao mercado.

O plano conta com três métricas com foco na segurança das pessoas, na redução do endividamento e na geração de valor, segundo a própria empresa.

Números da companhia

No terceiro trimestre, a Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 9,087 bilhões, alta de 36,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Segundo a Bloomberg, os analistas previam lucro líquido de R$ 8,622 bilhões no período.

O resultado foi impulsionado pelo aumento da produção de óleo e gás e pelos recursos provenientes da venda da participação na BR Distribuidora, que somaram R$ 13,9 bilhões. No período, houve um efeito negativo de R$ 2,9 bilhões de contingências judiciais e de baixas contábeis (impairment) de R$ 2,4 bilhões.

A produção forte foi um destaque no trimestre. A produção total (Brasil e exterior) de óleo, LGN e gás natural foi de 2,878 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) no trimestre, aumento de 14,6% na comparação anual.

No terceiro trimestre, os investimentos totalizaram US$ 2,6 bilhões. No acumulado do ano, o montante US$ 7,6 bilhões, em trajetória convergente com a nova meta de investir US$ 10 a 11 bilhões, divulgada no balanço anterior.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies