Menu
2019-01-31T10:46:20-02:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Atenção acionista!

Os dias de dinheiro parado na Petrobras estão perto do fim! Quem diz é o novo presidente: “só vamos ficar com ativos que dão retorno”

De acordo com Roberto Castello Branco, presidente da empresa, a Petrobras vai deter apenas ativos onde puder extrair o máximo de retorno possível, especialmente o pré-sal

29 de janeiro de 2019
19:53 - atualizado às 10:46
Petrobras
Imagem: Shutterstock

Depois de anos conturbados para a Petrobras com os escândalos da Lava-Jato e da Greve dos Caminhoneiros, o discurso do atual presidente, Roberto Castello Branco, deu uma boa animada no grupo seleto de investidores que estavam no salão do Gran Hyatt, em São Paulo para o evento do Credit Suisse, nesta terça-feira (29).

Após a fala de Castello Branco era possível ver um semblante mais otimista em alguns rostos. Cheguei até ouvir perto de mim um discurso de "agora vai". Com uma janela de oportunidades à vista, o presidente destacou que a companhia vai investir em cinco frentes, com foco em maximizar o retorno aos acionistas.

Ativos, apenas os de grande retorno

Para isso, a primeira frente será fazer uma gestão mais ativa do portfólio de ativos da empresa. "A Petrobras vai deter apenas ativos onde puder extrair o máximo de retorno possível, especialmente o pré-sal porque ele é muito atrativo para as empresas de petróleo. Não vamos ter mais ativos que geram pouco retorno ou retorno nenhum", destacou Castello Branco.

Segundo o presidente, os desinvestimentos vão priorizar os ativos em que a Petro não precisa ser o dono natural, como é o caso dos campos maduros onshore e dos ativos que envolvem serviços de logística (midstream). A ideia é "criar a cultura de conversão de caixa. Não é possível ficar com o capital parado. É necessário monetizar isso".

Desalavancagem

Em seguida, Castello Branco disse que também buscará reduzir o custo da dívida e do capital e que para isso, a empresa terá que desalavancar (diminuir o seu endividamento). Segundo ele, a alavancagem da empresa é relativamente alta para uma petrolífera e que,  por conta da volatilidade no preço das commodities, é fundamental trabalhar com uma desalavancagem mais baixa.

"Temos que perseguir o alongamento da dívida e diminuir o risco de refinanciamento dela para não sermos surpreendidos, caso precisemos de dinheiro. Em 2015, por exemplo, a duração média da dívida era de 5 anos. Agora, queremos ficar acima de 10 anos para reconquistar o  nos queremos ficar acima de 10 anos. Queremos reconquistar o investment grade rating", disse o presidente.

Outro ponto que o presidente destacou é que a empresa vai perseguir é a redução de custos. Ele disse que como o preço da commodities é volátil, uma das melhores proteções é o custo baixo. E que isso deverá ser feito por meio de desinvestimento, eliminação de desperdícios e estímulo do corpo técnico por meio de meio de prêmios e bonificações.

Além disso, Castello Branco informou que vai priorizar o uso intensivo de tecnologias de informação. Segundo ele, há muitas oportunidades para se investir na área, especialmente por meio da digitalização e do emprego da inteligência artificial. Sem detalhar muito como isso será feito, o CEO destacou que já escolheu um conselheiro que é uma autoridade no setor.

Segurança é quesito primordial

Diante do acidente envolvendo a Vale em Brumadinho, o CEO da Petrobras disse que uma das frentes de prioridade será também a segurança no trabalho.

"É inadmissível perder vidas. Hoje, temos uma estrutura de reação boa e comitês de crise. Para evitar que os erros se repitam, vamos fazer o registros de incidentes e continuar a ter normas restritivas e a treinar nossos funcionários", destacou Castello Branco.

Desinvestir é o lema

Com relação à BR Distribuidora, o presidente preferiu não comentar se vai privatizá-la ou não. Apenas disse que está trabalhando com Salim Mattar, secretário especial de Desestatização e Desinvestimento. Ele disse que "todas as opções estão na mesa e que os desinvestimentos serão escolhidos com foco em maximizar o lucro".

Já sobre a Braskem, Castello Branco foi enfático ao falar que "a prioridade não é o setor de petroquímica e sim o pré-sal".

Quando perguntado sobre a venda de ativos de refino, o presidente disse que está estudando melhorias e que o ter o monopólio do refino é ruim porque favorece a intervenção estatal. Ele citou como exemplo a Greve dos Caminhoneiros por conta da política de controle de preços.

" Ter uma política de controle de preços é um atraso enorme. Para evitar a tabela de preços há outras opções que podem oferecer essa proteção", destacou Castello Branco sem citar quais seriam os mecanismos.

Cessão Onerosa

No caso da resolução da cessão onerosa, o presidente destacou que o interesse é que as negociações com o Congresso sejam concluídas entre 30 e 60 dias.

Castello Branco ainda disse que a empresa tem interesse nos barris excedentes do leilão da cessão onerosa. Assim que a negociação terminar, a Petrobras vai analisar o excedente e decidir.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,70

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies