Menu
2019-07-17T07:51:22-03:00
Recuperação judicial do Grupo Odebrecht

Fundo credor Castlelake quer ficar com Atvos

Atvos, empresa de açúcar e álcool do Grupo Odebrecht, pediu recuperação judicial em 29 de maio e tem 60 dias, contados a partir desta data, para apresentar um plano de reorganização financeira

17 de julho de 2019
7:51
odebrecht
Odebrecht - Imagem: Shutterstock

Um dos fundos credores da Atvos, o americano Castlelake, estuda proposta para tentar salvar a empresa de açúcar e álcool do Grupo Odebrecht. A ideia é injetar capital e trocar a dívida por participação de cerca de 70% na companhia, em recuperação judicial. De acordo com fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, as conversas são preliminares. O plano também resultaria na troca da dívida dos bancos por ações e pagamento a outros credores, em cerca de 15 anos.

A Atvos pediu recuperação judicial em 29 de maio e tem 60 dias, contados a partir desta data, para apresentar um plano de reorganização financeira. A Atvos declarou dívidas de R$ 12 bilhões em juízo. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco do Brasil têm, juntos, 66%, ou R$ 7,95 bilhões, do total. Na lista de credores estão também o Banco Bradesco, com cerca de R$ 250 milhões, Votorantim (R$ 80 milhões) e Itaú Unibanco (R$ 106 milhões).

A Castlelake também é credora da Atvos, com cerca de US$ 221 milhões a receber, por meio do fundo Terra Nova Bioenergia, administrado pela Planner Corretora. Além do Castlelake, o Terra Nova tem também como investidor a gestora americana Lonestar. Segundo informações do mercado, o fundo é composto por papéis de dívida emitidas pela Atvos, com garantia de 20% de participação acionária na companhia.

O Santander, que já esteve à frente de uma tentativa de venda da Atvos em 2016, pode retomar o mandato, depois que o plano de recuperação estiver homologado pelo juiz.

Muitos profissionais do mercado consideram boas as nove usinas da Atvos, embora apontem problemas na localização de seus canaviais. O fato é que, diz um interlocutor, a empresa precisa urgentemente de recursos para renovar seu canavial.

Paralelamente, a Planner apelou contra a decisão de blindar as ações da Atvos contra execução de credores. A Justiça havia aceitado o argumento de que ela é essencial à recuperação do grupo. As ações da Ocyan e da Braskem também ficaram protegidas. No entanto, a Justiça liberou credores com ações da Braskem para executar a garantia. Procurados, Atvos, Santander e Planner não comentaram.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements