Menu
2019-09-05T22:18:57-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Olha ela!

Seminovos podem deixar de ser “calcanhar de Aquiles” da Movida, para Bradesco BBI

A expectativa é que a empresa consiga atingir o equilíbrio da margem de potencial geração de caixa (Ebitda) no quarto trimestre deste ano, o que é bastante positivo

5 de setembro de 2019
17:44 - atualizado às 22:18
RENATO FRANKLIN – MOVIDA
O CEO da Movida, Renato Franklin me explica as novidades que a empresa prepara para o próximo ano - Imagem: Leo Martins/SEU DINHEIRO

A melhora gradual na margem do segmento de seminovos da Movida (MOVI3) nos últimos trimestres chamou a atenção dos analistas do Bradesco BBI.

Em relatório enviado a clientes do banco nesta semana, os especialistas destacaram que a locadora de carros poderia alcançar o equilíbrio (breakeven) da margem Ebitda já no último trimestre deste ano.

Na prática, tal medida significa que a companhia conseguiria ter maior eficiência na capacidade de potencial geração de caixa. Na visão deles, com isso os papéis da Movida poderiam ter uma valorização de 29% e o preço-alvo das ações em 12 meses seria de R$ 20.

Os analistas também disseram que havia "um desconto excessivo de 48% da Movida e que os seus pares estavam com um desconto menor, de 37%.

Nesta quinta-feira (5), as ações terminaram cotadas em R$ 15,99, uma alta de 4,85%.

O movimento seria extremamente positivo para a Movida, porque a margem Ebitda negativa dos seminovos tem sido um dos "calcanhares de Aquiles" da companhia há tempos. No último trimestre, esse indicador fechou em -1,8%.

Mais novos e a preços melhores

Entre os motivos para que os analistas estejam mais positivos com companhia está o fato de que a empresa passou a vender carros mais novos e com isso, conseguiu preços melhores na venda.

A melhora estaria atrelada a três fatores: nova estratégia de considerar variações nos preços segundo a quilometragem e de customizar isso para cada loja; melhora na gestão dos inventários; estabelecimento de um processo padrão com métricas formais e ligações diárias, além da implementação de um novo sistema de gestão e relacionamento com o cliente (CRM).

Um dos pontos que mostram a melhora é o crescimento no volume de vendas de seminovos. No segundo trimestre deste ano, montante chegou a 16 mil carros, o que representa um aumento de 83%, ante o mesmo período do ano passado.

Segundo os analistas, os dados mostram que a companhia teve o terceiro trimestre consecutivo de expansão no volume de seminovos, após a implementação de nova estratégia em agosto de 2018.

Melhor retorno

E não é só isso. Na visão dos especialistas, ao atingir o equilíbrio da margem Ebitda, a expectativa é que a locadora também aumente em 13% o seu retorno sobre capital investido (ROIC).

De forma mais simplificada, a melhora faria com que organização tivesse maior capacidade de gerar dinheiro com o capital total que foi investido nela, o que é bastante positivo.

Apenas para fins de comparação, esse indicador terminou o período o segundo trimestre deste ano em 10,7%.

Com isso, a expectativa é que esse retorno também leve a uma reavaliação do valor da firma. Os especialistas projetam que o valor da firma (EV) dividido pelo potencial de geração de caixa (EV/Ebitda) passaria de 12 vezes para 7,5 vezes. Ou seja, a ação ficaria mais atraente.

De olho na controladora

Diante das boas perspectivas para a companhia com o crescimentos dos seminovos, os analistas aumentaram também o preço-alvo da controladora da Movida, a JSL.

Hoje, a companhia detém 55,1% dos papéis da locadora. Recentemente, ela reduziu sua participação acionária por meio da oferta subsequente feita pela Movida.

Por conta do novo valor dado a Movida e de procedimentos relacionados à oferta secundária, os especialistas estipularam um preço-alvo em 12 meses de R$ 20 para os papéis da JSL, antes o valor era de R$ 18.

Na visão deles, os papéis da JSL podem ter uma valorização de 12%. Nesta quinta-feira, as ações da JSL terminaram o pregão cotadas em R$ 18,30, uma queda de 1,34%.

Os analistas ainda reiteraram as recomendações de compra tanto para as ações da Movida quanto para as da JSL.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Urgente

Guilherme Boulos é diagnosticado com Covid-19

As agendas de campanha foram todas suspensas, e a coordenação da campanha vai propor à TV Globo que o último debate, previsto para hoje, seja feito de forma virtual.

Novidade no mercado

CMN: corretora de título e valor mobiliários pode prestar serviço de pagamento

Com isso, as SCTVM e SDTVM deverão optar entre a manutenção das atuais contas de registro ou a utilização de contas de pagamento.

Novidades na bolsa

B3 vai lançar 37 BDRs de fundos de índices estrangeiros (ETF)

Com os novos BDRs, os investidores brasileiros poderão ficar expostos à variação de uma série de fundos que acompanham índices estrangeiros sem sair da B3

Retorno

Vale consegue licença para retomar operações em Serra Leste, no Pará

As operações estão paralisadas desde janeiro de 2019, após a mineradora ter atingido o limite da área até então licenciada para extração de minério de ferro.

Revolucionário

Média de tempo de transações do PIX deve estar entre 2 e 3 segundos, diz BC

Lançado em 16 de novembro, o PIX permite pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies