Menu
2019-11-07T18:47:25-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Agradou

Mercado gosta do que vê e ações da Movida sobem forte após balanço

Com uma expansão de 45,8% no lucro líquido e um crescimento de 60,6% no potencial de geração de caixa (Ebitda) no terceiro trimestre, as ações da Movida (MOVI3) terminaram o pregão desta quinta-feira cotadas em R$ 16,29, uma alta de 3,89%

7 de novembro de 2019
12:14 - atualizado às 18:47
RENATO FRANKLIN – MOVIDA
O CEO da Movida, Renato Franklin me explica as novidades que a empresa prepara para o próximo ano - Imagem: Leo Martins/SEU DINHEIRO

Depois de apresentar um resultado bastante forte após o fechamento da bolsa ontem (6) e reafirmar que está cada vez mais perto de resolver o seu maior "calcanhar de Aquiles", os números da Movida (MOVI3) animaram bastante o mercado nesta quinta-feira (7).

Um dia após a divulgação de seu balanço, as ações da Movida terminaram o pregão cotadas em R$ 16,29, o que representa uma expansão de 3,89%. Na ocasião, a companhia encerrou o terceiro trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 60,2 milhões, o que representa uma alta de 45,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

Outro indicador que mostrou maior robustez foi o potencial de geração de caixa (Ebitda), que alcançou o maior valor registrado pela companhia em sua história. No terceiro trimestre, o Ebitda encerrou o período em R$ 191,8 milhões, o que significa uma alta de 60,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

A receita líquida, por sua vez, também veio forte e terminou o período em R$ 960,8 milhões, uma expansão de 57,1% ante o mesmo período de 2018. Na previsão dos analistas consultados pela Bloomberg, o indicador ficaria em R$ 942,2 milhões.

Confira agora os principais pontos ressaltados pelos analistas de grandes bancos sobre o balanço apresentado pela Movida:

Bradesco BBI

"Superando os touros"

Na avaliação de Victor Mizusaki, a Movida reportou um potencial de geração de caixa (Ebitda) forte de R$ 192 milhões. O resultado para o indicador superou em 12% as estimativas do Bradesco e em 16% as expectativas do mercado.

Entre os destaques estão a subida de 2% no preço diário do segmento de aluguel de carros (RAC) no terceiro trimestre de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado. Além disso, o retorno sobre capital investido (ROIC) aumentou 0,3 pontos percentuais na comparação ano a ano.

Mas o ponto mais importante foi a evolução da margem Ebitda que terminou o terceiro trimestre negativa em 0,5%, mas que obteve uma melhora de 6,3 pontos percentuais, isso descontando os efeitos IFRS.

Diante dos números apresentados pela companhia no balanço de ontem (6), Mizusaki manteve a recomendação para ação como acima da média do mercado (outperform), mas aumentou o preço-alvo em 12 meses para os papéis de R$ 20 para R$ 21.

Recomendação: acima da média do mercado (outperform) ou compra

Preço-alvo: R$ 21

Potencial de alta: 34% em relação ao fechamento da última quarta-feira (6)

 

Itaú

"Resultados sólidos no terceiro trimestre de 2019".

Na visão das analistas Renata Faber, Thais Cascello, Julia Hupperich, o destaque também foi a virada do segmento de seminovos.

Segundo elas, a melhora substancial na operação de Seminovos, aliada ao dinheiro que entrou no caixa da empresa com o follow-on feito em julho podem fazer com que "a Movida acelere o seu crescimento e consolide a sua posição entre as top 3 locadoras no Brasil.

Ao falar sobre os múltiplos atualizados da empresa, as analistas do Itaú projetaram que a relação entre o valor da firma (EV) e o potencial de geração de caixa (Ebitda) também teria uma queda até 2022. Na prática, quanto menor esse múltiplo, mais atraente se encontra a ação.

Para elas, o múltiplo EV/Ebitda terminaria este ano em 11,1 vezes e poderia chegar a 8,0 vezes até 2022.

Recomendação: acima da média do mercado (outperform) ou compra

Preço-alvo: R$ 20

 

Safra

"Excelente performance no terceiro trimestre de 2019, reforçando a recomendação para o papel como acima da média do mercado (outperform)".

Assim como pontuaram os especialistas anteriores, os analistas Luiz Peçanha e Gabriela Moraes do Safra disseram que o maior destaque foi a recuperação da margem Ebitda no segmento de Seminovos.

Além disso, eles destacaram o crescimento no setor de aluguel de carros (RAC) e a aceleração da margem Ebitda também no segmento de gestão e terceirização de frotas (GTF) como pontos fortes do balanço da Movida no terceiro trimestre.

Recomendação: acima da média de mercado (outperform) ou compra

Preço-alvo: R$ 22,50

 

BTG

"Mais forte do que o esperado; uma batida nas estimativas"

Para os analistas Renato Mimica e Lucas Marquiori, os resultados do terceiro trimestre da Movida mostram uma mensagem forte da companhia em termos de execução dos negócios, o que deve ajudá-la na redução dos riscos do investimento.

Segundo eles, os números da companhia também apontam que o balanço está de volta à sua forma original e que por isso optaram por manter a recomendação de compra para os papéis.

"A nossa recomendação de compra reflete a nossa visão construtiva com o setor, baseada no sólido crescimento de pilares como elasticidade do preço, mudanças culturais e de hábitos [dos brasileiros] e uma maior consolidação do setor".

Recomendação: acima da média de mercado (outperform) ou compra

Preço-alvo: R$ 21

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Em baixa

Índice alemão IFO de sentimento das empresas sobe levemente em fevereiro

Resultado surpreendeu negativamente analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico e faz as bolsas globais despencarem

A aversão ao risco toma conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta à chegada do coronavírus à Europa. As bolsas do velho continente despencam e os futuros de NY caem forte

Hora de mudar

Doria diz que Brasil deve se reposicionar sobre política ambiental

Governador paulista vê risco de o país ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais

Dinheiro no bolso

Bancos distribuem R$ 52 bilhões em dividendos a seus acionistas em 2019

Para este ano, porém, o valor dos dividendos pode ser menor por conta do menor volume de crédito fornecido pelos grandes bancos

Surto mundial

Aústria interrompe tráfego de trens para a Itália por receio do coronavírus

Casos italianos da doença aumentaram para pelo menos 152, o maior número fora da Ásia

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements