Menu
2019-10-29T14:47:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
FINAL ROUND

Microsoft deixa Amazon para trás e garante contrato JEDI de US$ 10 bi com o Pentágono

Empregados da Microsoft estão protestando a decisão da empresa de prestar os seus serviços para a modernização do braço militar americano. No Twitter, um grupo de funcionários chegou a afirmar que não concordava com a cumplicidade da empresa em ‘aumentar a letalidade’ do Departamento de Defesa dos EUA

29 de outubro de 2019
11:06 - atualizado às 14:47
Pentágono
Pentágono - Imagem: Shutterstock

Em uma disputa de duas gigantes do mundo da tecnologia, a Microsoft levou a melhor e derrotou a Amazon para conquistar um contrato de US$ 10 bilhões com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

O contrato, chamado de plano de Infraestrutura do Departamento de Empreendimento conjunto (JEDI, na sigla em inglês), é um projeto de computação militar. A ideia é utilizar a tecnologia em nuvem para armazenar e processar dados confidenciais. Com isso, o Pentágono poderia usar inteligência artificial para acelerar o seu planejamento de guerra e capacidade de combate.

A Amazon, atual líder do mercado de serviços em nuvem,  era a grande favorita para arrebatar o contrato bilionário, que prevê a prestação de serviços de computação em nuvem e suporte de parte das comunicações e dados do Departamento Defesa americano. A empresa possuí uma base maior de serviços na área e já havia fechado contratos semelhantes com a CIA.

Segundo informações da Bloomerg, a Amazon planeja contestar o resultado, citando a interferência do presidente Donald Trump no processo final da licitação e sua comprovada superioridade no segmento contra os serviços da Azzure.

Após o Pentágono anunciar na última sexta-feira (25) que a Microsoft havia conquistado o contrato JEDI de computação em nuvem, as ações da companhia atingiram um novo recorde intraday na segunda-feira (28),  chegando a subir 3,5% com relação ao fechamento da semana passada.

Com isso, a empresa se coloca como real alternativa aos serviços da Amazon, normalmente a primeira escolha quando o assunto é computação em nuvem, e ganha força entre investidores e possíveis novos clientes.

Mas nem tudo são flores para a vencedora. Empregados da Microsoft estão protestando a decisão da empresa de prestar os seus serviços para a modernização do braço militar americano. No Twitter, um grupo de funcionários chegou a afirmar que não concordava com a cumplicidade da empresa em 'aumentar a letalidade' do Departamento de Defesa dos EUA.

Mesmo com os protestos, a companhia afirma que continuará em busca de contratos com o governo e serviços militares. A Microsoft ainda entrará em novos processos de licitação para um outro contrato com o Departamento de Defesa, que envolve plataformas em nuvem para e-mails e softwares colaborativos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies