Menu
2019-04-20T10:58:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

O que preocupa gestores de US$ 12 trilhões e uma oportunidade para o Brasil

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está à procura de retornos atrativos

20 de abril de 2019
5:17 - atualizado às 10:58
investimento brasil
Imagem: Shutterstock

Recebi do Instituto Internacional de Finanças (IIF) uma pesquisa feita com grandes investidores institucionais, que seguem preocupados com uma desaceleração na China e efeitos da guerra comercial. No entanto, também é possível verificar uma boa oportunidade para o Brasil, já que eles se mostram dispostos a fazer novos aportes no setor de infraestrutura.

A IIF congrega 450 membros de mais de 70 países, dentre eles há investidores institucionais como fundos de pensão e fundos soberanos, que tomam decisões de investimento com maturação de anos e anos. Eles não são numerosos, mas concentram um volume de recursos relevante. No caso em questão foram ouvidos 17 deles, mas que são responsáveis por mais de US$ 12 trilhões, algo como seis vezes o PIB do Brasil.

Outro resultado interessante da pesquisa é que entre as principais preocupações dessa classe de investidor estão pontos que o Brasil tenta melhorar, justamente para atrair investimentos.

São eles: marco regulatório alinhado às práticas internacionais, um ambiente de negócios mais amigável e um mercado financeiro mais desenvolvido. Além disso, também é demandado um estoque de projetos críveis, o desenvolvimento de mercados secundários e maior proteção aos credores.

Essas demandas todas conversam com o trabalho que vem sendo feito pelos Ministérios da Infraestrutura, Economia e Banco Central (BC).

Na Infraestrutura, os técnicos reavaliam o formato de contratos e, dando sequência a um trabalho iniciado no governo Michel Temer, já conseguem leiloar portos, aeroportos e ferrovias.

Na Economia, o grande desafio é a reforma da Previdência, mas em paralelo estão sendo desenhadas medidas para melhorar o ambiente de negócios, reduzindo burocracias, e diminuir entraves para o funcionamento do mercado.

O BC de Campos Neto tem uma agenda de democratização, que busca ampliar a capacidade do mercado financeiro em prover recursos para o setor produtivo. Diminuir barreiras de entrada e rever custos de regulação são coisas que estão acontecendo.

Um sinal positivo nesse sentido foi a rápida autorização dada pelo governo para que o Banco Inter tenha até 100% de capital estrangeiro. Pedidos como esse chegavam a ficar anos nas gavetas da Casa Civil.

Além disso, o país prepara uma das maiores rodadas de leilão de petróleo do mundo. O bônus de assinatura do excedente do pré-sal será de R$ 106 bilhões, mas há também ganhos posteriores em investimentos e recolhimento de royalties e impostos.

A pesquisa mostra que as agendas de investidor e investido conversam. A grande questão é o “timing”, o quão rápido o Brasil consegue avançar nessa agenda liberal e de abertura econômica.

Estamos vendo que no que depender do Congresso nada será fácil, então o governo e os Ministérios têm de acelerar as ações que não passam pelo campo político. Como já disse Paulo Guedes, o Brasil tem pressa e não se pode ficar esperando apenas a aprovação da Previdência.

O país tem que abocanhar trilhão ou menos centenas de bilhões desse dinheiro que está e estará à procura de retornos atrativos em um mundo de juro baixo e no qual outros competidores emergentes sofrem crises infindáveis ou já estão no fim de ciclo.

Emergentes

A pesquisa também mostra um melhor no apetite dos grandes investidores por ativos de mercados emergentes em comparação com a sondagem anterior, de 2018. O foco está em ativos denominados em moedas fortes, como emissões externas.

Já o apetite por ações e dívida soberana deve ter crescer moderadamente nos próximos 12 meses, mesmo com esses investidores antecipando uma redução na demanda por ativos de países desenvolvimentos (ações e dívida) em função da crescente preocupação com a qualidade do crédito.

Outro tema em voga entre esses investidores são investimentos com foco ambiental, social e de elevada governança (ESG). Segmento que também tem grande potencial por aqui.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

LIÇÕES SOBRE INVESTIMENTOS

Senna, o barbeiro de Mônaco, já tocou minha campainha

Mesmo os tricampeões mundiais cometem erros de vez em quando. Neste texto, Felipe Paletta mostra como a inteligência emocional pode contribuir com você para tomar melhores decisões de investimentos. Dimensionando o risco, você pode ir mais longe.

Impacto do coronavírus

Balança comercial tem superávit de US$ 4,548 bilhões em maio, queda de 19,1%

Com queda nas exportações e, em menor volume, nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio

Retorno das operações

32 shoppings reabrem no interior de SP e país já tem 211 ativos, diz Abrasce

Com a flexibilização das regras para retomada das atividades comerciais no Estado de São Paulo, 32 shopping centers foram reabertos nesta segunda-feira, 1º, todos no interior, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Shopping Centers

Mudança de sentimento

Fluxo de capital para emergentes fica positivo em US$ 4,1 bilhões em maio, diz IIF

O resultado, porém, é inferior aos US$ 18,6 bilhões de abril. De qualquer modo, o IIF diz em relatório que houve nas últimas semanas uma “mudança de sentimento” em relação a esses países

Volta de atividades

Volkswagen retoma produção em São Bernardo do Campo em um turno

A fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo voltou a produzir nesta segunda-feira, 1º de junho, depois de dois meses em que a operação ficou suspensa por causa da pandemia do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements