Menu
2019-10-10T16:14:44-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Siga o dinheiro

IIF projeta fluxo de US$ 760 bilhões para emergentes em 2020

Agora em 2019, valor projetado é de US$ 704 bilhões. Instituição prevê crescimento global de 2,6% neste ano, menor desde 2012

10 de outubro de 2019
16:14
mercados emergentes
Imagem: Shutterstock

A expectativa é de menor crescimento mundial agora em 2019, mas esse vetor não deve afetar o fluxo de recursos para os mercados emergentes, que se beneficiam dos cortes de juros feitos pelos principais Bancos Centrais globais e pela busca por retorno dos investidores em um ambiente de juros negativos.

Segundo estudo do Instituto Internacional de Finanças (IIF), a economia mundial deve crescer 2,6% agora em 2019, menor leitura desde 2012, após alta de 3,2% em 2018. Para 2020, a projeção é de breve aceleração para 2,8%, puxada pelos emergentes. As revisões para baixo foram lideradas  pelos países desenvolvidos. O Brasil deve crescer 0,9% neste ano e 2,1% em 2020, nas contas do instituto.

Mesmo com crescimento menor, o IIF estima que o fluxo de recursos para emergentes (desconsiderando a China) será de US$ 704 bilhões neste ano, maior que os US$ 626 bilhões de 2018. Para 2020, a projeção é de novo avanço para US$ 760 bilhões. Para dar mais um parâmetro, 2017 teve US$ 817 bilhões.

Olhando as projeções para o fluxo de portfólio, voltado para ações e dívida emergente, a projeção é de alta de US$ 82 bilhões em 2018 para US$ 185 bilhões agora em 2019 e US$ 208 bilhões em 2020.

O IIF avalia que apesar de alguma melhora no sentimento com relação ao mercado de ações emergentes, um aumento muito forte no fluxo para esse segmento de mercado deve ser dificultado em função do grande volume de “hot money” que já foi aportado nos últimos dez anos. Assim, os aportes no mercado de dívida devem continuar preponderando.

BCs e risco

Na avaliação do IIF, os cortes de juros feitos pelos BCs em âmbito global dão suporte à exposição dos investidores aos ativos de risco. Há outros dois vetores que influenciam o comportamento dos mercados emergentes: a guerra comercial, que acentua a volatilidade, e fatores técnicos, como o balanceamento de índices globais, como o MSCI.

Embora eventos locais influenciem cada um dos mercados, o IIF chama atenção para o impacto dos vetores globais, especialmente nos fluxos de renda fixa. Com cerca de US$ 15 trilhões alocados em ativos de juro negativo, os investidores estão buscando retornos, expandindo exposição a dívidas emergentes e outros mercados.

Nas suas conclusões, o IIF se diz cautelosamente otimista com o fluxo de capitais para emergentes no fim de 2019 e 2020. Não há dúvida de que vulnerabilidades financeiras se acumularam nos anos de juros baixos. Assim, uma queda mais acentuada do crescimento mundial pode resultar em nova rodada de instabilidade.

O IIF também chama atenção para o comportamento sincronizado dos preços dos ativos emergentes, o que traz algumas preocupações com movimentos de contágio. No entanto, se as tensões comerciais se aliviarem, as boas condições globais de liquidez ajudarão a impulsionar o fluxo de recursos para emergentes.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Entrevista exclusiva

Os planos do Banco Bmg para crescer no digital e recuperar o preço das ações na B3

Ruídos envolvendo o Bmg ainda afetam as ações do banco um ano após o IPO na B3. Mas a CEO da instituição enxerga as cotações atuais como uma oportunidade e fala sobre avanço do banco digital

a hora e a vez do rali do câmbio

Dólar cai forte e fecha no menor nível desde julho; confira 5 razões para a queda da moeda

A moeda americana terminou novembro em queda firme e iniciou dezembro da mesma forma, tombando 2%. O que explica esse movimento? O Seu Dinheiro explica

dados do ministério da saúde

Covid-19: Brasil tem 173,8 mil mortes e 6,38 milhões de casos

Em 24 horas, foram registrados 50.909 diagnósticos positivos para a doença

pandemia

Vacinação contra covid-19 deve começar com profissionais da saúde, idosos e indígenas

Proposta preliminar foi discutida em reunião realizada hoje (1º) com a participação do Ministério da Saúde e outras instituições

seu dinheiro na sua noite

Onde eu devo investir meu dinheiro agora?

A pergunta do título é talvez a que eu mais ouço de amigos, parentes e colegas por trabalhar na cobertura de finanças e investimentos. Tenho certeza de que não é muito diferente para aqueles que trabalham no mercado financeiro como analistas, operadores e consultores financeiros e de investimentos. Esteja o profissional credenciado para dar recomendação […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies