2019-01-04T14:53:39-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Fundos de ações emergentes receberam US$ 70,5 bilhões em 2018

Dados são da EPFR Global que também mostrou que Brasil ficou com apenas US$ 588 milhões

4 de janeiro de 2019
14:53
Imagem: Shutterstock

Na avaliação da EPFR Global, o fluxo de recursos para os mercados de ações emergentes foi surpreendentemente robusto em 2018. Os ingressos aconteceram mesmo com uma mistura de notícias potencialmente negativas, como queda no preço das commodities, aperto monetário nos EUA, guerra comercial, eleições na América Latina e sinais de menor crescimento da China.

Os dados preliminares para o ano mostram que todos os fundos emergentes acompanhados levantaram US$ 70,552 bilhões, sendo US$ 26,663 bilhões ao longo do último trimestre do ano. Em 2017, esses mercados tinham recebido aportes de US$ 84,723 bilhões (veja tabela abaixo). A EPFR acompanha mais de 100 mil fundos ao redor do mundo, com cerca de US$ 34 trilhões em ativos.

O destaque ficou com a categoria Ásia (excluindo Japão), com captação recorde de US$ 53,3 bilhões, ante US$ 24,9 bilhões em 2017. A consultoria chama atenção para os fundos da China que tiveram aporte recorde de US$ 34,9 bilhões, apesar da queda de 24% do índice da bolsa de Shanghai e evidências de forte desaceleração econômica ao longo do segundo semestre.

Brasil e México

Para a EPFR, a história de reformas econômicas, contada por dois “presidentes populistas” eleitos no Brasil e no México ajudou na captação de recursos não só em 2018, mas já neste começo de 2019, pois os fundos dedicados aos dois países seguem recebendo dinheiro novo.

Na abertura dos números por país, no entanto, os fundos voltados ao Brasil ficaram com apenas US$ 588 milhões, contra US$ 2,640 bilhões vistos em 2017.

Com desempeno melhor, os fundos voltados ao México receberam US$ 1,691 bilhão, resultado recorde, depois da perda de US$ 908 milhões em 2017.

 

Fluxo para emergentes selecionados. - Imagem: EPFR GLOBAL

Mercados desenvolvidos

Entre os mercados desenvolvidos, a captação total somou US$ 49,4 bilhões, forte recuo em comparação com os US$ 211,8 bilhões de 2017. O destaque ficou com os fundos do Japão, que levantaram a soma recorde de US$ 66,2 bilhões. Já os fundos dos EUA amargaram perda de 101,8 bilhões, depois de perda de US$ 34,8 bilhões em 2017.

A adoção de postura mais cautelosa dos investidores, principalmente no último trimestre do ano, transparece nos US$ 197 bilhões levantados pelos “Money Market Funds”, veículos de investimento de baixo risco e maior liquidez. No acumulado do ano, no entanto a categoria terminou com aportes de US$ 162 bilhões, abaixo dos US$ 173,7 bilhões de 2017.

Fluxo para países desenvolvidos e emergentes. - Imagem: EPFR Global
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia morno com exterior negativo, mas termina semana com ganho de 1,88%; dólar fecha em alta, mas acumula queda de 1,05% no período

Bolsa terminou o dia em baixa, com dólar e juros em alta, com piora no exterior e preocupações fiscais

CASOS DE FAMÍLIA

Elon Musk pega pesa pesado com o Twitter após integração de NFTs; veja o que o bilionário falou

Rede social passou a permitir que usuários do iOS, sistema da Apple, utilizassem os chamados tokens não fungíveis como fotos de seus perfis