Menu
2019-08-14T17:32:38-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Emprestar R$ 10 para receber R$ 8? Aceito, dependendo da moeda!

Ajuste de mais de US$ 15 trilhões que estão aportados em títulos com rendimento negativo pode acontecer na cotação das moedas

14 de agosto de 2019
15:56 - atualizado às 17:32

Tenho uma proposta imperdível: você me empresta R$ 100 hoje e te devolvo R$ 90 dentro de alguns anos. Você topa? Creio que a resposta será um “não” ou o nosso popular “está de brincadeira”. Mas no mundo, hoje, os donos de US$ 15 trilhões têm certeza de que esse é um bom negócio.

Esses US$ 15 trilhões representam o estoque de recursos que está alocado em ativos que estão com juro negativo. Algo bastante contra intuitivo tendo em vista que o normal é emprestar dinheiro para ter mais dinheiro ao longo do tempo. Ou ao menos não ver a inflação corroer seu poder de compra.

Estudiosos da academia e dos mercados também buscam explicações e algumas delas passam pelo envelhecimento da população, menor necessidade de capital para financiar projetos tecnológicos, desequilíbrios causados pela política de juro baixo e compra de ativos pelos Bancos Centrais.

Essa é uma excelente e infindável discussão, mas o ponto que quero colocar aqui é o seguinte: eu aceitaria perder 10% do principal dependendo da moeda que será feito o pagamento. E você?

Juros x câmbio

A ideia para essa conversa veio da leitura de um relatório feito por Russell Clark, da Horseman Global, que avalia que a taxa de retorno (yields) dos títulos governamentais também embutiria uma perspectiva de longo prazo para as taxas de câmbio.

O assunto parece complexo, mas um exemplo vai nos ajudar a entender qual o ponto dessa discussão e como isso também pode vir a ter reflexos sobre a cotação do dólar, real, yuan e demais moedas globais.

O exemplo dado pela casa de gestão é o do título de 10 anos da Suíça, com retorno negativo de 1%. Isso quer dizer que o comprador terá uma perda de 10% do capital ao  manter o título em carteira até o vencimento.

Essa taxa pode estar refletindo a expectativa de qual será o juro definido pelo Banco Central da Suíça nesse horizonte de tempo. Mas a Clark acredita que pode ter uma avaliação sobre câmbio também.

Um investidor nos EUA pode achar que o retorno de 1,6% que está sendo pago por um papel de 10 anos do Tesouro não é suficiente para compensar a probabilidade de desvalorização do dólar. Então, ele prefere aportar recursos na Suíça, perder 10% do capital, e tomar parte em uma estimada valorização do franco suíço ante o dólar.

Deixando de lado cupom e taxas compostas, para essa tese de investimento ser verdade, teríamos de ver uma valorização de 26% do franco ante o dólar.

Quando maior a diferença entre os títulos dos EUA com os da Suíça, por exemplo, maior é o retorno esperado de se ficar comprado em franco e vendido em dólar.

De acordo com o relatório, algo semelhante já aconteceu nos mercados de títulos e moedas envolvendo Estados Unidos e Japão. Entre 2004 e 2005 o spread dos títulos se ampliou, prenunciando uma firme valorização do iene entre 2007 e 2011.

Tal relação também seria verdadeira para outros mercados. O exemplo dado é o da China, onde um título de 10 anos tem taxa de 3%. Mantendo o papel suíço como referência, teríamos uma valorização implícita do franco de cerca de 40% para compensar a perda de capital nominal.

“Se esta análise estiver correta, os atuais rendimentos dos títulos sugerem que uma substancial volatilidade cambial está prestes a surgir”, conclui Clark.

Agora, fica a provocação. Um contrato de juro futuro (DI) de 10 anos aqui no Brasil está na casa dos 7,4%. Qual seria a desvalorização implícita do real contra o franco? E se trocarmos o yield suíço pelo americano? E se a conta for feita contra o dólar? Se o dólar de fato se desvalorizar ante o franco, ele também se desvaloriza ante o real? Necessariamente os países com juros mais negativos terão a maior apreciação cambial?

A íntegra do relatório pode ser encontrada aqui.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

no zero a zero

Ibovespa zera ganhos no fim com queda em NY em meio à incerteza sobre estímulos

Dólar também encerra dia no zero a zero, demonstrando cautela dos investidores sobre pacote de ajuda à economia dos Estados Unidos, e juros futuros sobem com temor fiscal. Após pregão, saiu a notícia de que autoridades americanas estão mais próximas de um acordo

Dia de euforia

Bitcoin quebra recorde em reais e supera a marca dos R$ 70 mil

A moeda também rompeu a máxima do ano em dólar, cotada a mais de US$ 12 mil

Recorde

Arrecadação tem melhor resultado mensal em 6 anos

O resultado representa um aumento real (descontada a inflação) de 1,97% na comparação com o mesmo mês de 2019

Expandindo horizontes

Todo player olha privatização dos Correios com interesse, diz presidente do Magazine Luiza

Frederico Trajano disse que todas as aquisições recentes da companhia fazem parte de uma estratégia de ecossistema do grupo.

Hortifruti na bolsa

Grupo Fartura, dono do Oba Hortifruti, protocola pedido de IPO

Varejista quer fazer oferta primária e secundária de ações e se listar no Novo Mercado, nível mais alto de governança da bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies