⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-10-14T14:34:34-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Sem energia

Após quase dois meses, o Ibovespa ficou sem bateria e perdeu os 100 mil pontos

As tensões comerciais entre EUA e China, somadas à incerteza em relação à economia global,, continuaram afetando negativamente o Ibovespa

15 de agosto de 2019
10:34 - atualizado às 14:34
Bateria fraca
Ibovespa ficou sem energia e perdeu o patamar dos 100 mil pontos; dólar recua e fica abaixo dos R$ 4,00Imagem: Shutterstock

Em 19 de junho, o Ibovespa finalmente conseguiu encerrar um pregão acima dos 100 mil pontos — uma marca simbólica que foi amplamente comemorada pelos agentes financeiros. Desde então, mesmo nos momentos de maior instabilidade, o índice sustentou-se no patamar dos três dígitos, mantendo níveis elevados de energia.

Só que, nesta semana, a bolsa brasileira precisou lidar com inúmeros — e intensos — focos de pressão, com destaque para a guerra comercial e a desaceleração econômica global. E, num cenário tão demandante, a bateria do Ibovespa não foi suficiente para manter o índice com um desempenho tão alto.

Assim, quase dois meses depois de conquistar os 100 mil pontos, o Ibovespa perdeu a marca nesta quinta-feira (15), encerrando em baixa de 1,20%, aos 99.056,91 pontos — ao todo, foram 38 sessões consecutivas em terreno centenário. E olha que o índice conseguiu se afastar do momento de maior tensão, quando chegou a cair 2,05%, aos 98.200,36 pontos.

O dólar à vista, por outro lado, teve um dia de alívio: a moeda americana encerrou o dia com baixa de 1,21%, a R$ 3,9901 — na mínima, bateu os R$ 3,9808 (-1,97%).

O que explica essa disparidade nos dois ativos? Ao contrário de ontem, quando uma onda generalizada de pessimismo tomou conta dos mercados globais, a sessão desta quinta-feira contou com uma série de fatores que exerceram influências diferentes sobre o Ibovespa, o dólar e as bolsas mundiais.

Embora a cautela tenha permanecido elevada nas negociações no exterior, fatores locais foram fundamentais para ditar o rumo dos ativos domésticos — trazendo mais pressão à bolsa brasileira, mas despressurizando o dólar.

Sinais, fortes sinais

Comecemos, então, pelo exterior, uma vez que o panorama global serve de pano de fundo para os mercados como um todo. E, lá fora, os agentes financeiros continuaram tensos nesta quinta-feira, dados os novos desdobramentos das disputas comerciais entre Washington e Pequim.

Logo no início do dia, o governo chinês elevou o tom no diálogo com os americanos: o Ministério de Finanças da China disse que o país precisa tomar "contramedidas necessárias" à imposição de tarifas de importação pelos Estados Unidos.

Essa sinalização do governo chinês não caiu bem nos mercados — há um temor crescente de que a guerra comercial poderá resultar numa desaceleração brusca da economia global. Além disso, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) segue mantendo a moeda do país em níveis fracos: o dólar continua acima da faixa de sete yuans.

Essa escalada nos atritos entre americanos e chineses afetou especialmente o mercado de commodities nesta quinta-feira: o minério de ferro fechou em forte baixa de 2,51% na China e o petróleo teve uma sessão de perdas expressivas, tanto o Brent (-2,10%) quanto o WTI (-1,38%).

"A apreensão com a China bate muito nas commodities, e a gente sente mais esse efeito por causa da Petrobras e da Vale", destacou Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos, lembrando que o gigante asiático é um dos grandes consumidores globais de minério e petróleo, e uma desaceleração da economia do país implica numa queda da demanda global por esses produtos.

Além de toda essa dinâmica de cautela e retração nas commodities, os mercados também passaram o dia atentos às curvas de rendimento dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, buscando sinais que poderiam indicar uma possível recessão da economia americana no horizonte. E, em determinados momentos da sessão, esses indícios apareceram.

O retorno dos títulos de 30 anos agora está abaixo de 2%, muito perto das mínimas históricas. Esse fenômeno pode ser interpretado como um sinal de que os investidores estão preocupados com o risco de recessão nos EUA, uma vez que o baixo rendimento de tais ativos indica que o mercado tem dúvidas quanto às perspectivas econômicas e prefere não se comprometer com investimentos de longo prazo.

Outro sinal de alerta vem dos títulos do Tesouro de 10 anos, que chegaram a ter rendimentos inferiores a 1,5% ao longo do dia, embora tenham voltado a aparecer acima desse nível no fim da tarde. Vale ressaltar, ainda, que os ativos de 10 anos voltaram a ter retorno superior aos de três anos, revertendo a tendência vista ontem.

Com tais sinalizações em mente, as bolsas americanas passaram boa parte da sessão oscilando ao redor da estabilidade, sem mostrar uma tendência clara. Por um lado, analistas afirmaram que o clima ainda é muito nebuloso, mas, por outro, ponderaram que não houve um novo fator amplamente negativo para o cenário econômico mundial.

Beyruti, da Guide, também ressalta que dados referentes à economia americana divulgados mais cedo mostraram que a atividade nos EUA ainda não sente uma desaceleração em maior magnitude, contrastando com os números referentes às economias da China e da Alemanha.

A produção industrial dos EUA caiu 0,2% em julho ante junho, o índice de confiança das construtoras do país subiu a 66 em agosto e os estoques das empresas ficaram estáveis em junho ante maio — resultados que, se não geraram otimismo, também não desencadearam uma nova onda de pessimismo.

Considerando todos esses fatores, o Dow Jones teve alta de 0,39% e o S&P 500 subiu 0,25%, recuperando parte das perdas de ontem. Já o Nasdaq não acompanhou as demais bolsas americanas: fechou em queda de 0,09%.

E o Ibovespa?

Apesar de os mercados acionários terem conseguido se segurar perto da estabilidade, a bolsa brasileira não teve o mesmo fôlego. Em primeiro lugar, o Ibovespa é muito dependente dos papéis ligados ao setor de commodities — Petrobras, Vale e siderúrgicas possuem um peso grande na composição do índice.

Assim, com as commodities em baixa, Petrobras PN (PETR4) caiu 2,77%, Petrobras ON (PETR3) recuou 2,21%, Vale ON (VALE3) teve queda de 2,21%, CSN ON (CSNA3) fechou com perda de 3,20%, Gerdau PN (GGBR4) desvalorizou 3,38% e Usiminas PNA (USIM5) retraiu 4,37%.

Mas outros fatores também contribuíram para explicar a queda do Ibovespa e o mau desempenho desses papéis. Um operador pondera que, nas últimas semanas, o índice vinha conseguindo defender o patamar psicológico dos 100 mil pontos, mesmo nos momentos mais turbulentos no Brasil e no exterior.

Mas, logo pela manhã, a bolsa brasileira deu indícios de que não conseguiria sustentar a casa dos três dígitos — o que disparou um movimento correção dos ativos. "Temos um conjunto de fatores: começa pela preocupação maior lá fora com a eventual recessão, passa pela guerra comercial e termina com um ajuste nosso", diz o operador.

Por fim, um último fator doméstico foi citado por analistas e outros agentes de mercado: a divulgação, pelo jornal O Estado de S. Paulo, de trechos da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci que citavam diversas empresas, como Itaú Unibanco, Bradesco, Ambev e Vale.

E, embora nenhum dos ativos dessas empresas tenha passado por uma piora vertiginosa após a divulgação da delação, a novidade contribuiu para piorar o humor dos mercados.

Alívio no dólar

O dólar à vista, por outro lado, manteve-se em baixa durante quase toda a sessão e conseguiu terminar abaixo do nível dos R$ 4,00. E, embora o mercado de câmbio tenha tido um dia mais tranquilo no exterior, boa parte desse movimento pode ser creditado a um anúncio feito ontem pelo Banco Central (BC).

A autoridade monetária voltará a oferecer dólares no mercado à vista, algo que não acontecia desde fevereiro de 2009 — as intervenções começam na próxima quarta (21). Em comunicado, o BC diz que levou em conta a conjuntura econômica atual e o aumento da demanda de liquidez para tomar a decisão.

Vale lembrar que, há um mês, o dólar à vista estava na faixa de R$ 3,75. Desde então, a moeda americana tem passado por uma forte onda de valorização, em meio à escalada das tensões comerciais entre EUA e China — conjuntura que também penalizou as demais moedas de países emergentes.

Juros estáveis

Apesar do alívio no dólar à vista, o clima de maior apreensão nos fronts doméstico e internacional fizeram com que as curvas de juros permanecessem relativamente estáveis nesta quinta-feira, tanto na ponta curta quanto na longa.

Os DIs com vencimento em janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 5,45% para 5,47%; no vértice mais longo, as curvas para janeiro de 2023 caíram de 6,47% para 6,46%, e as com vencimento em janeiro de 2025 recuaram de 6,95% para 6,94%.

Reta final

De volta ao Ibovespa, os mercados também reagiram aos últimos balanços da safra do segundo trimestre — e as ações que dominaram as pontas positiva e negativa do índice reagiram aos resultados das companhias.

Entre as maiores altas, destaque para JBS ON (JBSS3), em alta de 4,64%, após o frigorífico reverter o prejuízo visto no segundo trimestre do ano passado e registrar lucro de R$ 2,18 bilhões entre abril e junho de 2019.

No lado oposto, Ultrapar ON (UGPA3) e Sabesp ON (SBSP3) lideraram as baixas do Ibovespa, com quedas de 8,41% e 5,93%, respectivamente. A primeira reportou queda de 47% no lucro líquido, para R$ 127 milhões, enquanto a segunda reportou crescimento de 150% nos ganhos, para R$ 454,4 milhões — boa parte desse resultado, contudo, se deve à variação cambial no período.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ESTÁGIO E TRAINEE

Vivo, Bradesco e Shopee estão com vagas abertas para estágio e trainee; veja oportunidades com bolsas-auxílio de até R$ 8 mil

3 de outubro de 2022 - 18:38

Os processos seletivos aceitam candidaturas até o final de outubro, com início previsto a partir de janeiro de 2023

FECHAMENTO DO DIA

Eleições e rali em NY levam Ibovespa a saltar 5,5%; dólar anota a maior queda dos últimos quatro anos

3 de outubro de 2022 - 18:05

Qualquer que seja o resultado das eleições, uma peça chave para os próximos quatro anos do país já foi definida e agradou ao mercado

UM PASSO PRA TRÁS

Alívio para a libra: Reino Unido recua em parte do plano de impostos e moeda britânica sobe

3 de outubro de 2022 - 17:26

O medo de que o governo tivesse que pedir empréstimos massivos para pagar os cortes levou a libra na semana passada ao seu nível mais baixo em relação ao dólar desde 1985

EXPECTATIVA X REALIDADE

Eleições 2022: Pesquisas do Ipec e Datafolha erraram resultados das urnas em até 20 pontos percentuais nos estados

3 de outubro de 2022 - 16:57

As pesquisas acertaram que Lula despontaria na frente com o maior número de votos, mas erraram a ordem dos vencedores nos maiores colégios eleitorais do país

O MERCADO PÓS-ELEIÇÕES

Por que as ações das estatais disparam na B3 com o avanço da centro-direita nas eleições

3 de outubro de 2022 - 16:44

Na contramão das estatais, empresas do setor educacional passam por correção após Lula não conseguir vitória no primeiro turno

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies