Menu
2019-04-04T12:28:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC já chamou leilão de linha e com dólar a R$ 4 mercado questiona se tem mais por vir

Cenário externo não ajuda e por aqui ruído político intensifica a demanda por moeda americana

28 de março de 2019
9:43 - atualizado às 12:28
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

Um show de horror para o vendido e felicidade para o comprado na abertura do mercado de dólar, com o famoso “gap de abertura”, levando a moeda a piscar os primeiros negócios acima dos R$ 4,0, algo que não acontecia desse os tensos dias da eleição do ano passado.

Passado o “calor”, por volta das 9h40, a moeda subia 0,56%, a R$ 3,9766, mostrando que tem vendedor também no linha dos R$ 4.

O mundo está em modo de “aversão ao risco” ou “fuga para qualidade”, com o dólar ganhando força em âmbito mundial enquanto caem as taxas de juros dos títulos americanos. A preocupação é com uma recessão global.

Com impacto mais marcado para o Brasil e outros emergentes, a lira turca segue apanhando feio, com o BC da Turquia queimando reservas internacionais tentando desmontar as apostas contra a moeda turca. O país vem tomando medidas hostis ao capital externo.

O momento tem alguma semelhança com junho do ano passado, quando os emergentes também passaram por uma sacudida puxada por Turquia e Argentina e aqui também lidamos com a greve dos caminhoneiros.

Naquele momento, BC e Tesouro nacional atuaram em conjunto para dar saída aos investidores nos mercados que sempre têm a “porta pequena” quando alguém grita “fogo” no salão.

Ontem à noite, o BC já chamou um leilão de linha com compromisso de recompra. A oferta será de US$ 1 bilhão em dinheiro novo, algo que não acontecia desde o fim do ano passado. Antes, o BC já tinha dito ao mercado que faria a rolagem de US$ 3 bilhões em linhas que venceriam no começo de abril.

Esse recente comportamento do câmbio estará presente na entrevista que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, concede logo mais, por volta das 11 horas, para falar do Relatório de Inflação.

No lado interno, os desentendimentos entre Jair Bolsonaro e o Congresso, representado na figura de Rodrigo Maia também não ajudam. O presidente não parece disposto a ceder na sua relação com o Congresso, que fará corpo mole ou novas demonstrações de força como vimos nesta semana.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Amor e presentes

Demanda por crédito no País sobe 13% em maio, impulsionada por Dia das Mães

Índice Neurotech revela que o aumento das vendas no varejo, especialmente nas lojas de departamento e vestuário durante a data comemorativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies