Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-13T08:03:21-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Alô, alô balanços

Lucro líquido da Latam tem alta de mais de 120% e chega aos US$ 148,658 milhões no último trimestre de 2018

Ainda assim, a empresa teve maior gasto com combustível em 2018 com aumento de US$ 664 milhões nos custos e perda de US$ 157,7 milhões por conta da taxa cambial.

13 de março de 2019
7:36 - atualizado às 8:03
Avião da Latam
Imagem: Shutterstock

A companhia aérea Latam divulgou, ontem à noite (12), os resultados do quarto trimestre de 2018. A empresa registrou lucro líquido de US$ 148,658 milhões, o que representa um crescimento de 121,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Já na comparação anual, a Latam apresentou lucro líquido de US$ 181,935 milhões, ou seja, uma alta de 17,1%, quando comparado a 2017. O valor é o maior resultado desde a associação feita entre a Lan e a Tam.

Ainda assim, a empresa teve maior gasto com combustível em 2018 com aumento de US$ 664 milhões nos custos e perda de US$ 157,7 milhões por conta da taxa cambial.

No quesito Ebitda, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização do último trimestre do ano ficou em US$ 542,612 milhões, uma alta de 3,6%. Já no acumulado de 2018, o Ebitda terminou o ano com queda de 1,7% e fechou em US$ 1.686.764

O resultado operacional do último trimestre do ano, por sua vez, aumentou 9,3% e ficou em US$ 295,153 milhões. Mas, se olharmos para o ano todo, o resultado operacional fechou em US$ 705,119 milhões, o que representa uma desvalorização de 1,3% em relação ao ano anterior. Uma das razões foi o aumento de 29,7% nos preços do querosene na aviação.

Além disso, ao final do trimestre, a dívida financeira bruta da LATAM foi de US$ 7,3 bilhões, uma redução de US$ 629,9 milhões em relação ao ano anterior, diminuindo sua alavancagem de 4,5x para 4,3x em setembro de 2018. Para 2019, a empresa possui aproximadamente US$ 986 milhões em vencimentos de dívidas.

Também houve expansão da margem operacional da companhia. No último trimestre do ano, a margem operacional atingiu 10,6%, um aumento de 0,8 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano anterior. O crescimento está ligado a alta de 2,3% nas receitas de passageiros e ao fato de que as despesas operacionais ficaram relativamente estáveis durante o período, apesar do aumento de 27,9% nos custos de combustível.

E 2018, como foi?

Na justificativa da companhia, "o ano de 2018 foi desafiador para a indústria de aviação sul-americana, com aumento nos preços dos combustíveis, instabilidade política anterior à eleição presidencial no Brasil, volatilidade econômica na
Argentina e desvalorização das moedas locais, que impactou a demanda por viagens internacionais".

A empresa ainda acrescentou que durante o ano passado alcançou alguns marcos como uma redução de US$ 2,2 bilhões nos compromissos de frota entre 2018 e 2021 e o anúncio da intenção de adquirir a participação minoritária da Multiplus, que foi aprovada pela CVM em fevereiro de 2019. Assim, a empresa lançou uma oferta pública de aquisição, que ocorrerá entre os dia 1 de março e 1 de abril, para os 27,3% que pertencem aos acionistas minoritários, ao preço de R$ 26,84 por ação.

Houve também a aprovação para implementar os Joint Business Agreements (JBAs) entre a LATAM, a American Airlines e a IAG. Além disso, em fevereiro de 2019, a Latam Airlines aumentou o seu capital votante na TAM de 49% para 51%, mas sem alterar a administração e a operação da Latam Airlines Brasil.

A Latam também disse, em 2018, o custo por Ask excluindo combustível (custo operacional dividido pelo total de assentos-quilômetro oferecidos) caiu 10,8%, em relação ao ano anterior. E destacou que, em fevereiro deste ano, a companhia inaugurou um Centro de Manutenção de Linha (CML) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, o que deve reduzir os custos anuais em cerca de US$ 5,5 milhões.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O futuro está no céu

A acirrada corrida pelo ‘carro voador’

Além de chamar a atenção no mercado de capitais, as startups de “carros voadores” estão atraindo talentos e parceiros de setores mais tradicionais da economia

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies