Menu
2019-10-16T15:09:19-03:00
Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

16 de outubro de 2019
14:32 - atualizado às 15:09
Carlos Takahashi, presidente da BlackRock no Brasil
Carlos Takahashi, presidente da BlackRock no Brasil - Imagem: Valeria Gonçalvez/Seu Dinheiro

O ambiente de juros baixos no Brasil deu o sinal verde para a maior gestora de recursos do mundo, a BlackRock, ampliar a aposta de crescimento no País. Por trás da decisão está a expectativa de que a taxa de juros básica da economia, a Selic, na mínima histórica por um longo tempo irá obrigar os investidores - incluindo fundos de pensão - a migrar para outras alternativas, atrás de rentabilidade.

Hoje, a maior parte das carteiras é concentrada em renda fixa, principalmente títulos do tesouro. A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham no Brasil. No caso dos fundos de pensão, que por anos conseguiram atingir suas metas atuariais em um contexto de juros na casa de dois dígitos, o raciocínio é o mesmo: terão de diversificar suas carteiras para conseguir honrar com as aposentadorias. É essa a aposta da BlackRock para a operação brasileira.

Para a missão, no início do ano a gestora recrutou Carlos Massaru Takahashi, que já atuava desde 2016 como consultor sênior da BlackRock e assumiu em março o comando da operação brasileira. Por quase 40 anos, Takahashi trabalhou no Banco do Brasil, sendo que os últimos foram como presidente da gestora do banco público, a BB DTVM, a maior do País, com mais de R$ 1 trilhão em ativos sob gestão.

"A BlackRock tem capacidade de liderar esse movimento, pelos produtos da plataforma global e nossa gestão de risco", disse Takahashi, em entrevista ao Estadão/Broadcast. "Estamos aqui há mais de dez anos e o crescimento tem se dado de forma limitada, por conta das elevadas taxas de juros que tínhamos no Brasil."

Diante das atuais perspectivas macroeconômicas, a filial ganhou reforço. "Dentro da estratégia de médio e longo prazo, a BlackRock viu uma oportunidade para se reposicionar aqui, não só para desenvolver o mercado de índices, mas também a questão da diversificação internacional", afirmou.

Conforme dados da Previc, o regulador dos fundos de pensão, as fundações têm investimentos da ordem de R$ 880 bilhões, sendo que a maioria ainda alocada em renda fixa, com títulos públicos ocupando a maior fatia nessas carteiras.

Abocanhar um pedaço desse bolo poderá ajudar a BlackRock no Brasil a angariar alguns degraus no ranking das filiais da gestora. A estimativa de mercado é de que os ativos sob sua gestão no Brasil sejam da ordem de US$ 6 bilhões, muito abaixo da unidade mexicana, por exemplo, que teria alcançado mais de US$ 60 bilhões sob gestão.

Disputa

As gestoras, assim, estão de olho para pegarem, desde o início, essa mudança das fundações. No passado, quando o juro brasileiro caiu, chegando à casa de 7% ao ano, as fundações acabaram se movimentando em busca de diversificação, processo interrompido pouco depois, com a subida das taxas de juros.

Em 2014, a BlackRock foi pioneira e a primeira a lançar um fundo de investimento no exterior, em parceria com a gestora do Banco do Brasil, e atraiu alguns fundos, como a Previ, dos funcionários do BB e o maior do País.

"O mundo institucional ainda está bastante acomodado em ativos domésticos. Antes as curvas longas de juros permitiam que os fundos atingissem retorno", afirmou. Essa realidade, contudo, já não é mais verdadeira: "Agora há necessidade de os investidores darem passos mais agressivos porque atingir a meta atuarial apenas com produtos domésticos ficou difícil, para não dizer impossível. Queremos liderar esse processo", acrescentou.

Nessa primeira década no Brasil - desembarcou aqui em 2008 - a BlackRock encontrou crescimento no mundo das pessoas físicas, em especial no segmento de alta renda. Mais uma vez, a gestora espera avançar também com esse público, aumentando a presença nas plataformas bancárias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Para dirigentes de instituições

CMN estende restrição de dividendos até dezembro de 2020

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu estender até dezembro de 2020 a regra que proíbe o aumento na remuneração de dirigentes de instituições financeiras e a distribuição de dividendos acima do mínimo obrigatório

Campos Neto fala

Para BC, é possível que efeitos do isolamento persistam até metade de 2021

Para Campos Neto, o medo que as pessoas sentem de serem contaminadas fará com que muitos mantenham hábitos adquiridos durante o período de quarentena

Com pandemia

20 mil testes foram realizados em empregados para detectar covid-19, diz Petrobras

Os testes fazem parte das medidas de segurança utilizadas pela empresa para conter o avanço da doença

O Leão está esperando

A contagem regressiva começou e você tem 30 dias até o prazo final

Se você é um dos muitos brasileiros que sempre deixam esta tarefa para os minutos finais, recomendo que mude os seus planos. O Seu Dinheiro pode te ajudar.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements