Menu
2019-08-15T18:14:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ações em alta

“Resultados excepcionais”: veja o que os analistas acharam do balanço da JBS

Os resultados trimestrais da JBS foram elogiados pelos analistas, especialmente a forte geração de caixa. Com isso, os papéis da empresa fecharam em alta firme nesta quinta-feira (15)

15 de agosto de 2019
15:31 - atualizado às 18:14
Logo da JBS na parte externa de um prédio
AS ações da JBS acumulam ganhos de mais de 140% desde o início do ano - Imagem: Divulgação

Uma enorme onda de aversão ao risco tem afetado negativamente o Ibovespa nos últimos dias: o índice já acumula perdas de mais de 4% nesta semana. Nesse cenário, poucos papéis do índice conseguem remar contra a maré e sustentar desempenho positivo desde segunda-feira — e JBS ON (JBSS3) é um deles.

E o motor por trás desse recente bom desempenho é o balanço do frigorífico: a JBS reportou seus números referentes ao segundo trimestre deste ano na noite passada — e os resultados foram muito elogiados pelos analistas.

Para começar, a empresa registrou um lucro líquido e R$ 2,183 bilhões entre abril e junho deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 911,1 milhões contabilizado no mesmo período de 2018. A receita líquida avançou 12,5% na mesma base de comparação, chegando a R$ 50,8 bilhões.

Tais números chamam a atenção por si só, mas outros detalhes do balanço contribuíram para deixar o mercado ainda mais satisfeito. Em especial, a geração de caixa livre, que somou R$ 3,72 bilhões no segundo trimestre deste ano — cifra 92,6% maior que a vista há um ano.

Com a forte geração de caixa, a dívida líquida da JBS caiu 11,3% na base anual, chegando a R$ 44,77 bilhões. Com isso, a alavancagem do frigorífico teve um recuo expressivo, passando de 3,47 vezes em junho de 2018 para 2,78 vezes ao término do segundo trimestre de 2019.

Mas não foi só isso: os analistas também notaram uma evolução em diversas unidades de negócio da empresa, especialmente a JBS USA e a Seara. E, nesse contexto, as ações da JBS fecharam em alta de 4,64%, a R$ 28,62 — o melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira. Em 2019, os papéis já avançam mais de 140%.

Veja abaixo o que os analistas acharam do balanço da JBS no trimestre:

Itaú BBA — Resultados excepcionais

Recomendação: Outperform (acima da média do mercado)

Preço-alvo (2020): R$ 35,00

"As margens da JBS USA Beef permaneceram fortes: a margem Ebitda da divisão, de 8,9% ficou estritamente em linha com nossas estimativas"

"A margem Ebitda da Seara melhorou para 11,1% no segundo trimestre. As exportações foram o destaque, com aumento de 16% nos volumes comerciados com o exterior [...]. Vemos espaço para melhora nos próximos trimestres, com altas de preço nos mercados de exportação".

"A alavancagem ficou abaixo de três vezes pela primeira vez desde 2015"

"A JBS continua sendo nossa principal escolha no setor [...]. O Ebitda de R$ 300 milhões surpreendeu, e a forte geração de caixa vai provocar uma revisão de nossas estimativas e preço-alvo num futuro próximo".

BTG Pactual - Fortalecendo!

Recomendação: Compra

Preço-alvo (12 meses): R$ 27,35

"A JBS confirmou as expectativas e reportou resultados trimestrais muio fortes"

"A maior parte das unidades teve receitas e margens sequencialmente mais fortes, impulsionadas pelos ciclos mais fortes de commodities em todos os mercados de proteínas e regiões geográficas"

"A geração de caixa por si só já seria uma história atrativa para os acionistas, impulsionada pelo pano de fundo bastante favorável (com a febre suína na Ásia e o mercado de carne bovina mais apertado nos EUA)"

"Até mesmo oportunidades de crescimento inorgânico parecem ser uma opção, agora que o balanço está saudável"

Bradesco BBI - Resultados mais fortes, companhia bem posicionada para aquisições

Recomendação: Neutro

Preço-alvo (2020): R$ 28,00

"A geração de caixa robusta e o sólido balanço permitem que a JBS persiga fusões e aquisições [...]. Com a alavancagem caindo para 2,8 vezes, estimamos que a empresa possua cerca de R$ 24 bilhões de poder de fogo para procurar oportunidades de compra".

"Os resultados reforçaram nossa visão de que a JBS deve continuar se beneficiando do surto de febre suína na China, que, em nossa visão, permanece como o principal fator de influência para as ações"

"Continuamos vendo o IPO nos Estados Unidos (potencialmente em 2020) como um fator relevante de valorização, uma vez que pode destravar valor para a companhia, e agora achamos que o balanço forte pode gerar abrir oportunidades orgânicas para aumentar a exposição a produtos processados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements